Regulamentação de propagandas de alimentos veiculadas em canais de televisão abertos

soraya Soares da Silva, joyce lopes macedo, Fatima Dandara Assunção, Rayane Rangel Cunha da Silva, Leticia Sousa dos Santos, Lilyanna Layza Brito do Nascimento, Deyse Maiane Dias de Sousa, Raimundo Nonato Cardoso Miranda Junior

Resumo


Resumo

 

O presente trabalho teve como objetivo avaliar a regulamentação de propagandas de alimentos veiculadas em canais abertos de televisão. A pesquisa foi realizada em domicílio, através de um aparelho televisivo, durante 2 meses assistiu-se três emissoras de televisão de canal aberto tratadas como A, B e C no horário de: 08:00 às 12h, 17:00 às 18:00 e 19:00 às 22:00 horas de segunda a domingo, onde nesse intervalo foram anotadas todas e quaisquer propagandas que eram anunciadas sobre alimentação ou bebidas alcoólicas. Durante o período da coleta de dados, registrou-se um total de 127 propagandas de alimentos, onde a emissora A, obteve um total de 105 (83%), emissora B 12 (9%) e emissora C 10 (8%). Dentre as 127 propagandas assistidas durante o período de coleta, 62 foram registradas uma única vez, por conseguinte 65 propagandas foram repetidas. O estudo evidenciou que o regulamento técnico não tem sido cumprido. Ainda permitiu identificar que produtos com excesso de açúcar, sódio, gorduras e bebidas de baixo teor nutricional são largamente propagandeados pelos canais, revelando que propagandas publicitárias de alimentos exercem ampla influência sobre a alimentação da população de pessoas de todas as faixas etárias.

Palavras-chave: Propagandas de alimentos, Televisão, Mídia Audiovisual

Texto completo:

PORTUGUÊS


DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2019v5n2p47-57

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132019v5n2.2299g369

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS