A representação de um corpo grávido para a autoimagem da mulher

Maria Raquel da Silva Lima, Fernanda Teixeira Benevides, Maria Dinara de Araújo Nogueira, Valéria Cristina Nogueira, Carla Soraya Costa Maia, Francisco Herlânio Costa Carvalho

Resumo


Objetivo: Compreender a representação de um corpo grávido para a autoimagem da mulher. Métodos: Tratou-se de um estudo exploratório-descritivo com abordagem qualitativa. Foram entrevistadas vinte e cinco gestantes entre 20 e 24 semanas de gestação, atendidas em uma Instituição na cidade de Fortaleza (CE). A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas, submetidas à técnica de análise de conteúdo. Foram criadas nuvens de palavras para as categorias, utilizando-se o software Invivo 11. Resultados: Foram organizados em duas categorias: “Mudanças Corporais” e “Reflexo da Gravidez no Espelho”. As palavras mais frequentes na primeira categoria foram: “aumento”, “barriga”, “seio” e “celulite”, demonstrando preocupação com o aumento das partes do corpo, além das consequentes alterações dermatológicas. O segundo núcleo apresentou os termos: “cabelo”, “autoestima”, “barriga”, “péssima” e “momento”, retratando a influência da gravidez na autoestima da gestante, sua vontade de se arrumar, e suas relações sociais. Conclusão: O período gestacional sendo de grandes mudanças, sentimentos e adaptações afeta de forma significativa a ideia de corpo e autoimagem da mulher. A compreensão de tais aspectos poderá favorecer a verbalização de incômodos e sentimentos que estejam conturbando o processo de gestação.


Palavras-chave


Gravidez. Autoimagem. Saúde da mulher.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Jung CG. A natureza da psique. Petropólis: Editora Vozes; 2011.

Petribú BGC , Mateos, MABA. Imagem corporal e gravidez. Junguiana. 2017; 35 (1):33-39.

Rodrigues CL. Cheias de Graça : Gestação e sentimento de plenitude espiritual A Experiência Místico-religiosa na gestação , parto e maternidade em dois grupos de mulheres. São Paulo. Dissertação. [Mestrado em Ciência da Religião]- Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; 2008.

Gall K, Van Zutven K, Lindstrom J, Bentley C, Gratwick‐Sarll, K, Harrison C, Mond J. Obesity and emotional well-being in adolescents: Roles of body dissatisfaction, loss of control eating, and self-rated health. Obesity. 2016; 24(4): 837–842.

Brewis AA, Hruschka DJ, Wutich A. Vulnerability to fat-stigma in women’s everyday relationships. Soc. Sci. Med. 2011; 73(4): 491–497.

Rauter RV. A relação do sujeito contemporâneo com o corpo. Uma reflexão à luz da psicologia analítica. Inst. Junguiano do Rio de Janeiro [Internet] 2013 [acesso em ago 24]. Disponível em: http:// www.jung-rj.com.br/artigos/artigoraissavolkerijrj.pdf. Acesso em: 24. 2017.

Clark A, Skouteris H, Wertheim EH, Paxton SJ, Milgrom J. The relationship between depression and body dissatisfaction across pregnancy and the postpartum: a prospective study. J Heal. Psychol. 2009; 14(1): 27–35.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Gestação de Alto Risco Manual Técnico. Brasília, DF: MS; 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_tecnico_gestacao_alto_risco.pdf. Acessado em 24 de agosto de 2020.

Hodgkinson EL, Smith DM, Wittkowski A. Women’s experiences of their pregnancy and postpartum body image: A systematic review and meta-synthesis. BMC Pregnancy Childb. 2014; 14 (1): 130.

Watson B, Fuller-Tyszkiewicz M, Broadbent J, Skouteris H. The meaning of body image experiences during the perinatal period: A systematic review of the qualitative literature. Body Image. 2015; 14:102–113.

Meireles JFF, Neves CM, De Carvalho PHB, Ferreira MEC. Imagem corporal de gestantes: Associação com variáveis sociodemográficas, antropométricas e obstétricas. Rev. Bras. Ginecol. e Obstet. 2015; 37:319–324.

Marinho NN, Rocha MAV. Desenvolvimento de Produto para Consumidoras Grávidas: reflexões por meio da roupa predileta. Modapalavra e-periódico. 2016; 9(17): 250–267.

Ferreira MEC, Castro MR, Morgado, FFR. Imagem corporal: reflexões, diretrizes e práticas de pesquisa. Juiz de Fora: Editora UFJF; 2014.

Gerhardt TE; SILVEIRA DT (Org.). Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: Hucitec; 2004.

Turato ER. Tratado de metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: construção teóricoepistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. Petrópolis: Vozes; 2003.

Flügel, JC. A psicologia das roupas. São Paulo: Mestre Jou; 1966.

Velho MTAC, Riesgo I, Zanardo CP, Freitas AP, Fonseca R. A reincidência da gestação na adolescência: estudo retrospectivo e prospectivo em região do sul do Brasil. Saúde e Pesqui. 2014; 7(2): 261–73.

Tomaschewski-Barlem JG, Bordignon SS, Da Costa CFS. Promovendo a Autoestima Na Gestação: Foco No Acolhimento. Enferm. em Foco.2016; 7(2).

Simili IG. Roupas Para Mamães: Corpo E Gravidez Nas Representações Para a Maternidade Na Revista Manequim (1963). História: Questões & Debates.2017; 65(2) 127-148.

Ren P, Zhao W, Dai X. Risk factors for the formation of striae gravidarum in women in Jiangsu Province of China. Taiwan. J. Obstet. Gynecol. 2019; 58(5); 640–644.

Brennan M, Young G, Devane D. Topical preparations for preventing stretch marks in pregnancy. Cochrane Database Syst Rev. 2012; 11.

Saviani-Zeoti F, Petean EBL. Apego materno-fetal, ansiedade e depressão em gestantes com gravidez normal e de risco: Estudo comparativo. Estud. Psicol. 2015; 32(4) 675–683.

Guerra MJ, Braga MC, Quelhas I, Silva R. Promoção da saúde mental na gravidez e no pós-parto. Rev. Port. Enferm. Saúde Ment. 2014. SPE1: 117–124.

Dos Santos AB, Santos KEP, Monteiro GTR, Prado PR, Amaral TLM. Autoestima e Qualidade de Vida de uma série de Gestantes atendidas em rede pública de saúde. Cogitare Enferm. 2015; 20(2): 392–400.

Emmanuel E, St John W, Sun J. Relationship between social support and quality of life in childbearing women during the perinatal period. J. Obstet. Gynecol. Neonatal Nurs.2012; 41(6) E62–E70.

Junckes JM, Guesser JC, Zampieri MFM, Gregório VRP, de Oliveira ZC, Regis I. Grupo de gestantes e/ou casais grávidos e a inserção do acompanhante/pai no processo de nascimento. Extensio R. Eletr. Extensão. 2009; 6(7): 55–72.

Gandolfi FRR, Gomes MFP, Reticena KO. Mudanças na vida e no corpo da mulher durante a gravidez. BJSCR. 2019. 27(1): 126–131.

Corbacioglu A, Bakir V, Akbayir O, Goksedef BPC, Akca A. The role of pregnancy awareness on female sexual function in early gestation. J Sex Med. 2012. 9(7): 1897–903.

Mota CP, Moutta RJO, Caixeiro-Brandão, SMO. A sexualidade do casal no processo gravídico-puerperal: um olhar da saúde obstétrica no mundo contemporâneo In: Anais do Seminário Internacional Enlaçando Sexualidades. Educação, Saúde, Movimentos Sociais, Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos; 2009; Salvador. Bahia: Diadorim; 2009.p. 369-78. Disponível em: https://www.yumpu.com/pt/document/read/12844231/a-sexualidade-do-casal-no-processo-gravidico-puerperal-um-olhar-. Acessado em: 24 de agosto de 2020.

Sánchez JMB, Hernández BF, Negrín JGS. Influencia de la gestación en la sexualidad de la mujer. Rev Ciências Médicas.2014; 18(5): 811–22.

Jamali S, Mosalanejad L. Sexual dysfnction in Iranian pregnant women. Iran J Reprod Med. 2013;11(6):479-486.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n3.3432g787

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS