Vigilância e cuidado em tuberculose: uma experiência de aspectos da doença no território de uma Equipe de Saúde da Família em Ananindeua, Pará

Bruna Rafaela dos Santos Brito, Carla Andréa Avelar Pires

Resumo


Este artigo objetiva relatar a experiência após a realização de um projeto de intervenção de controle da Tuberculose na Estratégia da Saúde da Família (ESF) Curuçambá, município de Ananindeua, Pará. A metodologia se deu a partir da realização de diagnóstico situacional por meio de busca ativa de novos casos de Tuberculose (TB) e Infecção Latente da Tuberculose (ILTB) mediante consultas médicas e/ou visitas domiciliares dos familiares dos casos que foram diagnosticados entre os anos de 2016 a 2018. Também ocorreram encontros e rodas de conversas com o intuito de ampliar conhecimentos sobre a Tuberculose, buscando conhecer suas particularidades nesta comunidade. Verificou-se que 4 famílias possuíam um caso índice, geralmente um idoso que escondia a doença da família, revelando quando já se encontrava em estado grave e aos poucos outros membros apresentavam-se sintomáticos. As famílias moravam em casas tipo barracões, escuras e com pouca ventilação, propiciando a maior disseminação da tuberculose, fato relatado como uma necessidade devido a situação de violência da comunidade. Foram diagnosticados 5 novos casos de TB e 9 casos de ILTB, demonstrando número elevado se considerarmos a população em estudo. Percebemos que nesta comunidade, assim como demonstram os dados nacionais, a tuberculose incide principalmente onde há baixo poder aquisitivo e com graves problemas socioeconômicos. Porém diferentemente do que é visto nacionalmente, nenhum tinha associação da infeção TB/HIV, confirmando o caráter familiar da transmissão da doença. O acolhimento da comunidade com encontros, rodas de conversas e ações que levem diagnóstico e tratamento, resulta na quebra do ciclo e contágio da doença.

.


Palavras-chave


Estratégia Saúde da Família; Tuberculose; Comunidade.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Recomendações para o controle da Tuberculose no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2018. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/12Sm_BZhR4Cuk5X8YPzgzUXTG38B5_LA7/view acesso em: 22 Novembro 2018.

PEREIRA AGL et al. Distribuição espacial e contexto socioeconômico da tuberculose, Rio de Janeiro, Brasil. Rev Saúde Pública 2015;49:48. DOI:10.1590/S0034-8910.2015049005470. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rsp/v49/pt_0034-8910-rsp-S0034-89102015049005470.pdf> acesso em: 18 Dezembro 2018.

BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_recomendacoes_controle_tuberculose_brasil.pdf . Acesso em: 18 Março 2018.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n2.2363g525

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS