Orientação nutricional no pré-natal: estudo com nutrizes no pós-parto hospitalizadas em uma maternidade pública

Francisca Juscicléia de Pinho Silva Leal, josiane da rocha silva ferraz, joyce lopes macedo, daisy Jacqueline Sousa Silva

Resumo


O objetivo do presente estudo foi identificar as orientações nutricionais concedidas as nutrizes durante o período gestacional.  Corresponde a um estudo descritivo de abordagem transversal e caráter quantitativo realizado entre os meses de julho e agosto de 2018, com mulheres no pós-parto de uma maternidade pública do estado do Maranhão. A amostra foi composta por 133 nutrizes com idade maior ou igual 18 anos e que aceitaram participar da pesquisa, os dados foram analisados por meio de variáveis fundamentadas no programa IBM SPSS onde, a partir daí foi possível a obtenção de gráficos e tabelas. O estudo mostrou que das 133 participantes, 88,0% realizaram mais de cinco consultas de pré-natal, 84,2% receberam informações sobre alimentação e aleitamento materno e 81,2% receberam informações sobre a diminuição do consumo de industrializados, e quando questionadas sobre a importância da alimentação saudável na gestação, todas relataram ser muito importante. Dentre os nutrientes investigados, conclui-se que o ferro e ácido fólico na forma de medicamento foram os que mais orientados, devido sua importância para o fechamento do tubo neural e combate a anemia. O profissional que mais repassou informações durante o pré-natal foi o enfermeiro, seguido pelo médico e nutricionista, isso devido ao maior contato que esse profissional possui dentro da assistência pré-natal no local estudado.  

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Brognoli AF, Neme LCLH, Passoni CMS. Relação da dieta de gestantes com o estado nutricional. Cadernos da Escola de Saúde. 2017; 1(3):1-14.

Baião MR, Deslandes SF. Práticas alimentares na gravidez: um estudo com gestantes e puérperas de um complexo de favelas do Rio de Janeiro (RJ, Brasil). Ciência & Saúde Coletiva. 2010; 15(1): v. 15, p. 3199-3206.

Linhares AO, Cesar JA. Suplementação com ácido fólico entre gestantes no extremo Sul do Brasil: prevalência e fatores associados. Ciência & Saúde Coletiva. 2017; 22(1):535-542.

Sousa AL. Análise da concentração de retinol no soro e leite colostro de puérperas com diabetes mellitus gestacional. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Ferraz L et al. Micronutrientes e sua importância no período gestacional. Saber Científico. 2018; 7(1):68-82.

Cabral AR et al. A suplementação de ácido fólico na prevenção de disfunções autonômicas cardíacas e de anomalias do tubo neural: uma revisão sistemática. Rev Bras Nutr Clin 2015; 30(4): 344-353.

Krause KMO et al. Percepção das gestantes sobre o pré-natal em um centro de atendimento do interior do sul do Brasil. Aletheia. 2017; 50(1-2):21-37.

Domingues RMSM et al. Avaliação da adequação da assistência pré-natal na rede SUS do Município do Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública. 2012; 28(1):425-437.

Urbanetto PDG et al. Orientações recebidas pelas gestantes no pré-natal acerca da amamentação. Ciência, Cuidado e Saúde. 2017; 16(4):1-8.

Barbosa L et al. Fatores associados ao uso de suplemento de ácido fólico durante a gestação. Rev bras ginecol obstet. 2011; 33(9):246-251.

Bueno KCVN. A importância do aleitamento materno exclusivo até os seis meses de idade para a promoção de saúde da mãe e do bebê. 2013. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal de Minas Gerais.

Bueno AA, Beserra JAS, Weber ML. Características da alimentação no período gestacional. Life Style. 2016; 3(2):29-42.

Santos TRS. Consumo alimentar de energia e nutrientes no 1º e 3º trimestres gestacionais e peso ao nascer: coorte NISAMI. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal da Bahia.

Azevedo BAR, Almeida MF, Szarfarc S. Percepção das causas e riscos da anemia de gestantes atendidas em Programa Estratégia de Saúde da Família em São Caetano do Sul-SP. Segurança Alimentar e Nutricional. 2011; 23(2):984-992.

Fazio ES et al. Consumo dietético de gestantes e ganho ponderal materno após aconselhamento nutricional. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. 2011; 33(2):87-92.

Magalhães DMO. Avaliação da ingestão de ácidos gordos polinsaturados ómega 3 numa amostra de grávidas. 2017. Dissertação [Mestrado]. Universidade do Porto.

Matos S et al. Consumo alimentar de gestantes atendidas em uma unidade de saúde de Porto Alegre e sua relação com a idade. Clinical and biomedical research. 2017.

Rodrigues AFC et al. Perfil nutricional de gestantes de alto risco atendidas numa clínica escola de nutrição de Maceió-AL e incentivo ao aleitamento materno. Entre Aberta Revista de Extensão. 2015; 1(1).

Cruz IFS. Alegações maternas para o desmame precoce. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal de Brasília.

Amorin SMR. Fernandes. Perfil Nutricional de Gestantes Atendidas por Duas Unidades Básicas de Saúde de Londrina–PR. Journal of Health Sciences. 2015; 10(2).

Gomes CB. Práticas alimentares de gestantes e mulheres não grávidas: há diferenças? Rev Bras Ginecol Obstet. 2015; 37(7):325-332.

Schafaschek H et al. Suplementação de sulfato ferroso na gestação e anemia gestacional: uma revisão da literatura. Arquivos Catarinenses de Medicina. 2018; 47(1):198-206.

Freitas BAC. Restrição do crescimento extrauterino, amamentação e avaliação da adesão e influência da suplementação com micronutrientes nas prevalências de deficiências de ferro, zinco e vitamina a em prematuros. 2015. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Viçosa.

Silva RVM, Soares LG, Boeck SC. A utilização do ácido fólico durante o período gestacional como método profilático aos danos da Síndrome Congênita do Zika vírus. Mostra IFTec em Resumos. 2018.

Moura AR, Azevedo FHC. Evidências Científicas Sobre a Alimentação de Gestantes. Saúde em Foco. 2018; 5(1):78-90.

Moura MSBM. Efeito da suplementação com zinco na resposta inflamatória em pacientes com retocolite ulcerativa. 2017. Dissertação [Mestrado]. Universidade Federal do Piauí.

Silva NMA. Efetividade das orientações de enfermagem na consulta de pré-natal para aleitamento materno exclusivo. 2017.

Mendonça CPS et al. Avaliação do grau de conhecimento das gestantes quanto a saúde oral do bebê atendidas em uma unidade básica de saúde. Revista Interfaces: Saúde, Humanas e Tecnologia. 2015; 3(8):1-5.

Carvalho JLS et al. Conhecimento das mães sobre aleitamento materno exclusivo e alimentação complementar. Saúde em Redes. 2017; 2(4):383-392.

Gama SGN et al. Fatores associados à assistência pré-natal precária em uma amostra de puérperas adolescentes em maternidades do Município do Rio de Janeiro, 1999-2000. Cadernos de Saúde Pública. 2004; 20(1):101-111.

Maciel C, Lima Z, Terrazzan AC. Papel da colina na gestação humana: Revisão da literatura. Brazilian Journal of Development. 2017; 3(3):481-492.

Matos DS, Rodrigues MS, Rodrigues TS. Atuação do enfermeiro na assistência ao pré-natal de baixo risco na estratégia saúde da família em um município de Minas Gerais. Enfermagem Revista. 2016; 16(1):18-33.

Cançado IAC, Pereira FM, Fernandes RM. Avaliação do conhecimento em nutrição de gestantes atendidas pela Estratégia de Saúde da Família (ESF) da cidade de Pará de Minas–MG. Revistal digital FAPAM. 2016; 1(1):318-327.

Melo ASO et al. Estado nutricional materno, ganho de peso gestacional e peso ao nascer. Revista Brasileira Epidemiologia. 2010; 10(2).

Silva JEA, Pacífico ACL, Costa SS. Orientação nutricional no pré-natal e sua importância para uma gestação saudável: relato de experiência. Revista Saúde-UNG-Ser. 2017; 10(1):111.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n1p25-39

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n1.2297g487

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS