Cartographies of the Body in Pandemic Times

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2022v8n3p493-512

Resumo

Como Fox e Alldred (2020) consideram, o dualismo Cultura / Natureza forneceu aos filósofos, cientistas e cientistas sociais pós-iluministas uma maneira elegante de estabelecer limites para as respectivas preocupações das ciências sociais e naturais (ver também Barad, 2007; Braidotti, 2013; Fullagar et al., 2019). Este dualismo tem permitido a criação de distinções entre corpos e modos de estar no mundo “modernos” (leia-se “civilizados”) e “tradicionais” (leia-se “primitivos”). No entanto, quando questões pertencentes à incorporação do social são exploradas criticamente, a influência sobre o bem-estar do entorno construído, as transições climáticas e a pandemia de Covid-19 em curso começam a problematizar tais formas, como é argumentado nas últimas três décadas por autores com perspectivas feministas, pós-humanas, novo-materialistas e político-ecológicas, entre outras. Dando continuidade a um diálogo permanente iniciado em 2018 entre acadêmicos e ativistas da América Latina e Europa, organizamos o seminário online “Re-ligando o nexo natureza-cultura-corpo: práticas e epistemologias”. O evento virtual desenvolvido em duas partes explorou como os territórios inter-relacionados de saúde, atividade física e educação podem ser repensados a partir de perspectivas que desestabilizam as fronteiras ontológicas estabelecidas entre natureza, cultura e corpo, e suas possíveis articulações. Este artigo é a transcrição da segunda sessão, denominada “Cartografias do corpo em tempos de pandemia”, e apresenta os diálogos entre Alice del Gabbo, Carla Panico, Gianluca De Fazio, Alexandre Fernandez Vaz e Eduardo Galak, pesquisadores da Itália, Portugal, Brasil e Argentina.   Palavras-chave: Corpo; COVID-19; Educação; Atividade física; Cultura.

Biografia do Autor

Alessandra Xavier Bueno, Universidade de São Paulo

Doutoranda da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo.

Referências

Adorno, Th. (2005). Minima Moralia: Reflections from/on Damaged Life. London; New York: Verso.

Agamben, G. (2016). The Use of Bodies. Homo Sacer Iv. 2. Palo Alto: Stanford University Press.

Agamben, G. (2020). A che punto siamo? L'epidemia come politica. Macerata: Quodlibet.

Barad, K. (2007) Meeting the Universe Halfway: Quantum Physics and the Entanglement of Matter and Meaning. Durham: Duke University Press.

Benjamin, W. (1969). Illuminations. Essays and Reflections. New York: Schocken Books,

Braidotti, R. (2013). The Posthuman. Hoboken: Wiley.

Canevacci, M. (2020). Minima Viralia: La solitudine non solitaria di un antropologo in quarantena. Roma: Rogas.

Denowski, D., & E., Viveiros de Castro (2014). The Ends of the World. Hoboken: Wiley.

Diamond, J. (1999). Guns, Germs, and Steel: The Fates of Human Societies. New York-London: Norton.

Donato, A., Tonelli, L., & E. Galak (2019). Le Pieghe del Corpo. Milan: Mimesis.

Fullagar, S., O’Brien, W. & A. Pavlidis (2019). Feminism and a Vital Politics of Depression and Recovery. New York: Springer.

Horkheimer, M. & Adorno, Th. (1997). Dialectic of Enlightenment: Philosophical Fragments. New York: Verso.

Marx, K. (1992). Capital: A Critique of Political Economy. London: Penguin Books.

Sontag, S. (1998). Illness as Metaphor. New York: Farrar Straus & Giroux.

Tzul Tzul, G. (2017). Transformação social e sujeitos políticos. Roundtable with Gladys Tzul Tzul and Juan Carlos Monedero in the conference “Cem anos que abalaram o Mundo: hipóteses emancipatórias”, organized by Centro Estudos Sociais at Faculty of Economics, University of Coimbra on 24/11/2017.

Downloads

Publicado

2022-12-29

Como Citar

Del Gobbo, A., De Fazio, G., Panico, C., Vaz, A. F., Galak, E., Bueno, A. X., Ugolotti, N. de M., Donato, A., & Tonelli, L. (2022). Cartographies of the Body in Pandemic Times. aúde m edes, 8(3), 493–512. https://doi.org/10.18310/2446-4813.2022v8n3p493-512

Edição

Seção

Artigos Especiais