A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES HIPERTENSOS

Autores

  • Deise Silva Suzano Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro
  • Monique Cristine Silva de Almeida Terapia Ocupacional pelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Brasil.
  • Lilian Dias Bernardo Massa Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro
  • Mira Wengert Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2016v2n1p53-63

Palavras-chave:

Hipertensão, Qualidade de vida, SF-36

Resumo

Objetivo: Avaliar a qualidade de vida dos pacientes hipertensos, que realizam tratamento na Clínica da Família Olímpia Esteves. Metodologia: O trabalho foi realizado em etapas: captação, entrevista e aplicação de instrumento para a avaliação da qualidade de vida, o Formulário Abreviado de Avaliação em Saúde, SF-36. Resultados: O SF-36 é um instrumento para mensurar aspectos multidimensionais da saúde, englobando 8 domínios: capacidade funcional, aspecto físico, dor, estado geral de saúde, vitalidade, aspecto social, aspecto emocional e saúde mental. Foram avaliados 34 pacientes: 85,29% mulheres; 14,71% homens; 61,32% com mais de 60 anos; 35,29% sofreram acidente vascular cerebral e 29,41% têm diabetes. A média dos domínios do SF-36 com menor valor obtido foram dor (36,9), limitação por aspecto físico (48,4), limitação por aspecto emocional (49,9) e capacidade funcional (53,8). Verificou-se que pacientes com comorbidades associadas apresentam maior prejuízo na qualidade de vida. Conclusão: Este estudo aponta que pacientes hipertensos sofrem a influência de diversas limitações nas atividades de vida diária, podendo acarretar prejuízos significativos nos domínios de aspectos mentais. Portanto, a ampliação do cuidado na rede de atenção básica, pode ser uma estratégia para melhoria da qualidade de vida do paciente hipertenso.

Biografia do Autor

Deise Silva Suzano, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Campus Realengo

Lilian Dias Bernardo Massa, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Campus Realengo

Mira Wengert, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Campus Realengo

Referências

Brasil. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção de Saúde. Vigitel Brasil 2012: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico [Documento na Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/category/publicacoes-em-destaque/?snap=V>. Acesso em: 14 dez 2014.

Brito DMS, Araújo TL, Galvão MT, Moreira MT, Lopes MV. Qualidade de vida e percepção da doença entre portadores de hipertensão arterial. Cad Saúde Pública [Periódico na Internet]. Abril de 2008; 24(4):933-940. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csp/v24n4/25.pdf>. Acesso em: 11 nov 2014.

Cesarino CB, et al. Prevalência e fatores sócio demográficos em hipertensos de São José do Rio Preto - SP. Arq Bras Cardiol [periódico na Internet]. 2008; 91(1): 31-35. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_pdf&pid=S0066-782X2008001300005&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 14 nov 2014.

Brasil. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022 [documento na Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2011. Disponível em: . Acesso em: 14 jan 2015.

Brasil. Caderno de atenção básica 37. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica [documento na Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013. Disponível em: <http://www.dab.saude.gov.br/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad15.pdf>. Acesso em: 11 nov 2014.

Carvalho MV, Siqueira L, Souza AL, Jardim PCBV. A influência da hipertensão arterial na qualidade de vida. Arq Bras Cardiol [periódico na Internet]. 2013; 100(2):164-174. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_pdf&pid=S0066-782X2013000200009&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 11 nov 2014.

Fleck MPA. O instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL-100): características e perspectivas. Ciênc Saúde Coletiva [periódico na Internet]. 2000; 5(1):33-38. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232000000100004>. Acesso em: 12 npv 2014.

Minayo MCS, Hartz ZMA, Buss PM. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciênc Saúde Coletiva [periódico na Internet]. 2000; 5(1):7-18. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_pdf&pid=S1413-81232000000100002&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 12 nov 2014.

Cavalcante MA, Bombig MTN, Filho BL, Carvalho ACC, Paola AAV, Póvoa R. Qualidade de vida de pacientes hipertensos em tratamento ambulatorial. Arq Bras Cardiol [periódico na Internet]. 2007; 89(4):245-250. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_pdf&pid=S0066-782X2007001600006&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 12 nov 2014.

Ciconelli RM, Ferraz MB, Santos W, Meinão I, Quaresma MR. Tradução para o português e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36). Rev Bras Reumatol [periódico na Internet]. Mai/jun de 1999; 39(3):143-150. <http://www.absh.org.br/00.php?nPag=11_005>. Acesso em: 14 nov 2014.

Almeida ALM. Considerações sobre a avaliação da qualidade de vida em grupo de pacientes com Acidente Vascular Cerebral. Rev Neurocienc [periódico na Internet]. 2010; 18(2):147-149. Disponível em: <http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2010/RN1802/443%2520rev%2520aberta%2520Ana%2520La>. Acesso em: 11 nov 2014.

Anghinoni V. Importância da atenção farmacêutica na melhora da qualidade e vida de pacientes com síndrome metabólica em unidades básicas de saúde do município de Francisco Beltrão – PR. [Dissertação na Internet]; Florianópolis, 2011. Disponível em: <http://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/96078>. Acesso em: 14 nov 2014.

Ferreira PL. Criação da versão Portuguesa do MOS SF-36. Parte I – Adaptação cultural e lingüística. Acta Médica Portuguesa [periódico na Internet]. 2000; 13(1-2):55-66. Disponível em: <http://www.actamedicaportuguesa.com/revista/index.php/amp/article/view/1760/1337>. Acesso em: 14 nov 2014.

Lima VR, Baldissera VDA, Jaques AE. A vivência com a hipertensão arterial sistêmica e a utilização de estratégias de enfrentamento. Arq Ciênc Saúde UNIPAR [periódico na Internet]. Set/ Dez de 2011; 15(3):219-226. Disponível em: <http://revistas.unipar.br/saude/article/view/4085>. Acesso em: 12 nov 2014.

Seidl EMF, Tróccoli BT, Zannon CMLC. Análise Fatorial de Uma Medida de Estratégias de Enfrentamento. Psicologia: Teoria e Pesquisa [periódico na Internet]. 2001; 17(3):225-234. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ptp/v17n3/8812.pdf>. Acesso em: 15 jan 2015.

Zaitune MPA, Barros MBA, César CLG, Carandina L, Goldbaum M. Hipertensão arterial em idosos: prevalência, fatores associados e práticas de controle no Município de Campinas, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública [periódico na Internet]. 2006; 22(2):285-294 Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_pdf&pid=S0102-311X2006000200006&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 12 nov 2014.

Malta DC, et al. Prevalência de fatores de risco e proteção para doenças crônicas não transmissíveis em adultos: estudo transversal, Brasil 2011. Epidemiol Serv Saúde [periódico na Internet]. Jul/Set de 2013; 22(3):423-434. Disponível em: <http://scielo.iec.pa.gov.br/pdf/ess/v22n3/v22n3a07.pdf>. Acesso em: 14 nov 2014.

Carvalho MAN, Silva IBS, Ramos SBP, Coelho LF, Gonçalves ID, Neto JAF. Qualidade de Vida de pacientes hipertensos e comparação entre dois instrumentos de medida de QVRS. Arq Bras Cardiol [periódico na Internet]. 2012; 98(5):442-451. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_pdf&pid=S0066-782X2012000500010&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 11 nov 2014.

Silqueira SMF. O questionário genérico SF-36 como instrumento de mensuração da qualidade de vida relacionada à saúde de pacientes hipertensos. [Tese na Internet] 2005. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-17052007-160822/>. Acesso em: 13 jan 2015.

Rangel ESS, Belasco AGS, Diccini S. Qualidade de vida de pacientes com acidente vascular cerebral em reabilitação. Acta paul enferm [periódico na Internet]. 2013; 26(2):205-212. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_pdf&pid=S0103-21002013000200016&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 12 nov 2014.

Miranda LP, Gomes LMX, Prado PF, Barbosa TLA, Teles MAB. Qualidade de Vida de Idosos com Diabetes Mellitus Cadastrados na Estratégia Saúde da Família. Rev Min Educ Física [periódico na Internet]. 2010; 5(ed.esp.):125-135. Disponível em: <http://www.revistamineiradeefi.ufv.br/artigos/arquivos/498a86c1b3596b8176843b583cf8fbcc.pdf>. Acesso em: 13 jan 2015.

Gusmao JL, Pierin AMG. Instrumento de avaliação da qualidade de vida para hipertensos de Bulpitt e Fletcher. Rev Esc Enferm USP [periódico na Internet]. 2009; 43:1034-1043. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_pdf&pid=S0080-62342009000500007&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 11 nov 2014.

Scalzo PL, Souza ES, Moreira AGO, Vieira DAF. Qualidade de vida em pacientes com Acidente Vascular Cerebral: clínica de fisioterapia Puc Minas Betim. Rev Neurociênc [periódico na Internet]. 2010; 18(2):139-144. Disponível em: <http://revistaneurociencias.com.br/edicoes/2010/RN1802/443%2520original.pdf>. Acesso em: 14 nov 2014.

Downloads

Publicado

2016-05-25

Edição

Seção

Artigos Originais