A pesquisa-intervenção como ferramenta de formação: a experiência em uma unidade básica de saúde

Maria Fernanda Frutuoso, Flavia Liberman, Gardenia Maria Ribeiro de Sousa, Rosilda Mendes

Resumo


Objetivo: Apresentar reflexões de cunho teórico-metodológico com foco na pesquisa-intervenção como princípio educativo e como ato político-ético-técnico-relacional. Métodos: Pesquisa-intervenção realizada em uma unidade de atenção básica à saúde a partir da discussão de um “caso-marcante” selecionado pela equipe. Foram analisados os diários de pesquisa onde se registrou a produção de dados dos encontros entre trabalhadores, pesquisadores e o sujeito acompanhado pela equipe. Resultados: O processo de pesquisar com a equipe permitiu a discussão compartilhada da história de vida e do percurso de cuidado de uma usuária em um ambiente formativo para todos os envolvidos. Os registros apontam a proposição de redes de articulação entre ações de diferentes serviços e ações da parceria ensino-serviço que emergiram dos encontros entre os pesquisadores. Conclusão: Esta pesquisa permitiu problematizar a dicotomia entre saber-fazer e reconhecer e qualificar a troca de saberes de diferentes naturezas, lugares e propósitos. O desafiador processo de pesquisar junto possibilitou produzir conhecimento por meio de encontros entrelaçados por uma rede que se reinventa constantemente.


Palavras-chave


pesquisa qualitativa; atenção primária em saúde; integração docente-assistencial; educação permanente em saúde

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Abrahão AL, Merhy EE. Formação em saúde e micropolítica: sobre conceitos-ferramentas na prática de ensinar. Interface (Botucatu). 2014; 18(49): 313-324.

Fortuna CM et al. A pesquisa e a articulação ensino-serviço na consolidação do Sistema Único de Saúde. Rev Esc Enf USP. 2011; 45(n.spe.2): 1696-700.

Fiocruz. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio. A pesquisa como princípio educativo. Disponível em: http://www.epsjv.fiocruz.br/printpdf/1661. Acesso em: 05 mai 2018.

Favre R. Corp.Ante.Corpo. 2013. Disponível em: http://laboratoriodoprocessoformativo.com/2013/05/corpo-ante-corpo/. Acesso em: 30 mai 2018.

Barros LP, Kastrup V. Cartografar é acompanhar processos. In: Passos E et al. (Org). Pistas do método cartográfico. Porto Alegre, Editora Sulina, 2009. p. 52-75.

Kastrup V. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. Psicol Soc. 2007; 19(1): 15-22.

Feuerwerker LCM, Capozzolo AA. Mudanças na formação dos profissionais de saúde: alguns referenciais de partida do eixo trabalho em saúde. In: Capozzolo AA et al. Clínica comum: itinerários de uma formação em saúde. São Paulo: Hucitec; 2013. p. 35-58.

Ricaldoni CA, Sena RR. Educação permanente: uma ferramenta para pensar e agir no trabalho de Enfermagem. Rev Latino-Am Enfermagem. 2006; 14(6): 837-842.

Silva RM et al. Cartografia do cuidado na saúde da gestante. Cien Saude Colet. 2012; 17(3): 635-642.

Favre R. Presença. Laboratório do Processo Formativo. 2012. Disponível em: http://laboratoriodoprocessoformativo.com/2012/03/presenca/. Acesso em: 30 mai 2018.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2019v5n2p9-19

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132019v5n2.1837g366

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS