Mandala da Prevenção Combinada: ferramenta pedagógica no enfrentamento das infecções sexualmente transmissíveis, aids e hepatites virais em Pernambuco

Jonatan Willian Sobral Barros da Silva, Maria Eduarda Pereira de Almeida, André dos Santos Souza, Isabella Montalvão Vieira, Debora Lima Veras, Grazielly dos Santos Vasconcelos, Camila de Farias Dantas

Resumo


Objetivo: Apresentar a mandala da prevenção combinada de Pernambuco, como um recurso didático-pedagógico para o desenvolvimento das políticas de prevenção combinada às Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), aids e Hepatites Virais (HV). Método: Estudo descritivo, do tipo relato de experiência, realizado pelo Programa Estadual de IST/aids/HV para construção e implementação da mandala de prevenção combinada na rede de serviços de Pernambuco. Resultados: Construída a partir de oficinas temáticas com o corpo técnico e especializado do Programa Estadual, a mandala congrega 13 tecnologias, disposta em círculo, com cores específicas, desenhos ilustrativos e redação que dialoga tanto com o trabalhador quanto com o usuário. Sua divulgação foi feita por meio de cartazes, folders, oficinas para formação de multiplicadores e rodas de conversas com os trabalhadores da saúde e usuários do estado, com vistas a sua disseminação e utilização no gerenciamento de risco em torno das IST, aids, HV e seu enfrentamento. Conclusão: A utilização de recursos didáticos facilitam a apreensão e divulgação das tecnologias existentes da prevenção combinada, ofertando uma ferramenta pedagógica para a realização do gerenciamento de risco dos usuários atendidos pelos profissionais da rede de serviços. A mandala contribui para a efetivação da prevenção combinada no âmbito estadual, proporcionando avanço no diálogo e efetivação da política de prevenção na rede de serviços do SUS.


Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


REFERÊNCIAS

- Pereira BPM, Silva NM, Moura LRP, Brito CMS, Câmara JT. Estudo epidemiológico de pacientes com infecção pelo vírus da imunodeficiência humana/síndrome da imunodeficiência adquirida (HIV/aids), Caxias-MA. Revista Interdisciplinar. 2016; 9 (4): 132-141.

- Brito AM, Castilho EA, Szwarcwald CL. AIDS e infecção pelo HIV no Brasil: uma epidemia multifacetada. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2000; 34 (2): 207-217.

- Ferreira TCR, Souza APC, Rodrigues Júnior RS. Perfil Clínico e Epidemiológico dos Portadores do HIV/AIDS com Coinfecção de uma Unidade de Referência Especializada em Doenças Infecciosas Parasitárias Especiais. Revista da Universidade Vale do Rio Verde. 2015; 13 (1): 419-431.

- Paiva V. Fazendo arte com camisinha. São Paulo: Summus Editorial 2000; Cap.1, p.25-54.

- United Nations Programme on HIV/AIDS. Combination HIV prevention: tailoring and coordinating biomedical, behavioural and structural strategies to reduce new HIV infections: a UNAIDS discussion paper; 2010.

- Grangeiro A, Ferraz D, Calazans G, Zucchi EM, Diaz-Bermudez XP. O efeito dos métodos preventivos na redução do risco de infecção pelo HIV nas relações sexuais e seu potencial impacto em âmbito populacional: uma revisão da literatura. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2015; 18 (1): 43-62.

- Monteiro EMLM, Vieira NFC. Educação em saúde a partir de círculos de cultura. Revista Enfermagem. 2010; 63 (3): 397-403.

- Ministério da Saúde (BR). Diretrizes para Organização do CTA no âmbito da Prevenção Combinada e nas Redes de Atenção à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

- Spink MJ, Menegon VM, Medrado B. Oficinas como estratégia de pesquisa: articulações teórico-metodológicas e aplicações ético-políticas. Psicologia & Sociedade. 2014; 26 (1): 32-43.

- Green S. El Livro de los mandalas del mundo. Santiago, Chile: Océano Âmbar; 2005.

- Ministério da Saúde (BR). Prevenção Combinada do HIV: Bases conceituais para profissionais, trabalhadores(as) e gestores(as) de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

- Paiva V, Venturi G, França-Jr I, Lopes F. Uso de preservativos: pesquisa nacional MS / ibope, Brasil; 2003

- Almeida MCC, Aquino EML, Gaffikin L, Magnani RJ. Uso de contracepção por adolescentes de escolas públicas na Bahia. Rev Saúde Pública. 2003; 37:566-75.

- Gomes VLO, Fonseca AD, Jundi MG, Severo TP. Percepção de casais heterossexuais acerca do uso camisinha feminina G Esc Anna Nery (impr.) 2011 jan-mar; 15 (1):22-30.

- Secretaria da Saúde (RS). Escola de Saúde Pública. Guia de redução de danos para trabalhadores da saúde: subsídios para a abordagem em drogas e AIDS. Porto Alegre: Secretaria da Saúde; 2001.

- Dias JC, Scivoletto S, Silva CM, et al. Redução de danos: posições da Associação Brasileira de Psiquiatria e da Associação Brasileira para Estudos do Álcool e Outras Drogas. J. Bras. Psiquiatria. 2003; 52 (5): 341-348.

- Fleury S (org.). Saúde e democracia: a luta do CEBES. Lemos Editorial, São Paulo; 1997.

- Assis MMA, Jesus WLA. Acesso aos serviços de saúde: abordagens, conceitos, políticas e modelo de análise. Ciência & Saúde Coletiva. 2012, 17(11): 2865-2875.

- Ramos DD, Lima MADS. Acesso e acolhimento aos usuários em uma unidade de saúde de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saúde Pública. 2003; 19(1): 27-34.

- Bonolo PF, Gomes RRFM, Guimaraes MDC. Adesão à terapia anti-retroviral (HIV/aids): fatores associados e medidas da adesão. Epidemiol. Serv. Saúde. 2007; 16 (4): 267-278.

- Rocha PM, et al. Avaliação do Programa Saúde da Família em municípios do Nordeste brasileiro: velhos e novos desafios. Cad. Saúde Pública. 2008; 24(1): 69-78.

- Filgueiras SL, Maksud I. Da política à prática da profilaxia pós-exposição sexual ao HIV no SUS: sobre risco, comportamentos e vulnerabilidades. Sex., Salud Soc.2018; 1 (30): 282-304.

- Peder LD, et al. Infecções genitais e fatores de risco em gestantes atendidas em um serviço de saúde pública. Rev Espaço para a Saúde. 2018; 19(1): 82-90.

- Ministério da Saúde (BR). Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para prevenção da transmissão vertical de HIV, sífilis e hepatites virais. Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

- Oliveira RLS. Sentidos subjetivos de adolescentes soropositivos para HIV. [dissertação de mestrado]. Salvador (BA): Universidade Federal da Bahia. Instituto de Psicologia; 2015.

- Spinard JR, et al. Adolescer com HIV: saber, conhecer e conviver. Adolescência & Saúde. 2008; 5 (2): 7-14.

- Villela WV, Monteiro S. Gênero, estigma e saúde: reflexões a partir da prostituição, do aborto e do HIV/aids entre mulheres. Epidemiol. Serv. Saúde. 2015; 24 (3): 531-540.

- Medeiros APDS, Araújo VS, Moraes MNM, Almeida AS, Almeira JN, Dias MD. A experiência da soropositividade para grávidas com HIV/AIDS: preconceito, dor, trauma e sofrimento pela descoberta. Rev enferm. 2015; 23(3): 362-7.

- Szwarcwald CL, Pascom ARP, Souza Junior PR. Estimation of the HIV Incidence and of the Number of People Living With HIV/AIDS in Brazil, 2012. Journal of AIDS and Clinical Research. 2015; 6(3).

- Szwarcwald CL. Taxas de prevalência de HIV e sífilis e conhecimento, atitudes e práticas de risco relacionadas às infecções sexualmente transmissíveis nos grupos das mulheres profissionais do sexo, no Brasil. 2009. Relatório técnico entregue ao Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais.

- Bastos FI. Taxas de infecção de HIV e sífilis e inventário de conhecimento, atitudes e práticas de risco relacionadas às infecções sexualmente transmissíveis entre usuários de drogas em 10 municípios brasileiros. Relatório técnico entregue ao Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, 2009

- Queiroz AAFLN, Sousa AFL. Fórum PrEP: an online debate on the use of “pre-exposure prophylaxis” in Brazil. Cad Saúde Pública. 2017; 33(12).

- Lafeuillade A. HIV PreP opens the door to STDs: the pros. Journal of Virus Erradication 2016; 2 (Suppl 1):1-7

- Knauth DR, Machado PS. "Corrigir, prevenir, fazer corpo”: a circuncisão masculina como estratégia de prevenção do HIV/AIDS e as intervenções cirúrgicas em crianças intersex. Sex. Salud Soc. 2013; (14): 229-241.

- Franco EL, Sanjosé S, Broker TR, Stanley MA, Chevarie-Davis M, Isidean SD, et al. Human papillomavirus and cancer prevention: gaps in knowledge and prospects for research, policy, and advocacy. Vaccine. 2012; 30(Suppl 5): 175- 82.

- Osis MJD, Duarte GA, Sousa MH. Conhecimento e atitude de usuários do SUS sobre o HPV e as vacinas disponíveis no Brasil. Rev Saúde Pública 2014; 48(1):123-133.

- Fagundes, GD; Bonazza V, Ceretta LB, Back AJ, Bettiol J. Detecção do vírus da Hepatite C em uma população de adultos. Revista Latinoamericana de Enfermagem. 2008; 16 (3): 396-400.

- Mariano A, Mele A, Tosti ME, Parloto A, Gallo G, Ragni P, et al. Role of beauty treatment in the spread of parentrally transmitted hepatitis viruses in Italy. Journal of Medical Virology. 2004; 74: 216-220.

- Oliveira ACS, Focaccia R. Prevalência das Hepatites B e C em profissionais manicures e pedicures do município de São Paulo [dissertação de mestrado]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 2009.

- Ministério da Saúde (BR). Programa Nacional para a Prevenção e Controle das Hepatites Virais: Manual de aconselhamento em Hepatites Virais: Brasília, ministério da saúde. 2005.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n2.3028g705

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS