Vivências de acolhimento na unidade de saúde da família: a experiência do cantinho do chá na UBS do Grotão, João Pessoa-PB

Andre Bonifácio CARVALHO, Leila Rafaela Alves Braga, Danielle Fernandes Da Silva, Jeremias Bezerra Fernandes De Araujo, Maria Do Carmo De Amorim, Maria Janilce Oliveira Magalhaes

Resumo


Este trabalho traz uma primeira aproximação aos trabalhos do Projeto Cantinho do Chá e da Horta Agroecológica, espaços de vivências onde são realizados diálogos de saberes entre a comunidade, profissionais e estudantes de instituições de ensino superior na cidade de João Pessoa. Nesses ambientes são servidos chás medicinais nas segundas, terças e quartas feiras, produtos estes resultantes do plantio e colheita das ervas na horta da Unidade de Saúde da Família (USF) do Grotão em João Pessoa. O trabalho foi realizado no período de no ano de 2017 ao projeto de extensão do Departamento de Promoção da Saúde -CCM-UFPB. As ações realizadas envolveram equipe multiprofissional, comunidade e estudantes dos cursos de Medicina, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, de modo que as atividades desenvolvidas propiciaram o fortalecimento de um conjunto de conceitos e percepções sobre os fundamentos das práticas integrativa e do acolhimento na atenção básica. Buscou-se, também, identificar as dinâmicas estabelecidas na escuta qualificada entre usuários e profissionais de saúde, na perspectiva de detectar os limites e as possibilidades existentes nos processos de trabalho das equipes. De acordo com os dados obtidos é possível destacar que o uso do chá é um dispositivo importante para estreitar os vínculos entre usuários, profissionais, estudantes e demais atores sociais relacionados nos processos de trabalho. Além disso, também resgata os usos, sentidos, costumes e conhecimentos das plantas medicinais no cuidado a saúde, contribuindo para melhoria do acolhimento aos usuários, ancorado na Política Nacional de Práticas Integrativas Complementares em Saúde (PNPICS).


Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Medeiros FA. et al. Acolhimento em uma Unidade Básica de Saúde: a satisfação do usuário em foco. Revista de Salud Pública, v. 12, p. 402-413, 2010.

Benevides R; Passos E. A humanização como dimensão pública das políticas de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 10, p. 561-571, 2005.

Souza A C. de, Lopes, MJM. Acolhimento: responsabilidade de quem? Um relato de experiência. Revista Gaúcha de Enfermagem. Porto Alegre. Vol. 24, n. 1 (jan. 2003), p. 8-13, 2003.

Barr H. Interprofessional education: the genesis of a global movement. London: Centre for Advancement of Interprofessional Education, 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM nº. 2488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2011.

Ceccim RB. Equipe de saúde: a perspectiva entre-disciplinar na produção dos atos terapêuticos. In: Pinheiro R, Mattos RA. Cuidado: as fronteiras da integralidade. Rio de Janeiro, Hucitec, 2004. p. 259-278.

Peduzzi M. O SUS é interprofissional. Interface comun. saúde educ. Botucatu, v. 20, n. 56, p. 199-201, 2016.

Pagani R.; Andrade, LOM. de. Preceptoria de território, novas práticas e saberes na estratégia de educação permanente em saúde da família: o estudo do caso de Sobral, CE. Saúde e Sociedade, v. 21, p. 94-106, 2012.

Levin JS, Jonas WB, editores. Tratado de medicina complementar e alternativa. São Paulo: Manole; 2001.

Andrade JT. Medicinas alternativas e complementares: experiência, corporeidade e transformação. Salvador: EdUFBA; EdUECE; 2006.

Mcwhinney IR. Manual de medicina de família e comunidade. 3. ed. Porto Alegre: Artmed; 2010.

Tesser CD, Sousa IMC. Atenção primária, atenção psicossocial, práticas integrativas e complementares e suas afinidades afetivas. Saúde Soc. 2012; 21(2):336- 350.

Astin JA. Why patients use alternative medicine: results of a national study. JAMA 1998; 279(19):1548-53.

The Joint Commissioning Panel for Mental Health. Guidance for commissioners of services for people with medically unexplained symptoms. [Online] 2017. Available: https://www.jcpmh.info/wp-content/uploads/jcpmh- -mus-guide.pdf Accessed 20 June 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Brasília, DF: MS; 2006. (Série B. Textos Básicos de Saúde).

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Ampliação da PNPIC [internet]. 2017. Disponível em: http://189.28.128.100/ dab/docs/portaldab/documentos/informe_pics_ maio2017.pdf Accesso em agosto de 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 702, de 21 de março de 2018. Altera a Portaria de Consolidação nº 2/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para incluir novas práticas na Política Nacional. Diário Oficial da União. 22 mar 2018.

Tesser CDI, Sousa MC de, M CN. Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Primária à Saúde brasileira. Traditional and Complementary edicine in Primary Health Care in Brazil. Saúde Debate/Rio De Janeiro, V. 42, Número Especial 1, P. 174-188, setembro 2018.

Costa MAR, CAMBIRBA MS, Acolhimento em enfermagem: A visão do profissional e a expectativa do usuário. Ver. Cienc Cuid Saude 2010 Jul/Set; 9(3):494-502.

Brehmer LCF, Verdi M. Acolhimento na Atenção Básica: reflexões éticas sobre a Atenção à Saúde dos usuários. Cienc Saúde Coletiva. 2010;15(3):3569-78.

Franco TB, Bueno WS, Merhy EE. O acolhimento e os processos de trabalho em saúde: o caso de Betim, Minas Gerais, Brasil;Cadernos de Saúde Pública – Nº 15 (2), ENSP Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 1345-353, abr-jun, 1999.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS no 971, de 3 de maio de 2006. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PNPIC).

REEVES S, HEAN S. Why we need theory to help us better understand the nature of interprofessional education, practice and care. Journal of interprofessional care, Abingdon, v. 27, no. 1, p. 1-3, 2013.

Costa MV. A potência da educação interprofissional para o desenvolvimento de competências colaborativas no trabalho em saúde. Interprofissionalidade e formação na saúde: onde estamos? [recurso eletrônico] / Ramona Fernanda Ceriotti Toassi, organizadora. – 1.ed. – Porto Alegre: Rede UNIDA, 2017. p.: il. – (Série Vivência em Educação na Saúde). Disponível em: http://historico.redeunida.org.br/editora/biblioteca-digital/serie-vivencias-em-educacao-na-saude/vol-06-interprofissionalidade-e-formacao-na-saude-pdf Acesso em Jun de 2019.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n1p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n1.2516g501

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS