Relação entre planejamento didático e círculo de cultura: experiência com grupo de idosos hipertensos

Autores

  • Fernanda Moura Borges Universidade Federal do Piauí
  • Fabiana Neves Lima Universidade Federal do Piauí
  • Hilda Maria Martins Bandeira Universidade Federal do Piauí
  • Maria do Socorro Leal Lopes Universidade Federal do Piauí
  • Ana Larissa Gomes Machado Universidade Federal do Piauí
  • Neiva Francenely Cunha Vieira Universidade Federal do Ceará
  • Ana Roberta Vilarouca Silva Universidade federal do Piauí

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p115-127

Palavras-chave:

Educação em Saúde, Planejamento em Saúde, Metodologia, Letramento em Saúde.

Resumo

Introdução: As ações educativas planejadas devem ser aplicadas em todos os níveis de complexidade da atenção à saúde. O Círculo de Cultura, exemplo de ação, visa facilitar o diálogo, terreno válido para reflexão-ação na construção coletiva de uma proposta sistematizada para educação em saúde. Objetivo: Analisar a relação entre o planejamento didático e as etapas do Círculo de Cultura realizado com idosos hipertensos de uma Estratégia de Saúde da Família. Método: Estudo qualitativo, quase experimental, realizado com 60 idosos, avaliados quanto ao letramento em saúde e a adesão ao tratamento hipertensivo antes e depois das intervenções educativas. Resultados: Os resultados demonstraram o planejamento didático na metodologia do Círculo de Cultura, cujo diagnóstico situacional é feito na etapa de investigação temática, o planejamento é realizado durante a tematização, a problematização corresponde à execução e a avaliação é uma etapa presente nos dois métodos. Obteve-se ao fim da investigação a melhora na adesão ao tratamento e consistentes mudanças no estilo de vida dos idosos por meio das intervenções educativas realizadas. Conclusão: O Círculo de Cultura é uma importante ferramenta para a promoção da saúde na atenção primária, pois permite a dialogicidade e favorece o empoderamento do usuário.

Biografia do Autor

Fernanda Moura Borges, Universidade Federal do Piauí

Mestra em Saúde e Comunidade - UFPI/ Teresina. Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal do Piauí - Campus Senador Helvídio Nunes de Barros - CSHNB/ Picos - PI (2017); Membro do Grupo de Pesquisa em Saúde Coletiva - GPeSC/ Saúde do adulto. Membro do Grupo de Pesquisa em Saúde e Comunidade PPGSC/ Saúde coletiva. Atuou como bolsista CAPES (2019 - 2020). Atuou como Bolsista do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica - PIBIC/CNPQ pelo Edital 2016/2017. Tem experiência na área de enfermagem, com ênfase em Saúde do adulto e do Idoso, Pesquisa em Enfermagem, Enfermagem em Atenção Primária à Saúde , Educação e Promoção em Saúde.

Fabiana Neves Lima, Universidade Federal do Piauí

Mestra em Saúde e Comunidade pela Universidade Federal do Piauí, Graduada em Educação Física pela Universidade Estadual do Piauí.

Hilda Maria Martins Bandeira, Universidade Federal do Piauí

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Piauí, Mestra em Educação pela Universidade Federal do Piauí, Graduada em Pedagogia/Magistério pela Universidade Federal do Piauí.

Maria do Socorro Leal Lopes, Universidade Federal do Piauí

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Mestra pela Universidade Federal do Piauí, Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Piauí.

Ana Larissa Gomes Machado, Universidade Federal do Piauí

Doutora em Enfermagem, Mestra em Cuidados Clínicos em Saúde e Enfermagem pela Universidade Estadual do Ceará, Graduada em Enfermagem pela Universidade Estadual do Ceará.

Neiva Francenely Cunha Vieira, Universidade Federal do Ceará

Doutora em Health Education pela Universidade de Bristol, Mestra em Educação pela Universidade Federal do Ceará, Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará.

Ana Roberta Vilarouca Silva, Universidade federal do Piauí

Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará, Mestra em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará, Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará.

Referências

Dias GS, Costa MCB, Ferreira TN, Fernandes VS, Silva LL, Santana Júnior LM, et al. Risk factors associated with Hypertension among adults in Brazil: an integrative review. Brazilian Journal of Development 2021; 7 (1):963-978. doi: 10.34117 / bjdv7n1-064

Barroso WKS, Rodrigues CS, Bortolotto LA, Gomes MM, Brandão AA, Feitosa ADM, et al. Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol. 2020; 1-139.

Brasil. Ministério da Saúde. VIGITEL Brasil 2018: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília, DF: MS; 2018.

Malta DC, Gonçalves RPF, Machado IE , Freitas MIF, Azeredo C, Szwarcwald CL et al. Prevalência da hipertensão arterial segundo diferentes critérios diagnósticos. Pesquisa Nacional de Saúde. Rev Bras Epidemiol. 2018 [citado em 11 de março de 2020]; 21(sup 1). Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbepid/a/3YPnszP7L6kvWJpwg444mdj/?lang=pt

Carey RM, Muntner P, Bosworth HB, Whelton PK. Prevention and Control of Hypertension. J Am Coll Cardiol. 2018; 71(11):1278-1293. doi: 10.1016 / j.jacc.2018.07.008.

Santiago ERC, Diniz AS, Oliveira JS, Leal VS, Andrade MIS, Lira PIC. Prevalência e Fatores Associados à Hipertensão Arterial Sistêmica em Adultos do Sertão de Pernambuco, Brasil. Arq Bras Cardiol. 2019 [citado em 11 de março de 2020]; 113(4):687-695. Disponível em: https://www.scielo.br/j/abc/a/SQKrhFy8BzvMFN6vgVFCs9x/?lang=pt

Machado ALG. Efeito do círculo de cultura na adesão ao tratamento e no letramento em saúde de idosos hipertensos [doutorado]. Fortaleza: Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem. Universidade Federal do Ceará; 2015.

Freire P. Pedagogia do oprimido. 64ª ed. Rio de Janeiro: Paz e terra; 2017.

Vendruscolo C, Silva KJ, Durand MK, Metelski FK, Silva Filho CC. Nurse’s actions in the interface with expanded services of Family Health and Primary Care Center. Rev Esc Enferm USP. 2020; 54:e03642. doi: https://doi.org/10.1590/S1980-220X2019008903642

Heidemann ITSB, Dalmolin IS, Rumor PCF, Cypriano CC, Costa MFB, Neves A, et al. Reflexões sobre o itinerário de pesquisa de Paulo Freire: contribuições para a saúde. Texto Contexto Enferm. 2017 [citado em 12 de agosto de 2019]; 26(4). Disponível em: https://www.scielo.br/j/tce/a/pdfHS9bS8fqwp5BTcPqL64L/?lang=pt

Santos LTM, Bastos MG. Developing educational material on chronic kidney disease using best practices in health literacy. J. Bras. Nefrol. 2017 [citado em 11 de março de 2020]; 39(1):5-58. Disponível em: https://www.scielo.br/j/jbn/a/KXZ4jn7whfWKStwr4MSMMsv/abstract/?lang=en

Carrapato P, Correia P, Garcia B. Determinante da saúde no Brasil: a procura da equidade na saúde. Saúde Soc. 2017 [citado em 11 de janeiro de 2020]; 26(3):676-689. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sausoc/a/PyjhWH9gBP96Wqsr9M5TxJs/?format=pdf&lang=pt

Freire P. Educação e mudança. 36ª ed. Rio de Janeiro: Paz e terra; 2011.

World Health Organization. Adherence to long term therapies: evidence for action. WHO: Geneva; 2003.

Gil AC. Didática do ensino superior. 2ª ed. São Paulo: Atlas; 2008.

Almeida AH, Cordeiro L, Soares CB. Formação de profissionais para o sistema único de saúde: ensino de educação em saúde emancipatória. Sau. & Transf. Soc. 2018 [citado em 12 de janeiro de 2021]; 9(3):82-95. Disponível em: http://incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php/saudeetransformacao/article/view/4822

Jekel JF, Elmore JG, Katz DL. Epidemiologia, bioestatística e medicina preventiva. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2005.

Ministério da Saúde (BR). Resolução CNS n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2012.

Freire P. Educação como prática de liberdade. 31ª ed. São Paulo: Paz e terra; 2008.

Freire P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessá¬rios à prática educativa. 47ª ed. Rio de Janeiro: Paz & Terra; 2013.

Correa ST, Castelo-Branco S. Amandaba no Caeté: círculos de cultura como prática educativa no autocuidado de portadores de diabetes. Saúde em debate. 2019 [citado em 07 de junho de 2021]; 43 (123):1106-1119. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/339801253_Amandaba_no_Caete_circulos_de_cultura_como_pratica_educativa_no_autocuidado_de_portadores_de_diabetes

Souza JB, Vendruscolo C, Maestri E, Bitencourt JVOV, Brum CN, Luzardo AR. Círculo de cultura virtual: promovendo a saúde de enfermeiros no enfrentamento da covid-19. Rev Gaúcha Enferm. 2021 [citado em 05 de junho de 2021]; 42(esp). Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/rgenf/article/view/110114/59893

Bandeira HMM, Lopes MSL. Encontro com a didática: tecendo fios com a educação e a saúde. 1ª ed. Curitiba: Appris; 2018.

Melo A, Urbanetz ST. Fundamentos de didática. 1ª ed. Curitiba: IBPEX; 2008.

Freire P. Criando métodos de pesquisa alternativa: aprendendo a fazê-la melhor através da ação. In: Brandão CR. Pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense; 1999. p. 34-41.

Candau VM. A didática em questão. 36ª ed. Rio de Janeiro: Vozes; 2014.

Straub RO. Psicologia da Saúde. 1ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas; 2005.

Soar-Filho EJ. A interação médico-cliente. Rev. Assoc. Med. Bras. 1998 [citado em 12 de agosto de 2019]; 44(1):35-42. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ramb/a/BnHcN8LnJb5Ktz8H54Bs7kh/?format=pdf&lang=pt

Mello-Filho J, Burd M. Psicossomática hoje. 2ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas; 2010.

Romanovski JP, Martins PL. A aula como expressão da prática pedagógica. In: Veiga IP. A. Aula: gênese, dimensões, princípios e práticas. 2ª ed. Papirus; 2011. p. 15-42.

Downloads

Publicado

2021-12-21

Edição

Seção

Artigos Originais