“Por onde andei”: vivências de acadêmicos de enfermagem na atenção primária à saúde

Autores

  • Francisco Willian Melo de Sousa Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)
  • Marcos Pires Campos Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)
  • Altenório Lopes de Sousa Filho Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)
  • Francisco Marcelo Leandro Cavalcante Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)
  • Lycélia da Silva Oliveira Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Maria do Socorro Melo Carneiro Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)
  • Ana Karoline Soares Arruda Universidade Federal do Ceará (UFC)

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2019v5n3p293-304

Resumo

Objetivo: Relatar as atividades de campo realizadas por acadêmicos de enfermagem em um Centro Saúde da Família de Sobral, Ceará. Metodologia: Relato de experiência, de cunho descritivo e abordagem qualitativa, referente às atividades propostas pelo módulo Atenção Básica à Saúde II do curso de Enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú. As vivências se deram por meio de visitas técnicas no território de estudo durante março, abril e maio de 2018. Utilizou-se um roteiro semiestruturado para nortear as atividades, que consistiram em observação participante, realização de visitas domiciliares e aplicação de ferramentas de avaliação familiar. As informações coletadas foram organizadas em relatórios de vivências e diários de campo. Resultados: As vivências dentro dos serviços de saúde foram essenciais no processo formativo acadêmico-profissional dos estudantes de enfermagem, proporcionando saberes e conhecimentos a respeito da organização dos serviços na Atenção Primária à Saúde e da atuação do enfermeiro nesse âmbito, oportunizando um aprendizado mais efetivo para além dos muros da Universidade. Considerações finais: O estudo possibilitou a inserção inicial nesse campo de atuação da profissão, potencializando os conhecimentos e habilidades necessárias para a prestação de uma assistência qualificada e resolutiva.Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde; Enfermagem em Saúde Comunitária; Saúde da família.

Biografia do Autor

Francisco Willian Melo de Sousa, Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)

Graduando em  Enfermagem pela Univervidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). Sobral-CE

Marcos Pires Campos, Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)

Graduando em Enfermagem pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), Sobral-CE.

Altenório Lopes de Sousa Filho, Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)

Graduando em Enfermagem pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), Sobral-CE.

Francisco Marcelo Leandro Cavalcante, Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)

Graduando em Enfermagem pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), Sobral-CE.

Lycélia da Silva Oliveira, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Psicóloga. Mestranda em Saúde da Família pela Universidade Federal do Ceará (UFC ), Campus Sobral-CE.

Maria do Socorro Melo Carneiro, Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)

Enfermeira. Mestre em Saúde Pública Pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Docente do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), Sobral-CE.

Ana Karoline Soares Arruda, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Enfermeira. Mestranda em Saúde da Família pela Universidade Federal do Ceará (UFC), Campus Sobral-CE.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. A implantação da Unidade Básica de saúde da Família. Brasília (DF): MS; 2000.

Justo LG, Severo AKS, Félix-Silva AV, Soares LS, Silva-Júnior FL, Pedrosa JIS. A territorialização na Atenção Básica: um relato de experiência na formação médica. Interface- Comunicação saúde educação. [internet]. 2017; [Citado 2019 Mai 4 ]; 21(Supl.1):1345-54. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141432832017000501345&script=sci _abstract&tlng=pt>.

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura/Ministério da Saúde; 2002.

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília (DF): MS; 1997.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.488, DE 21 DE OUTUBRO DE 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União. Brasília, DF. 2011.

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Enfermagem. Sobral, Ceará. 2017.

Merhy EE. Educação Permanente em movimento- uma política de reconhecimento e

cooperação, ativando os encontros do cotidiano no mundo do trabalho em saúde, questões

para os gestores, trabalhadores e quem mais quiser se ver nisso. Saúde em Redes. [internet]. 2015; [Citado 2019 Mai 4]; 1(1). Disponível em:<http://revista.redeunida.org.br/ojs/index. php/redeunida/article/view/3>.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução n⁰ 466, de 12 de dezembro de 2012. Diário Oficial [da União]. Brasília, 12 de dezembro de 2012.

Carvalho PIN, Brandão SASM, Santos AMB, Vilarinho MLCM, Moura DS, Machado TMG. Territorialização enquanto ferramenta norteadora das ações de enfermagem na Estratégia de Saúde da Família. Sanare [internet]. 2015 [Citado 2019 Mai 4];14 (Suppl 1):91. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/1103

Araújo GB, Alves Filho FWP, Santos RS, Lira RCM. Territorialização em saúde como

instrumento de formação para estudantes de medicina: relato de experiência. SANARE, Sobral. [internet]. 2017. [Citado 2019 Mai 4];16(1);124-129. Disponível em: <https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/1103>.

Oliveira VC. Comunicação, informação e participação popular nos Conselhos de Saúde. Saúde e Sociedade, [internet]. 2004 [Citado 2019 Fev 4 ];13(2):56-69. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-12902004000200006&script=sci_abstract&tlng=pt>.

Labra ME. Conselhos de Saúde: dilemas, avanços e desafios. In: Lima NT(Organizadores). Saúde e Democracia. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2005. p. 353-384.

Figueiredo MHJS, Martins MMFS. Avaliação familiar: do Modelo Calgary de Avaliação da Família aos focos da prática de enfermagem. Cienc. Cuid. Saúde [internet]. 2010 [Citado 2019 out. 20]; 9(3): 552-559. Disponível em:<http://eduem.uemuem.br/ojs/index.php/Cienc CuidSaude/article/viewFile/12559/6651>.

Santos JAD, Cunha ND, Brito SMS, Brasil CHG. Ferramenta de abordagem familiar na atenção básica: um relato de caso. J Health Sci Inst [internet]. 2016 [Citado 2019 mar. 20]; 34(4):249-52. Disponível em: <https://www.unip.br/presencial/comunicacao/publicacoes/ics/edicoes/2016/04_out-dez/V34_n4_2016_p249a252.pdf>.

Santos KKF, Figueiredo CR, Paiva KM, Campolina LR, Barbosa AAD, Santo ASF. Ferramentas de Abordagem Familiar: Uma Experiência do Cuidado Multiprofissional no Âmbito da Estratégia Saúde da Família. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações,[internet]. 2015 [Citado 2019 mar. 20]; 13 (2):377-387. Disponível em: <http://periodicos.unincor.br/index.php/revistaunincor/article/view/2340/pdf_385>.

Publicado

2019-05-23

Edição

Seção

Sessão Especial- Extensão na educação superior e profissional- Relatos de Experiência