Percepções de graduandos em saúde sobre relacionamentos sorodiscordantes para o HIV/AIDS

Autores

  • Antonio Arcanjo Martins Escola Superior de Ciências da Saúde da Universidade do Estado do Amazonas
  • Eduardo Jorge Sant'Ana Honorato Escola Superior de Ciências da Saúde da Universidade do Estado do Amazonas.
  • Tirza Almeida da Silva Escola Superior de Ciências da Saúde da Universidade do Estado do Amazonas.
  • Sônia Maria Lemos Escola Superior de Ciências da Saúde da Universidade do Estado do Amazonas
  • Darlisom Sousa Ferreira Escola Superior de Ciências da Saúde da Universidade do Estado do Amazonas.
  • Maycom Grimm Reis Escola Superior de Ciências da Saúde da Universidade do Estado do Amazonas

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2018v4n2p71-84

Palavras-chave:

HIV, Vulnerabilidade em saúde, percepção, instituições acadêmcias

Resumo

A identificação não apenas da percepção dos acadêmicos de saúde sobre relacionamentos sorodiscordantes, como também dos tipos de preconceitos existentes em relação a esta temática a fim de propor, a partir dos resultados obtidos, atividades em educação em saúde para aprimorar conhecimentos sobre a sorodiscordância foram os objetivos deste trabalho. Uma pesquisa descritiva-exploratória qualitativa, que utilizou um questionário hospedado em um site de pesquisas online, cuja amostragem se deu por saturação de conteúdo. A partir disso, uma mensagem padrão foi divulgada nos meios acadêmicos da Escola Superior de Ciências da Saúde da Universidade do Estado do Amazonas, na qual os usuários recebiam orientação para assinar o termo de consentimento livre e esclarecido digital e responder o instrumento de pesquisa: um questionário com 13 questões, cuja elaboração visou uma maior aproximação com um modelo de entrevista semiestruturada; os critérios de exclusão foram menores de idade e indígenas. O questionário ficou hospedado por 60 dias consecutivos e obteve 99 respostas válidas, excluindo-se os incompletos e com Internet Protocol repetidos. A exploração do material se deu através da técnica de Bardin. Com a definição de categorias e posteriores Unidades de Registro pode-se identificar, explorar e inferir sobre os objetivos propostos. Dentre resultados, inferências e interpretações os achados apontam para ainda desconhecimento sobre o assunto, com informações ainda distorcidas e carregadas de preconceitos. Mesmo aqueles que demonstram algum conhecimento técnico, ainda há preconceito velado. Nem mesmos os anos de formação acadêmica foram suficientes para quebrar preconceitos relacionados a temática HIV.

Biografia do Autor

Antonio Arcanjo Martins, Escola Superior de Ciências da Saúde da Universidade do Estado do Amazonas

Acadêmico de Medicina. Atualmente Bolsista de Iniciação Tecnológica do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Cursa o 9º período. Áreas de pesquisa são: HIV/AIDS, Relacionamentos Sorodiscordantes, Produção de tecnologias educacionais em saúde.

Eduardo Jorge Sant'Ana Honorato, Escola Superior de Ciências da Saúde da Universidade do Estado do Amazonas.

Psicólogo, Doutor em Saúde da Criança e da Mulher com ênfase em Sexualidade, Reprodução, Gênero e Saúde pela FIocruz (IFF-RJ). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em PRomoção e Educação em Saúde - GEPPES (UEA). Produções e interesses voltados para: Direitos Humanos, Sexualidade e Gênero; Vulnerabilidade, Saúde Mental e Atençã psicossocial; Tecnologia e Inovação em Educação em Saúde e CIbercultura e Saúde pública, e HIV/AIDS.

Tirza Almeida da Silva, Escola Superior de Ciências da Saúde da Universidade do Estado do Amazonas.

Psicóloga; Especialista em Psicologia Sóciojurídica e criminologia e em Psicologia da Saúde. Atualmente mestranda na Universidade Federal do Amazonas. Membra do Grupo de Estudos e Pesquisas em Promoção e Educação em Saúde - GEPPES. Áreas de interesse e pesquisa são: HIV/AIDS, Saúde LGBT, Direitos humanos, psicologia da saúde e Saúde Coletiva.

Sônia Maria Lemos, Escola Superior de Ciências da Saúde da Universidade do Estado do Amazonas

Psicóloga. Mestrado em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas. Atualmente é vice-presidente da Associação Brasileira de Ensino de Psicologia. Atua principalmente nos seguintes temas: saúde pública, saúde mental, vulnerabilidade ambiente, formação e ethos socioambiental

Darlisom Sousa Ferreira, Escola Superior de Ciências da Saúde da Universidade do Estado do Amazonas.

Enfermeiro. Doutorando em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Mestre em Educação pela Universidade do Estado do Pará - UEPA. Atualmente é Diretor da Escola Superior de Ciências da Saúde da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Promoção e Educação em Saúde - GEPPES. Produções e interesses voltados para: Atenção Primária à Saúde. Integralidade em Saúde, Promoção em Saúde, Educação em Saúde e Representações sociais em Educação.

Maycom Grimm Reis, Escola Superior de Ciências da Saúde da Universidade do Estado do Amazonas

Acadêmico de medicina. Atualmente bolsista do Programa de Iniciação Científica da Universidade do Estado do Amazonas, fomentado pela Fundação de Amparo a Pesquisa do Amazonas. Áreas de atuação em pesquisa: HIV/AIDS, Testagem rápida.

Referências

Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Aids: etiologia, clínica, diagnóstico e tratamento. Brasil, 2003.

BRITO, A. M; CASTILHO, E. A. de; SZWARCWALD, C. L. AIDS e infecção pelo HIV no Brasil: uma epidemia multifacetada. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., v. 34, n. 2, Apr. Uberaba, 2001.

Programa conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS, UNAIDS. Resumo informativo – Dia Mundial contra a AIDS. Genebra, 2017. Disponível em: <https://unaids.org.br/wp-content/uploads/2017/12/UNAIDSBR_FactSheet.pdf>

Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico HIV/AIDS. Brasília: Ministério da Saúde – n 1, ano V. 2016.

Padoin SMM, Paula CC, Zuge SS, et al. Fatores associados à não adesão ao tratamento antirretroviral em adultos acima de 50 anos que têm HIV/AIDS. DST - J bras Doenças Sex Transm, v. 23, n. 4, p. 194 - 197; 2011

Barbosa APL. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza (CE): UECE; 2001.

Welling L, Thomson L. PHP e MySQL: desenvolvimento web. Rio de Janeiro: Campos, 2001.

Amorim CM, Szapiro AM. Analisando a problemática do risco em casais que vivem em situação de sorodiscordância. Rev Ciência & Saúde Coletiva, 13(6): 1859-1868, 2008.

Fernandes H, Horta ALM. Percepções de alunas de graduação em enfermagem sobre parcerias sorodiscordantes para o HIV/aids. Rev Latino-am Enfermagem, julho-agosto; 13(4):544-9. 2005

Silva AM, Junior KRDC. A invisibilidade da sorodiscordância na atenção às pessoas com HIV/Aids. Rev Ciência & Saúde Coletiva, 16(12): 4865-4873, 2011.

Ferreira MP. Nível de conhecimento e percepção de risco e população brasileira sobre o HIV/Aids, 1998 e 2005. Grupo de Estudos em População, Sexualidade e Aids. Rev Saúde Pública;42 (Supl 1): 65-71, 2008.

Maksud I. Casais sorodiscordantes: conjugalidade, práticas sexuais e HIV/Aids. Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2007.

Centers for disiease control and prevetion [Internet]. Information from CDC’s division of HIV/AIDS prevetion. Disponível em: https://www.cdc.gov/hiv/library/dcl/dcl/092717.html

REIS, K. R.; GIR, E. Convivendo com a diferença: o impacto da sorodiscordância na vida afetivo-sexual de portadores do HIV/AIDS. Rev Esc Enfermagem USP; 44(3): 759-65. 2010.

Reis KR, Gir E. Vulnerabilidade ao HIV/AIDS e a prevenção da transmissão sexual entre casais sorodiscordantes. Rev Esc Enfermagem USP; 43(3): 662-9. 2009.

Maksud I. O discurso da prevenção da Aids frente às lógicas sexuais de casais sorodiscordantes: sobre normas e práticas. Revista de Saúde Coletiva, Rio De Janeiro, 19 (2): 349 – 369, 2009.

Downloads

Publicado

2018-12-20

Edição

Seção

Artigos Originais