Projeto de extensão universitária fortalecendo as ações de vigilância da saúde no Estado da Paraíba: relato de experiência

Evelyn Gomes Nascimento, Lenilma Bento de Araújo Meneses, Rackynelly Alves Sarmento Soares, Giovanna Carvalho Martins, Vanessa Miranda silva, Anna Stella Cysneiros Pachá

Resumo


O presente artigo teve como objetivo relatar a experiência vivenciada no projeto de extensão “Educação Permanente em Saúde: fortalecendo ações da vigilância da saúde no Estado da Paraíba”. Trata-se de um documento descritivo, do tipo relato de experiência acerca de um projeto de extensão de caráter institucional e interdepartamental, desenvolvido pelo Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva, da Universidade Federal da Paraíba, com o intuito de realizar ações de educação em saúde em face de endemias em diferentes cidades, por meio de oficinas e ações de informação, comunicação e educação popular como estratégia de vigilância da saúde. Durante as atividades, observou-se a importância das práticas educativas que tinham em vista a conscientização, sensibilização e mobilização não só da população, mas, também, de órgãos governamentais, no que tange às estratégias da vigilância epidemiológica frente ao combate de doenças emergentes e reemergentes no Estado. Nesse sentido, o artigo reitera a credibilidade da extensão universitária ao oportunizar os compromissos ético-científico e político-social da universidade com a comunidade, atendendo demandas sociais mediante seu envolvimento com diferentes realidades e favorecendo uma postura crítica sobre as políticas de saúde do país. No âmbito locorregional, no que se refere aos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde, verifica-se a priorização das doenças negligenciadas, bem como a ênfase no ensinar e aprender em vigilância da saúde.


Palavras-chave


Vigilância da saúde; Doenças negligenciadas; Educação em saúde; Extensão universitária.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 1.378, de 9 de julho de 2013. Regulamenta as responsabilidades e define diretrizes para execução e financiamento das ações de vigilância em saúde pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios, relativos ao Sistema Nacional de Vigilância em Saúde e Sistema Nacional de Vigilância Sanitária. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 9 jul. 2013.

Campos CEA. O desafio da integralidade segundo as perspectivas da vigilância da saúde e da saúde da família. Ciênc. Saúde Coletiva. 2003; 8(2):569-584.

Ceccim RB. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface (Botucatu). 2004; 9(16):161-77.

Paraíba. Secretaria Estadual da Saúde. Relatório Anual de Gestão do Sistema Único de Saúde. 2015.

Araújo IS, Moreira AL, Aguiar R. Doenças negligenciadas, comunicação negligenciada. Apontamentos para uma pauta política e de pesquisa. Rev Eletron Comun Inf Inov Saude [Internet]. 2013 [acesso 2019 mar 11]; 6(4). Disponível em: https://www.reciis.icict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/view/706/1351

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Guia Prático para o Controle das Geo-Helmintíases [recurso eletrônico]. Brasília: Ministério da Saúde. 2018.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, 1988.

Nunes ALPF, Silva MBC. A extensão universitária no ensino superior e a sociedade. Mal-Estar e Sociedade. [Internet]. 2011 [acesso 2019 abr 20] 4(6). Disponível em: http://revista.uemg.br/index.php/malestar/article/view/60/89

Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras - FORPROEX. Indissociabilidade ensino-pesquisa-extensão e a flexibilização curricular: uma visão da extensão. Brasília: MEC/SESu. 2006.

Rocha LAC. Projetos Interdisciplinares de Extensão Universitária: ações transformadoras. [Dissertação]. Mogi das Cruzes: Universidade Braz Cubas; 2007.

Brasília: MEC/SESU, 2006.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n2.2492g533

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS