Características Sócio-comportamentais, o Conhecimento Sobre o Exame Citopatológico e os Resultados Citológicos de Usuárias do Serviço Único de Saúde

Andrea Alves Ribeiro, Guilherme Ferreira Correia, Graziela Piccola Bordoni, Valdirene Fernandes Moreira, Antonio Márcio Teodoro Cordeiro Silva

Resumo


Objetivos: Analisar, por meio de estudo de coorte transversal, a associação entre as características sociodemográficas-comportamentais, o conhecimento sobre o exame citopatológico e o resultado citológico das mulheres atendidas no Centro de Saúde da Família (CSF) da Vila Mutirão, em Goiânia, Goiás. Métodos: As pacientes incluídas no estudo atendidas responderam um questionário sobre o conhecimento a respeito do exame citopatológico, características sociodemográficas e comportamentais. Os dados coletados foram inseridos em um banco de dados no Microsoft® Excel 2010 e utilizado o Software R i386 versão 3.6.3. Para validação das associações foi utilizado o teste do Qui-quadrado (x²), com nível de significância de 5% (p<0,05). Resultados: Das 64 participantes, 96,8% possuem escolaridade até o ensino fundamental. Dessas, 65,5% afirmam ser pardas, a maioria com renda familiar menor que dois salários mínimos, indicando 53,1%. Cerca de 78,0% possuem vida sexualmente ativa, sendo 54,7% iniciado após os 16 anos, 49,2% apresentavam mais de dois parceiros sexuais. Sobre o conhecimento do citopatológico, 93,8% tem o conhecimento, entretanto 89,9% não o realizam na periodicidade adequada. A microbiota lactobacilar foi a mais frequente com 60,93%. Mulheres que faziam uso de cigarros há mais de 10 anos tiveram maior frequência de microbiota não lactobacilar no exame citopatológico com significante associação (p=0,0065). Conclusões: O estudo reforça a importância da necessidade de criação estratégica de medidas educativas e de saúde pública, além de programas de educação sexual e sobre a importância da realização do exame citopatológico e sua periodicidade.


Palavras-chave


Esfregaço vaginal; Saúde da mulher; Microbiota.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Albert AYK, Chaban B, Wagner EC, Schellenberg JJ, Links MG, van Schalkwyk J, Reid G, et al. A Study of the Vaginal Microbiome in Healthy Canadian Women Utilizing cpn60-Based Molecular Profiling Reveals Distinct Gardnerella Subgroup Community State Types. PLos ONE. 2015;10(8):e0135620.

Neves, JJ, Fagundes GL, Ito CAS, Machado EP, Ravelli APX, Reche PM. Alterações celulares reativas frente ao morfotipo de lactobacilos vaginais. RBAC. 2019;51(3):219-29.

Camargo KC, Alves RRF, Baylão LA, Ribeiro AA, Araujo NLAS, Tavares SBN, Santos SHR. Secreção vaginal anormal: Sensibilidade, especificidade e concordância entre o diagnóstico clínico e citológico. Rev Bras Ginecol Obstet. 2015; 37(5):222-8

Ignacio MAO, Andrade J, Freitas APF, Pinto GVS, Silva MG, Duarte MTC. [Prevalência de vaginose bacteriana e fatores associados em mulheres que fazem sexo com mulheres]. Prevalence of bacterial vaginosis and factors associated among women who have sex with women. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2018;26:e3077.

Toninato LGD, Irie MMT, Consolaro MEL, Teixeira JJV, Boer CG. Vaginose bacteriana diagnosticada em exames citológicos de rotina: prevalência e características dos esfregaços de Papanicolaou. RBAC. 2016;48(2):165-9.

Lima APW, Rossi CO. Ocorrência de vaginose bacteriana no exame citológico de pacientes de um hospital de Curitiba. Revista Saúde e Desenvolvimento. 2015;7(4):166–78.

Neto PA, Burgos VO. Monitoramento microbiológico do epitélio cérvico-vaginal em atipías celulares. RBAC. 2016;48(4):320-4.

Walboomers JM, Jacobs MV, Manos MM, Bosch FX, Kummer JA, Shah KV, Snijders PJ, Peto J, Meijer CJ, Muñoz N. Human papillomavirus is a necessary cause of invasive cervical cancer worldwide. J Pathol. 1999 Set;189(1):12-9.

Bruni L, Albero G, Serrano B, Mena M, Gómez D, Muñoz J, Bosch FX, de Sanjosé S. ICO/IARC Information Centre on HPV and Cancer (HPV Information Centre). Human Papillomavirus and Related Diseases in the World. Summary Report 17 June 2019.

INSTITUTO NACIONAL DO CANCÊR. Controle do Câncer do colo do útero: Fatores de risco. [acesso em 2020 mar 15]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/controle-do-cancer-do-colo-do-utero/fatores-de-risco.

INSTITUTO NACIONAL DO CANCÊR. Tipos de Câncer: Câncer do colo do útero. [acesso em 2020 maio 10] Disponível em: https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-do-colo-do-utero.

Dhaher EA. Knowledge, Attitudes and Practices of Women in the Southern Region of Saudi Arabia Regarding Cervical Cancer and the Pap Smear Test. Asian Pac J Cancer Prev. 2019; 20(4): 1177–1184.

MacLaughlin KL, Jacobson RM, Breitkopf CR, Wilson PM, Jacobson DJ, Fan C, et al. Trends Over Time in Pap and Pap-HPV Cotesting for Cervical Cancer Screening. J Womens Health. 2019 Feb;28(2):244-249.

Nayar R, Wilbur DC, editors. The Bethesda System for Reporting Cervical Cytology: Definitions, Criteria and Explanatory Notes. 3. ed. New York: Springer, 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer (INCA). Coordenação de Prevenção e Vigilância. Divisão de Detecção Precoce e Apoio à Organização de Rede. Nomenclatura Brasileira para Laudos Citopatológicos Cervicais. [acesso em 2020 maio 18]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//nomenclatura-brasileira-para-laudos-citopatologicos-cervicais-2012.pdf

Ribeiro L, Bastos RR, Vieira MT, Ribeiro LC, Teixeira MTB, Leite ICG. Rastreamento oportunístico versus perdas de oportunidade: não realização do exame de Papanicolaou entre mulheres que frequentaram o pré-natal. Cad. Saúde Pública. 2016; 32(6):e00001415.

Costa RFA, Longatto-Filho Adhemar, Pinheiro C, Zeferino LC, Fregnani JH. Historical Analysis of the Brazilian Cervical Cancer Screening Program from 2006 to 2013: A Time for Reflection. PLOS ONE. 2015; 24: 1-11.

Noé BR, Trindade FR, Dexheimer GM. Análise da periodicidade e da idade na realização do exame citopatológico cervicovaginal no Rio Grande do Sul. Rev. Saúde e Desenvolvimento. 2018;12(10): 104-120.

Petrova MI, Lievens E, Malik S, Imholz N, Lebeer S. Lactobacillus species as biomarkers and agents that can promote various aspects of vaginal health. Frontiers in physiology. 2015;6,81.

Kroon SJ, Ravel J, Huston WM. Cervicovaginal microbiota, women’s health, and reproductive outcomes. Fertil Steril. 2018; 110(3):327-336.

Smith SB; Ravel J. The vaginal microbiota, host defence and reproductive physiology. J Physiol. 2016; 595(2): 451–463.

Nelson TM, Borgogna JC, Michalek RD, Roberts DW, Rath JM, Glover ED, Ravel J, Shardell MD, Yeoman CJ, Brotman RM Cigarette smoking is associated with an altered vaginal tract metabolomic profile. Sci Rep. 2018; 16;8(1):852-63.

Sugawara Y, Tsuji I, Mizoue T, Inoue M, Sawada N, Matsuo K, Ito H, Naito M, Nagata C, Kitamura Y, Sadakane A, Tanaka K, Tamakoshi A, Tsugane S, Shimazu T. Cigarette smoking and cervical cancer risk: an evaluation based on a systematic review and meta-analysis among Japanese women. Jpn J Clin Oncol. 2019; 49(1): 77–86.

Fang JH, Yu XM, Zhang SH, Yang Y. Effect of smoking on high‑grade cervical cancer in women on the basis of human papillomavirus infection studies. J Cancer Res Ther. 2018;14(1):184-189.

Camargo AS, Lima UC, Ribeiro AA. Alterações provocadas pelo Papilomavírus humano nos exames citopatológicos em um laboratório escola da Pontifícia Universidade Católica de Goiás. EVS. 2018; 45:1-8.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n2.3193g655

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS