Análise da cobertura vacinal em menores de cinco anos em um estado fronteiriço da Amazônia

Fernanda Zambonin, Karen Ludimylla Bezerra Lima, Priscilla de Araújo Costa de Sousa, Thais Renata Muniz, Raquel Voges Caldart, Jackeline da Costa Maciel, Calvino Camargo

Resumo


Objetivou-se realizar uma análise temporal da cobertura vacinal em menores de cinco anos em um estado fronteiriço da região amazônica. Trata-se de um estudo quantitativo, epidemiológico, de série histórica, por meio de dados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) sobre a cobertura vacinal no estado de Roraima entre os anos de 2013 e 2017. De maneira geral, a cobertura vacinal mostrou-se instável no período analisado, apontando para um aumento nos anos de 2013 a 2015 e uma tendência de redução entre o período de 2015 a 2017 nas três esferas avaliadas (Brasil, Região Norte e Roraima). Todavia, o estado de Roraima apresentou indicadores acima da média nacional a partir de 2015.  Com relação aos imunobiológicos, somente a BCG alcançou a meta preconizada em toda série histórica. Diante disso, verificou-se heterogeneidade nas coberturas quando avaliados os imunobiológicos isoladamente e houve uma redução geral na cobertura vacinal, apontando a necessidade de criar estratégias eficazes para direcionar as ações em saúde de maneira a controlar ou erradicar as doenças imunopreviníveis.


Palavras-chave


Cobertura Vacinal; Imunização; Vigilância Epidemiológica.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Ministério da Saúde, BR. Manual de Normas e Procedimentos para Vacinação. Brasília, Ministério da Saúde; 2014.

Tavares EC, Ribeiro JG, Lorenza AO. Imunização ativa e passiva no prematuro extremo. Jornal de Pediatria. 2005;81(1):89-93.

Levi GC, Kallás EG. Varíola, sua prevenção vacinal e ameaça como agente de bioterrorismo terrorismo. Rev Assoc Med Bras. 2002;48(4):62-357.

Homma A, Martins RM, Leal MLF, Freire MS, Couto AR. Atualização em vacinas, imunizações e inovação tecnológica. Ciênc. Saúde Colet. 2011;16(2): 445-458.

Ministério da Saúde, BR. Manual dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais. Brasília, Ministério da Saúde; 2014.

Ministério da Saúde, BR. Programa Nacional de Imunizações: aspectos históricos dos calendários de vacinação e avanços dos indicadores de coberturas vacinais, no período de 1980 a 2013. Brasília, Ministério da Saúde; 2015.

Moraes JC, Ribeiro MCSA. Desigualdades sociais e cobertura vacinal: uso de inquéritos domiciliares. Rev Bras Epidemiol. 2008;11: 24-113.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [Internet]. Projeção da população do Brasil e das Unidades da Federação, 2018 [citado em 08 nov 2018]. Disponível em:

Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde [Internet]. Informações de Saúde (TABNET) - Assistência à Saúde – Imunizações, 2013-2017 [citado em 3 out 2018]. Disponível em:

Associação Brasileira de Saúde Coletiva [Internet]. Abrasco divulga nota alertando sobre a queda da cobertura vacinal no Brasil, 2018 [citado em 06 nov 2018]. Disponível em:

Neves RC, Wendt A, Costa CS, Flores TR, Soares ALG, Wehrmeister FC. Cobertura da vacina meningocócica C nos estados e regiões do Brasil em 2012. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2016;11(38):1-10.

Stopa SR, Malta DC, Monteiro CN, Szwarcwald CL, Goldbaum M, Galvão Cesar CL. Acesso e uso de serviços de saúde pela população brasileira, Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Rev Saúde Publica. 2017;51(Supl1:3s):1-11.

Simões GF. Venezuelanos em Roraima: características e perfis da migração venezuelana para o Brasil. In: Cierco T. et al. Fluxos migratórios e refugiados na atualidade. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer Stiftung; 2017. p. 45-56.

Ministério da Saúde, BR. Informe nº7: Situação dos Casos de Sarampo nos Estados de Roraima e Amazonas – 2018. Brasília, Distrito Federal; 2018.

Braz RM, Domingues CMAS, Teixeira MAS, Luna EJA. Classificação de risco de transmissão de doenças imunopreveníveis a partir de indicadores de coberturas vacinais nos municípios brasileiros. Epidemiol. Serv. Saude. 2016 out./dez.; 25(4):745-754.

Prefeitura de Boa Vista [Internet]. Migração: Prefeitura decreta situação de emergência social por causa da crise migratória, 2018 [citado em 08 nov 2018]. Disponível em:

Sociedade Brasileira de Pediatria [Internet]. Poliomielite nas Américas, 2018 [citado em 06 nov 2018]. Disponível em:

Santos CTB, Barros IS, Amorim ACCLA, Rocha DG, Mendonça AVM, Sousa MF. A integralidade no Brasil e na Venezuela: similaridades e complementaridades. Ciência & Saúde Coletiva. 2018;23(4):1233-1240.

Henrique F, Ros MA, Goronzi TA, Soares GB, Almeida L. Modelo de atenção primária à saúde na Venezuela, Misión Barrio Adentro I: 2003-2006. Trab. Educ. Saúde. 2014;12(2):305-326.

Nora TTD, Paz AA, Linch GFC, Pelegrini AHW, Wachter MZD. Situação da cobertura vacinal de imunobiológicos no período de 2009-2014. Rev Enferm UFSM. 2016 out./dez.;6(4):482-493.

Oliveira MFS, Martinez EZ, Rocha JSY. Fatores associados à cobertura vacinal em menores de cinco anos em Angola. Rev Saúde Pública. 2014;48(6):906-915.

World Health Organization. [Internet]. Immunization coverage. Geneva: WHO; 2015 [citado em 06 nov 2018]. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2019v5n1p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132019v5n2.2240g389

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS