Nas fronteiras dos impactos expansionistas do capital sobre a saúde dos povos indígenas no Brasil: questões para a compreensão do suicídio

Carmen Carballeda Adsuara, Gabriel Henrique Macêdo de Araújo, Paulo de Tarso Ribeiro de Oliveira

Resumo


O suicídio entre povos indígenas no Brasil ocupa lugar de destaque na preocupação de diversas lideranças (PYELITO KUE, 2012; CRPSP, 2013), indigenistas (CIMI, 2015) e intelectuais (KROEMER, 1994; DOS SANTOS, 2015; DAL POZ, 2000; DE SOUZA e DOS SANTOS, 2009). Contudo, conforme pontua PECHINCHA (2015), muitas vezes, o olhar para esse fenômeno faz-se descolado da trama social que permeia a relação entre a sociedade indígena e não indígena. Dessa forma, o presente artigo propõe debruçar-se sobre a literatura disponível a respeito do suicídio, lançando mão também de reportagens e matérias sobre a conjuntura e sobre o fenômeno, partindo do pressuposto central de que este encontra-se indissociável do processo contraditório (MARX, 1846/1988) de violências e esbulhos a que foram e são submetidas as populações indígenas, apesar da garantia de seus direitos em pactos internacionais. Assim, considerando o movimento estrutura-história das culturas (SAHLINS, 1979), o texto aborda o suicídio como um problema de saúde coletiva da população e dos povos indígenas de forma indissociável da história de genocídio no contexto das fronteiras, de modo que há uma transformação epistêmica ocasionada a partir da penetração nos territórios (PAREDES e GUZMÀN, 2015). A partir do debate, defende-se o cuidado em uma perspectiva política, reconhecendo o conflito territorial como um conflito de projetos de existência.

Palavras-chave


Suicídio; Genocídio; Povos Indígena; Saúde Coletiva; Áreas de fronteira.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


PAREDES, Julieta; GUZMÁN, Adriana. El tejido de la rebeldia Que es el feminismo comunitario? Bases para la despatriarcalización. Mujeres Creando Comunidad, 2ª edición, 2008.

SUZUKI, Júlio César. De frente de exp ansão e pioneira à fronteira: percursos de um pesquisador. Revista Geousp, n 9 4, p. 115-119, 2006.

MARTINS, J. O tempo da fronteira. Retorno à controvérsia sobre o tempo histórico da frente de expansão e da frente pioneira. Tempo Social, v. 8, n. 1, p. 25-70, 11, 1996.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. Do indio ao bugre. Francisco Alves, 1976.

NETTO, Nilson Berenchtein. Educação, saberes psicológicos e morte voluntária: fundamentos para a compreensão da morte de si no Brasil colonial. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/PUCSP, São Paulo, 2012. (Tese de Doutorado)

____. O Capital, Livro I, volume I. São Paulo: Nova Cultura, 1988 [1846]. Cap. 24.

MARX, Karl. O capital – crítica da economia política. v. 1, livro primeiro, p. 149-193. São Paulo: Abril, 1983.

___. Sobre o suicídio. São Paulo: Boitempo, 2006.

DURKHEIM, Émile. O suicídio: estudo de sociologia; tradução. Monica Stahel - São Paulo, SP : Martins Fontes, 2000. - Coleção Tópicos.

HECK, Egon. HECK, Egon; LOEBENS, Francisco; CARVALHO, Priscila D.. Amazônia indígena: conquistas e desafios. Estud. av., São Paulo, v. 19, n. 53, p. 237-255, Apr. 2005.

____. Contribuição à crítica da economia política. 2.ed. – São Paulo: Expressão Popular, 2008.

VYGOTSKY, Lev S. A formação social da Mente. São Paulo:Martins Fontes, 1987.

SAVIANI, Dermival. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 15.ed. Campinas: Autores Associados, 2004.

CARVALHO, Edgar A; JUNQUEIRA, Carmem. Antropologia e Indigenismo na América Latina. São Paulo : Cortez Editora, 1981.

SAHLINS, Marshall. Cultura e Razão Prática. 1ª Edição. Rio de Janeiro : Zahar, 1979.

GROSFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado – Volume 31 Número 1 Janeiro/Abril 2016.

PECHINCHA, M. T. S. . O suicídio karajá fora da lei: reflexões acerca da vinculação entre norma civilizatória e vontade de existir. In: IX Congresso da Rede Latino- Americana de Antropologia Jurídica, 2015, Pirinópolis-GO. www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=33cbad177e0a2ab6, 2015. p. 1-20. Acesso em: 2 de Setembro.2017.

PYELITO KUE, Guarani-Kaiowá de Pyelito Kue/Mbarakay. Carta da comunidade Guarani-Kaiowá de Pyelito Kue/Mbarakay-Iguatemi-MS para o Governo e Justiça do Brasil.2012. Disponível em: Acesso em: 26 de ago. 2017.

CRPSP, Conselho Regional de Psicologia da 6ª Região (org). POVOS INDÍGENAS O que a Psicologia tem a ver com isso?. 2013. Disponível em: http://www.crpsp.org.br/portal/midia/fiquedeolho_ver.aspx?id=566 Acesso em 26 de Agosto. 2017.

BUCHILLET, Dominique. Contas de vidro, enfeites de branco e "potes de malária": epidemiologia e representações de doenças infecciosas entre os Desana. Brasília: Departamento de Antropologia da UnB. (Série Antropologia, 187).

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela Carneiro. A morte e os outros Uma análise do sistema funerário e da noção de pessoa entre os índios Krahó. São Paulo : Editora Hucitec, 1978.

DOS SANTOS, Suelene Maria. Entre Feitiços e Violências Institucionais: Ressignificações Inỹ Karajá a partir das “mortes in-voluntárias”. Anápolis, GO, 2015 (dissertação).

POZ, João dal. Crônica de uma morte anunciada: do suicídio entre os Sorowaha. Revista De Antropologia, São Paulo, USP, 2000, V. 43 no 1.

DE SOUZA, Kariny Teixeira; DOS SANTOS, Márcio Martins. MORTE RITUAL: REFLEXÕES SOBRE O “SUICÍDIO” SURUWAHA. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 3, n. 1, p. 10-24, jan./jun. 2009.

KROEMER, Gunther. Kunahã Made, o povo do veneno: sociedade e cultura do Povo Zuruahá. Belém: Mensageiro, 1994.

CIMI, Conselho Indigenista Missionário. Encarte Pedagógico V. In: PORANTIM. 2015, p. 3.

MATTOS, CLG. A abordagem etnográfica na investigação científica. In MATTOS, CLG.; CASTRO, PA., orgs. Etnografia e educação: conceitos e usos. Campina Grande: EDUEPB, 2011.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. Trad Álvaro Pina. - 1.ed. - São Paulo : Expressão Popular, 2009.

INGOLD, Tim. The Perception of the Environment: Essays in Livelihood, Dwelling and Skill. London: Routledge, 2000.

CHAMORRO, Graciela. O Bem Viver nos povos indígenas. Disponível em: http://cebivirtual.com.br/ava/arquivos/FT1-M1.pdf Acesso em: 15 de Maio. 2016.

ADSUARA, Carmen Hannud C. Unatí yapey Aspectos da Vida Terena em Araribá. Bauru: Faculdade de Ciências e Letras, 2016 (Dissertação de Mestrado).

ENGELS, Friedrich. Sobre o papel do trabalho na transformação do macaco em homem. 1876. Disponível em: Acesso em: 1o Ago.2018

ENGELS, Friedrich; KAUTSKY, Karl. O socialismo jurídico. 2ª Edição, São Paulo: Boitempo, 2012.

SANTILLI, Paulo. Pemongon Patá: território Macuxi, rotas de conflito, São Paulo, Editora UNESP, 2001, 225 pp.

MÉSZÁROS, István. A Crise Estrutural do Capital. Tradução: Francisco Raul Cornejo. 2.ed. rev. e ampliada - São Paulo: Boitempo, 2011.

CIMI, Conselho Indigenista Missionário. Relatório de violência contra os Povos Indígenas no Brasil - Dados de 2017. Brasília, 2018. Disponível em: https://cimi.org.br/wp-content/uploads/2018/09/Relatorio-violencia-contra-povos-indigenas_2017-Cimi.pdf Acesso em 15 de out.2018

COMISSÃO NACIONAL DA VERDADE (CNV), Relatório da Comissão Nacional da Verdade, Volume II, Textos Temáticos 5, Violações dos direitos humanos dos Povos Indígenas, Brasília: CNV, 2014, p. 203 – 262.

OLIVEIRA, F. Elegia para uma re(li)gião. São Paulo: Paz e Terra, 1993.

OLIVEIRA, Paulo de Tarso de Ribeiro. Desigualdade Regional e o Território da Saúde na Amazônia / Paulo de Tarso Ribeiro de Oliveira . – Belém : EDUFPA, 2008. 248 p.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2019v5n1p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132019v5n2.2212g392

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS