Acendendo as Luzes: uma inovação no Cuidado a Saúde dos Pacientes Oncológicos, Familiares e Equipe.

Natanael Chagas, Gelvani Locateli, Caroline Menzel Gato, Gabriela Gonçalves de Oliveira, Leoni Terezinha Zenevicz

Resumo


Resumo: As práticas Integrativas e complementares têm se incorporado ao sistema de saúde de maneira significativa, na assistência a saúde dos pacientes, especialmente na área da oncologia. O câncer é uma doença devastadora que impacta de maneira negativa na vida do paciente, família e equipe. A utilização das Praticas Integrativas e Complementares (PIC’s) são uma alternativa que complementam os tratamentos convencionais na melhora da qualidade de vida e no cuidado a dimensão espiritual do ser humano.   

Objetivo: Relatar a experiência de implantação das Terapias Integrativas e Complementares através do Projeto de Extensão Luzes.

Métodos: as atividades realizadas são Reiki, Auriculoterapia, massagem laboral, meditação, grupo de oração, música e canto, Bio Energetics Medicine, Contação de histórias, confecção de origamis, avaliação da saúde bucal, construção de Mandalas e pinturas. As PIC’s são desenvolvidas por um grupo de 136 voluntários dentre docentes, discentes e profissionais de diferentes áreas e da comunidade em geral. Desde sua implantação em Agosto de 2018 já atendeu mais de 1700 pessoas. É desenvolvido dentro do Hospital Regional do Oeste de Chapeco SC nos setores de Oncologia, Quimioterapia e Radioterapia.  

Resultados: as terapias integrativas e complementares são reconhecidas como benéficas pelos pacientes, familiares e profissionais. Consideradas aliadas na melhora da qualidade de vida durante o período de internação e tratamento. Também citada como uma maneira diferenciada de assistência a dimensão espiritual porque propicia a formação de vinculos mais empáticos entre profissionais, pacientes e família. Observa-se também uma maior qualificação no processo de formação profissional dos acadêmicos dos cursos de Enfermagem e Medicina da UFFS.

Conclusões: A utilização das praticas integrativas e complementares no ambiente hospitalar foram sem sombra de dúvidas um desafio. Devemos reconhecer que valeu o desafio de implantar as Terapias Integrativas e Complementares que aliadas ao tratamento convencional trouxeram benefícios impares a tríade paciente, família e profissional. Um espaço de pratica das PIC’s possibilita a formação de recursos humanos voltados ao SUS, com uma visão ampliada ao processo saúde-doença e mais competentes e comprometidos com a saúde integral do ser humano.


Palavras-chave


Enfermagem; Métodos; Mortalidade; Psicologia; Tendências

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Sousa FFPRD, Freitas SMFM, Farias AGS, Cunha MCSO, Araújo MFM, Veras VS. Enfrentamento religioso/espiritual em pessoas com câncer em quimioterapia: revisão integrativas da literatura. SMAD. 2017, 13(1): 45-51.

Mattos K, Blomer TH, Campos ACBF, Silverio MRegina.Estratégias de enfrentamento do câncer adotadas por familiares de indivíduos em tratamento oncológico. Rev. Psicol. Saúde [online]. 2016, 8(1): 01-06.

Reginato V, Benedetto MAC, Gallian DMC. Espiritualidade e saúde: uma experiência na graduação em medicina e enfermagem. Trab. Educ. Saúde, 2016, 14(1): 237-55.

BRASIL. Ministério da Saúde. Acesso em 15/01/2019. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/42737-ministerio-da-saude-inclui-10-novas-praticas-integrativas-no-sus.

Caires JS, Andrade A, Amaral JB, Calasans MTA, Rocha MDS. A utilização das terapias complementares nos cuidados paliativos: benefícios e finalidades. Cogitare Enferm. 2014; 19(3): 14-20.

Siegel P, Barros NF. O que é Oncologia Integrativa? Cad. Saúde Coletiva. 2013; 21(3): 348-54.

Siegel P, Barros NF. Por que as pesquisas em Oncologia Integrativa são importantes? Rev. Bras. Cancerologia. 2013; 59(2): 249-53.

Seki NH, Galheigo SM. O uso da música nos cuidados paliativos: humanizando o cuidado e facilitando o adeus. Interface. 2010; 14(33): 273-84.

Silva DIS. Significados e práticas da espiritualidade no contexto dos cuidados paliativos em pacientes oncológicos adultos. Rev HCPA. 2011; 31(3): 353-8.

Evangelista CB, Lopes MEL, Costa SFG, Batista PSS, Batista JBV, Oliveira AMM. Cuidados paliativos e espiritualidade: revisão integrativa da literatura. REBEn. 2016; 69(3): 554-63.

Peres MFP, Arantes ACLQ, Lessa PS, Caous CA. A importância da integração da espiritualidade e da religiosidade no manejo da dor e dos cuidados paliativos. Rev Psiq Clín. 2007; 34(1): 82-7.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC-SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n1p155-162

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n1.2331g494

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS