Telessaúde como estratégia para o fortalecimento da Atenção Básica no enfrentamento da COVID-19 no Estado da Bahia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n2Supp31-48

Resumo

A pandemia da COVID-19 provocou a necessidade de pensar novos modos de cuidar na APS de modo a evitar a propagação do vírus sem causar desassistência. A introdução e/ou ampliação do uso das TICs, nesse cenário, foi uma opção internacionalmente adotada. Esse artigo constitui um relato reflexivo e analítico da experiência do Núcleo Técnico Científico do Estado da Bahia (NTC-Ba), na oferta de ações de teleconsultoria, telediagnóstico e tele-educação para equipes de saúde e gestores como forma de apoiar a ampliação e qualificação do acesso às ações e serviços da Atenção Primária à Saúde (APS) para o enfrentamento da pandemia de COVID-19 no Estado da Bahia.

Biografia do Autor

ERICA LIMA COSTA DE MENEZES, Doutora em Saúde Coletiva, Núcleo de Telessaúde da Bahia, Secretaria de Saúde do Estado da Bahia, Rua Professor Jornalista Joaquim Ferraro Nascimento, Nº 102, Apt303, Pituba, Salvador-Ba, 41830-070; (71) 3115- 4151

raduação em odontologia pela Universidade Federal da Bahia (2001). Residência multiprofissional em Medicina Social com Ênfase na Saúde da Família pelo ISC/UFBA (2007). Mestre em Saúde Coletiva pelo Departamento de Saúde Coletiva da UnB (2013). Doutora pelo Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva da UFSC. Sanitarista concursada da SESAB, atualmente está na Coordenação do Núcleo Técnico Científico de Telessaúde do Estado da Bahia e atua como pesquisadora no Grupo de Estudos e Pesquisas sobre o Trabalho em Saúde GEPTS/UnB e do Núcleo de Pesquisa em Bioética e Saúde Coletiva NUPEBISC/UFSC. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: saúde da família, saúde coletiva, atenção básica, educação permanente em saúde, trabalho em saúde e bioética e políticas públicas. 

Daiana Cristina Machado Alves,, Núcleo de Telessaúde da Bahia, FESF-SUS

mestre em saúde coletiva, Enfermeira graduada pela Universidade Federal da Bahia(2003), Especialista em Medicina Social com ênfase em Saúde da Família pelo Instituto de Saúde Coletiva ? ISC da Universidade Federal da Bahia ? UFBA(2006), Mestranda do em Saúde Coletiva do Mestrado profissional da Universidade Estadual de Feira de Santana. Tem experiência nas áreas de gestão, ensino e assistência. Exerce atividades profissionais em Gestão em saúdea e Apoio Institucional, orientação pedagógica em cursos de especialização na modalidade semipresencial para gestores e trabalhadores do SUS, facilitadora do Curso Introdutório para as Equipes de Saúde da Família e assistência de enfermagem em Unidade de Saúde da Família.

Juliana Lamounier Elias, Núcleo de Telessaúde da Bahia, FESF-SUS

Mestranda em Saúde Coletiva (ISC/UFBA), Núcleo de Telessaúde da Bahia, FESF-SUS.

Vanessa Santos Estrela, Núcleo de Telessaúde da Bahia, FESF-SUS

mestranda em saúde coletiva, Núcleo de Telessaúde da Bahia, FESF-SUS

Anny Everson B. Hayvanon, Núcleo de Telessaúde da Bahia, FESF-SUS

mestre em saúde coletiva, Núcleo de Telessaúde da Bahia, FESF-SUS

Gladys Reis de Oliveira, Núcleo de Telessaúde da Bahia, Secretaria Estadual de saúde da Bahia, FESF-SUS

mestre em saúde coletiva, Núcleo de Telessaúde da Bahia, FESF-SUS

NILIA MARIA DE BRITO LIMA PRADO, UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA, INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAÚDE

Doutora em Saúde Pública (ISC/UFBA) (2017) com estágio doutoral no Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade Nova de Lisboa (IHMT/UNL). Professora adjunta da Universidade Federal da Bahia,Campus Anísio Teixeira.Docente permanente e vice coordenadora do Mestrado em Saúde Coletiva do Instituto Multidisciplinar em Saúde (IMS UFBA) (2018-2020) e docente permanente do Mestrado em Psicologia da Saúde.Vice líder do Grupo de Pesquisa Observatório Baiano de Redes de Atenção à Saúde (OBRAS) - (dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/9684320673978024), na UFBA, pesquisadora no Programa Integrado de Pesquisa e Cooperação Técnica em Formação e Avaliação da Atenção Básica (GRAB) ISC/UFBA e pesquisadora do Observatório de Análise Política em Saúde (OAPS/ISC/UFBA)- eixo Atenção Primária e Promoção da Saúde e do Núcleo de Epidemiologia e Saúde Coletiva (NESC /UFBA/IMS/CAT). Membro da Associação Latina para Análise de Sistemas de Saúde (ALASS)

Referências

Cermack M. Telemedicine monitoring and support in remote environments and in human space flights. Ir J Anaesth. 2006 97;1: 107–114.

Riva G. From telehealth to e-health: internet and distributed virtual reality in health care. Cyberpsychol Behav. 2000;3(6):989-998.

World Health Organization. Resolution WHA58.28. eHealth. Geneva: WHO; 2005.

World Health Organization. eHealth standardization and interoperability. Geneva: WHO; 2013.

Bashshur RL, Shannon GW, Smith BR, Alverson DC, Antoniotti N, Bashshur N et al. The empirical foundations of telemedicine interventions for chronic disease management. Telemed J E Health. 2014 Sep;20(9):769-800.

World Health Organization. Telemedicine: Opportunities and Developments in Member States. Global Observatory for ehealth series. [Internet] 2010. [cited 2020 set 19]. Available form: http://www.who.int/goe/publications/ehealth_series_vol2/en/.

Catapan SC, Calvo MCM. Teleconsulta: uma Revisão Integrativa da Interação Médico-Paciente Mediada pela Tecnologia. Revista Brasileira de Educação Médica. 2020; 44(1). [cited 2020 mar 30]. Available from: https://www.scielo.br/pdf/rbem/v44n1/pt_1981-5271-rbem-44-01-e002.pdf.

Nilson LGN; Maeyama MA, Dolny LL, Boing AF, Calvo MCM. Telessaúde: da implantação ao entendimento como tecnologia social. RBTS. 2018; 5 (1): 33-47. [cited 2020 set 19]. Available from: https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rbts/article/view/13400.

Wijesooriya NR, Mishra V, Brand PLP, Rubin BK. COVID-19 and telehealth, education, and research adaptations, Paediatric Respiratory Reviews. 2020; 35: 38–42. [cited 2020 set 19]. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7301824/

Santos AF, D’Agostino M, Bouskela MS, Fernandéz A, Messina LA, Alves HJ. Uma visão panorâmica das ações de telessaúde na América Latina. Rev Panam Salud Publica. 2014;35(5/6):465–70.

Castro Filho E. Telessaúde no apoio a médicos de atenção primária [tese]. Porto Alegre: Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.546, de 27 de outubro de 2011. Redefine e amplia o Programa Telessaúde Brasil, que passa a ser denominado Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes (Telessaúde Brasil Redes). Diário Oficial da União, Brasília, 28 out. 2011c. Seção 1, p. 50-52.

Brasil. Decreto nº 9.795, de 17 de maio de 2019. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções de Confiança do Ministério da Saúde, remaneja cargos em comissão e funções de confiança, transforma funções de confiança e substitui cargos em comissão do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores - DAS por Funções Comissionadas do Poder Executivo - FCPE. Diário Oficial da União. De 20 de maio de 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Núcleos de Telessaúde no Brasil. 2020. [internet]. Acesso em: 31 ago 2020. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/decreto/D9795.htm.

Harzheim E. Panorama tecnológico da área de telemedicina do complexo da saúde. Brasília: Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial; 2015.

Caetano R, Silva AB, Guedes ACCM, Paiva CCN, Ribeiro GR, Santos DL. Desafios e oportunidades para telessaúde em tempos da pandemia pela COVID-19: uma reflexão sobre os espaços e iniciativas no contexto brasileiro. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2020 [cited 2020 Aug 30]; 36(5): e00088920. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2020000503001&lng=en. Epub June 01, 2020. https://doi.org/10.1590/0102-311x00088920.

IBGE. Brasil/Bahia/Panorama. 2020. [Internet]. Acesso em: 31 ago 2020. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/panorama.

Brasil. Ministério da Saúde. E-Gestor Atenção Básica. Cobertura da Atenção Básica. Acesso em: 15 jul 2020. Disponível em: https://egenilsonstorab.saude.gov.br/paginas/acessoPublico/relatorios/relHistoricoCoberturaAB.xhtml.

BAHIA. Comissão Intergestores Bipartite. Aprova a composição do Comitê Gestor Estadual do Telessaúde Brasil Redes – Bahia. Resolução 19, de 31 de janeiro de 2012. Bahia, 2012.

Piropo Thiago Gonçalves do Nascimento, Amaral Helena Oliveira Salomão do. Telessaúde, contextos e implicações no cenário baiano. Saúde em debate [Internet]. 2015 Mar [cited 2020 Sep 01]; 39(104): 279-287. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042015000100279&lng=en. https://doi.org/10.1590/0103-110420151040413.

BAHIA. República Federativa do Brasil – Estado da Bahia. Diário Oficial do Estado. Resolução CIB 107/2020. Aprova o Programa de Telecompartilhamento da Saúde com a Atenção Básica do Estado da Bahia. 2020. Acesso em: 13 set 2020. Disponível em: http://www5.saude.ba.gov.br/portalcib/images/arquivos/Resolucoes/2020/RES_CIB_107_2020.pdf.

BVS. Atenção Primária em Saúde. O que é SOF? [internet]. Acesso em: 31 ago 2020. Disponível em: https://aps.bvs.br/segunda-opiniao-formativa/.

Marcolino MS, Alkim MBM, Assis TGP, Palhares DMF, Silva GACS, Cunha LR et al. A rede de teleassistência de Minas Gerais e suas contribuições para atingir os princípios de universalidade, equidade e integralidade do SUS: relato de experiência. RECIIS - Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde. 2013 jun; 7(2): 1-21. Acesso em 30 jul. 2020. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/17189/2/8.pdf .

NILSON, LG. Avaliação de Telessaúde para Apoio Assistencial na Atenção Primária à Saúde. [Tese] Santa Catarina: Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, 2018.

UFMG. Hospital das Clínicas. Oferta nacional de telediagnóstico em eletrocardiografia: relato de experiência do núcleo de telessaúde Minas Gerais Hospital das clínicas/UFMG. Anais do 9º Congresso Brasileiro de Telemedicina e Telessaúde – CBTms. 2019. [internet]. Acesso em: 30ago2020. Disponível em: https://www.even3.com.br/anais/cbtms9/145019-oferta-nacional-de-telediagnostico-em-eletrocardiografia--relato-de-experiencia-do-nucleo-de-telessaude-minas-ger/.

BAHIA. Governo do Estado. Boletim epidemiológico. COVID-19. N° 170/10/09/2020. 2020. [internet]. Acesso em: 13set2020. Disponível em: http://www.saude.ba.gov.br/wp-content/uploads/2020/09/Boletim-Infografico-10-09-20.pdf.

Hollander, JE. Carr BG. Virtually Perfect? Telemedicine for Covid-19. N Engl J Med. 2020; 382 (18): 1679 – 1681. [cited 2020 jul 01]. Available from: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32160451/

OPAS. OMS. Alerta Epidemiológico Complicações e sequelas da COVID-19. 12 ago 2020 [internet]. Acesso em: 30 ago 2020. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_docman&view=download&slug=alerta-epidemiologico-complicacoes-e-sequelas-da-covid-19&Itemid=965.

Vaona A, Banzi R, Kwag KH, Rigon G, Cereda D, Pecoraro V, Tramacere I, Moja L. E-learning for health professionals (Review). Cochrane Database of Systematic Reviews. 2018; 1. [cited 2020 set 14]. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6491176/pdf/CD011736.pdf.

Dias, RISC, Barreto JOM, Vanni T, Candido AMSCC, Moraes LH, Gomes MAR. Evidências científicas na tomada de decisão. [Internet]. 2015 Sep [cited 2020 Sep 19] ; 23( 3 ): 316-322. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-462X2015000300316&lng=en. Epub Oct 06, 2015. http://dx.doi.org/10.1590/1414-462X201500030005.

Giuliano ICB, Barcellos Jr CL, Von Wangenheim A, Coutinho MSSA. Emissão de laudos eletrocardiográficos a distância: experiência da rede catarinense de telemedicina. Arq Bras Cardiol. 2012;99(5):1023-30. Disponível em:< https://www.scielo.br/pdf/abc/v99n5/aop09012.pdf>. Acesso em: 30 jul. 2020.

Umpierre RN. Análise econômica da interiorização do exame de espirometria como forma de qualificar o estadiamento e tratamento de doenças respiratórias crônicas em atenção primária à saúde com suporte do Projeto Telessaúde [dissertação]. Porto Alegre: Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2009

Aita Shimitz. Telessaúde como suporte assistencial para a atenção primária à saúde no Brasil. [tese]. Universidade Federal do Rio grande do Sul, 2015.

Tuckson RV, Edmunds M, Hodgkins ML. Telehealth. N Engl J Med. [internet] 2017; 377(16):1585-1592. Cited 2020 set 01. Available form: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29045204/.

Damasceno RF, Caldeira AP. Fatores associados à não utilização da teleconsultoria por médicos da Estratégia Saúde da Família. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2019 Aug [cited 2020 Aug 31] ; 24( 8 ): 3089-3098. Available from: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29045204/.

Maeyama MA, Calvo MCM. A Integração do Telessaúde nas Centrais de Regulação: a Teleconsultoria como Mediadora entre a Atenção Básica e a Atenção Especializada. Revista Brasileira de Educação Médica. 2018; 42(2), 63-72. https://doi.org/10.1590/1981-52712015v42n2rb20170125.

Celes RS, Rossi TRA, Barros SG, Santos CML, Cardoso C. A telessaúde como estratégia de resposta do Estado: revisão sistemática. Rev Panam Salud Publica. 2018;42:e84.https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.84.

Haddad AE, Campos FE, Alkmim MBM, Wen CL, Roschkes S. Brazilian National Telehealth Program, Med-e-Tel 2007. The International Educational and Networking Forum for eHealth, Telemedicine and Health ICT Proceedings, p. 321-3.

Campos FE, Haddad AE, Wen CL, Alkmim MBM, Cury PM. The Nacional Telehealth Program in Brazil: an instrument of support for primary health care. Latin Am J Telehealth. 2009;1(1):39-66.

Downloads

Publicado

2021-01-28

Como Citar

DE MENEZES, E. L. C., Alves, D. C. M., Elias, J. L., Estrela, V. S., Hayvanon, A. E. B., de Oliveira, G. R., & PRADO, N. M. D. B. L. (2021). Telessaúde como estratégia para o fortalecimento da Atenção Básica no enfrentamento da COVID-19 no Estado da Bahia. aúde m edes, 6(2Sup), 31–48. https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n2Supp31-48