Cartografia e configuração da rede de políticas públicas: a experiência da RAIA em Chapecó-SC.

Murilo Cavagnoli, Deborah Cristina Amorin, Linda Margarethe Boniatti Tonini, Helen Beatriz Martins, Gabriela Costacurta, Morgana Luiza Sbrussi Granella

Resumo


Nesse artigo expomos contribuições do método cartográfico ao trabalho em rede de Políticas Públicas, analisando suas potências na tessitura da Rede de Atendimento a Infância e Adolescência (RAIA), no município de Chapecó, Santa Catarina. Considerando nossa imersão nesta rede, enquanto extensão Universitária, desde o ano de 2006, abordamos fundamentos ontológicos e teórico-metodológicos da Cartografia, destacando suas contribuições à configuração do fazer intersetorial.  A rede será apreendida em diálogo com as noções de rizoma, multiplicidade e singularização. Dentre os recursos metodológicos da cartografia, dois eixos serão explorados: a dimensão ético-afetiva relacionada a configurar encontros, que transversalizam modos de subjetivação em processos coletivos; e a criação de dispositivos de pesquisa-intervenção, desenvolvidos na busca por soluções protetivas dos direitos da infância e adolescência frente a complexos cenários de vulnerabilidade social que se evidenciaram, no município, nos anos de 2019 e 2020.


Palavras-chave


Cartografia; Trabalho em Rede; Políticas Públicas; infância e adolescência

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Direito Público: Lei n° 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 jul. 1990.

Silva MOS, Yazbek MC, Di Giovanni G. A Política Brasileira no Século XXI: a prevalência dos programas de transferência de renda. 2ª ed. São Paulo: Cortez Editora; 2004.

Behring ER. Acumulação capitalista, fundo público e política social. In: BOSCHETTI I, et al. organizadores. Política social no capitalismo: tendências contemporâneas. São Paulo: Cortez; 2008.

Behring ER. Política social no capitalismo tardio. 6ª ed. São Paulo: Cortez Editora, 2015.

Maia AP. A escola na rede de proteção dos direitos de crianças e adolescentes: guia de referência. ?ª ed. São Paulo: Ação Educativa, 2018.

CONANDA. Resolução nº 113 – Dispõe sobre os parâmetros para a institucionalização e fortalecimento do Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente.- 19/04/2006.

Deleuze G, Guattari F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. 34 ed. São Paulo: Minuit, 1995.

Sifuentes TR; Dessen, MA; Oliveira, MCSL. Desenvolvimento humano: desafios para a compreensão das trajetórias probabilísticas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 2007; 23 (4): 379-385. Português.

Aquino LMC. A rede de proteção a crianças e adolescentes, a medida protetora abrigo e o direito à convivência familiar e comunitária: A experiência em nove municípios. In: SILVA ERA. O direito à convivência familiar e comunitária: os abrigos para crianças e adolescentes no Brasil. Brasília/DF: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2004. p. 325-365.

Alvarez J; Passos E. CARTOGRAFAR É HABITAR UM TERRITÓRIO EXISTENCIAL. In: Passos E; Kastrup V; Escóssia, L. Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 131-149.

Cavagnoli M, Maheirie K. A cartografia como estratégia metodológica à produção de dispositivos de intervenção na Psicologia Social. Fractal: Revista de Psicologia, 2020; 32 (1): 64-71. Português.

Barros LP, Kastrup V. Cartografar é acompanhar processos. In: Passos E, Kastrup V, Escossia L. Pistas do método da Cartografia. Porto Alegre: Sulina; 2009. p. 52-75.

Foucault M. Gerir os ilegalismos. In: Droit RP. Michel Foucault: entrevistas a Roger Pol-Droit. São Paulo: Graal; 2006. p. 41-52.

Alvarez, Johnny; Passos, Eduardo. Cartografar é habitar um território existencial. In: Passos E, Kastrup V, Escóssia L. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 131-150.

Passos E, Barros RB. A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: Passos E, Escóssia L, Kastrup V. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina; 2009. p. 17-31.

Rolnik S. Toxicômanos de identidade: subjetividade em tempo de globalização. In: Lins D. Cultura e subjetividade: saberes nômades. Campinas: Papirus; 1997. p. 19-24.

Guattari F. As três ecologias. Campinas: Papirus, 1990.

Sawaia B, Albuquerque R, Busarello F, organizadores. Afeto & comum: reflexões sobre a práxis psicossocial. 1ª ed. Embu das Artes: Alexa Cultural, 2018.

Pereira ER, Sawaia B, organizadores. Práticas grupais: espaço de diálogo e potência. 1ª ed. São Carlos: Pedro & João, 2020.

Guattari F, Rolnik S. Micropolítica: cartografias do desejo. 3ª ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

Merhy EE. Micropolítica do encontro intercessor apoiador-equipe, substrato para um agir intensivista. Revista Saúde em Debate, 2010; 34 (86): 433-435. Português.

Chauí M. A nervura do real II: imanência e liberdade em Espinosa. 1ª ed. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2016.

Maheirie, K. Questões teóricas e empíricas pautadas na dialética inclusão-exclusão social. In: Sawaia, B.; Albuquerque, R.; Busarello, F. Afeto & comum: reflexões sobre a práxis psicossocial. 2018, p.11-16.

American Psychiatric Association. DSM-5: manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2014.

Sant'Ana IM. Autoautolesión no suicida en la adolescencia y la actuación del psicólogo escolar: una revisión narrativa. Revista de Psicologia da IMED, 2019; 11 (1): 120-138. Espanhol.

Barros RB. Grupo: a afirmação de um simulacro. 2ª ed. Porto Alegre: Sulina, 2007.

Rancière, J. Política da Arte. Urdimento, 2010; 1 (15): 45-60.

Hur DU. O dispositivo de grupo na Esquizoanálise: tetravalência e esquizodrama. Vínculo-Revista do NESME, 2012; 9 (1): 18-26. Português.

Deleuze G. Michel Foucault, filósofo. Deleuze G. ¿Qué es un dispositivo? 1990. p. 155-163.

Siqueira, H. C. B., Silva, V. O. B., Pereira, A. L. S., Guimarães Filho, J. D., & da Silva, W. R. (2020). Pandemia de COVID-19 e Gênero: Uma Análise sob a Perspectiva do Princípio Constitucional da Isonomia. Revista Psicologia & Saberes, 9(18), 216-226.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n2.3444g701

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS