CUIDADO OU VIOLÊNCIA?: considerações sobre acolhimento e atenção de parturientes em um hospital público

Auzy Cleyce Costa Sousa, Paulo de Tarso Ribeiro de Oliveira, Maria Lúcia Chaves Lima, Edna Abreu Barreto

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar as percepções de mulheres puérperas internadas em um hospital-maternidade público, localizado no interior do Pará, acerca do acolhimento e atenção que receberam durante o seu processo de parto. A pesquisa compara tais percepções das entrevistadas com o que está preconizado pelas legislações acerca da assistência ao parto no Brasil. A pesquisa mostrou que a falta de conhecimento das mulheres sobre seus direitos as faz avaliarem como positivo o acolhimento que tiveram no hospital investigado, não identificando uma série de violências obstétricas a que foram submetidas, como a falta de privacidade e acolhimento na admissão do hospital e falta de informações em seus processos de parto. Conclui-se a necessidade de se investir em uma política de informação às usuárias sobre seus direitos durante todo o período de gestação, parto e puerpério.


Palavras-chave


Cuidado no parto, Parto humanizado, violência obstétrica.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Ferreira V. 2006. Da mulher como objeto às mulheres como sujeito: A trajetória da crítica feminista às políticas de saúde no Brasil. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Ceará.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica do óbito materno / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise de Situação em Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2009.

Sousa V. 2015. Violência Obstétrica: considerações sobre a violação de direitos humanos das mulheres no parto, puerpério e abortamento. São Paulo: Artemis, 63 p.

Ministério da saúde. Brasil reduziu 8,4% a razão de mortalidade materna e investe em ações com foco na saúde da mulher, 2020. Acessado em: 29/06/2021 Publicado em: https://aps.saude.gov.br/noticia/8736

Kondo CY et al. 2014. Violência obstétrica é violência contra mulher: mulheres em luta pela abolição da violência obstétrica, 1 ed., São Paulo: Rede Parto do Princípio, 26p.

República Bolivariana de Venezuela. Ley orgánica sobre el derecho de las mujeres a una vida libre de violência. Caracas: UNFPA; 2007.

Leal MC e Gama SGN, 2014. Nascer no Brasil: Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento. [online]. [Acesso em 3.07.2015]. Disponível em: http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/arquivos/anexos/nascerweb.pdf.

Guedes A. 2018. Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil [online]. [Acesso em 22.01. 2019]. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/especiais/especial-cidadania/especialistas-apontam-epidemia-de-cesarianas/especialistas-apontam-epidemia-de-cesarianas.

Batalha E. 2012. “Parto e nascimento com cidadania”. Radis: comunicação e saúde. Maio de 2012, n° 117, p. 8-10.

Brasil. Ministério da Saúde. 2011. Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. [online] [Acesso em 5.06.2017]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html.

Brasil. Ministério da Saúde. 2017. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida [recurso eletrônico]. Brasília.

Brasil. Ministério da Saúde. 2008. Resolução nº 36, de 3 de junho de 2008. [online]. [Acesso em 22.05.2017]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2008/res0036_03_06_2008_rep.html.

Brasil. Lei nº 11.108, de 07 de abril de 2005. Dispõe sobre o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS e altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. [Acesso em 30.06.2021]. Disponível em: https://legis.senado.leg.br/norma/570557/publicacao/15722854

Brasil. Portaria nº 2048, de 05 de novembro de 2002. Dispõe sobre o atendimento pré-hospitalar. [Acesso em 30.06.2021]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt2048_05_11_2002.html

Schmitz H. Abordagem sistêmica e agricultura familiar. IN: MOTA, D.M.; SCHMITZ, H.; VASCONCELOS, H.E.M.. Agricultura familiar e abordagem sistêmica. Sociedade brasileira de sistemas de produção. Aracaju, SE. 2005.

González Rey, Fernando Luis. Pesquisa qualitativa em psicologia: caminhos e desafios. São Paulo, Cengage Learning, 2011.

Cordeiro IMCC; Arbage MJC; Schwartz G. Nordeste do Pará: configuração atual e aspectos identitários. Embrapa Amazônia Oriental-Capítulo em livro científico (ALICE), 2017.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez editora, 2017.

Aragaki SS, Lima MLC, Pereira CCQ, Nascimento VLV. Entrevistas: negociando sentidos e coproduzindo versões de realidade. IN: SPINK, M.J. P.; BRIGAGÃO J.I.M.; NASCIMENTO,V. L. V do; PRIOLI, M.. A produção de informação na pesquisa social: compartilhando ferramentas. Cordeiro, organizadoras. – 1.ed. – Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2014 (publicação virtual).

Gomes M. e Pinheiro R. 2000. “Acolhimento e vínculo: práticas de integralidade na gestão do cuidado em saúde em grandes centros urbanos”. Interface. Vol. 17, n° 9, p. 287-301.

Campos GWS de. Humanização na saúde: um projeto em defesa da vida

— Interface - Comunic, Saúde, Educ, v.9, n.17, p.389-406, mar/ago 2005.

Vianna RCS. 2014. A violência institucional na assistência ao parto sob a perspectiva da mulher. Dissertação de mestrado, Fundação Oswaldo Cruz.

Ciello C. 2012. Dossiê da Violência Obstétrica: “Parirás com dor”. [online]. [Acesso em 1.06. 2015]. Disponível em: http://www.senado.gov.br/comissoes/documentos/SSCEPI/DOC%20VCM%20367.pdf.

Maia MB. 2010. Humanização do parto, políticas públicas, comportamento organizacional e ethos profissional. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 189 p.

Aguiar JM. 2010. Violência institucional em maternidades públicas: hostilidade ao invés de acolhimento como uma questão de gênero. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo.

Dodou H. et al. 2014. “A contribuição do acompanhante para a humanização do parto e nascimento: percepções de puérperas”. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. Vol. 18, n° 2, p. 262-269.

Diniz CSG et al. 2014. PRESENÇA DE ACOMPANHANTES DURANTE INTERNAÇÃO PARA PARTO. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro. [Acesso em 22.08. 2017]. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/csp/2014.v30suppl1/S140-S153/pt.

Enkin M. et al. 2005. Guia para atenção efetiva na gravidez e no parto. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Editora Guanara Koogan, 279 p.

Oliveira BD. 2009. Atividade eletromiográfica da musculatura abdominal de parturientes durante o período expulsivo do parto transpelviano. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco.

Boletim epidemiológico. Secretaria de vigilância em saúde. Ministério da saúde. Vol.51, Nº 20, maio 2020. Disponível em https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/wp-content/uploads/2020/06/Boletim-epidemiologico-SVS-20-aa.pdf Acessado em 17/06/2021

DINIZ, Simone e DUARTE, Ana Cristina. 2004. Parto normal ou cesárea? O que toda mulher deve saber e todo homem também. São Paulo: Editora Unesp. 179 p.

MILENA, Lilian, 2012. Prós e contras do programa Rede Cegonha. [online]. Disponível em: https://jornalggn.com.br/politicas-sociais/pros-e-contras-do-programa-rede-cegonha/. [Acesso em 7.02.2014].




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n3.3451g788

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS