Ações de uma associação de usuários, familiares e amigos da saúde mental em uma cidade do estado do Piauí

Jordan Augusto Mota Aragão, Leonardo Miranda Ribeiro, Daniel Galeno Machado, José Jackson Coelho Sampaio, Maria Rocineide Ferreira da Silva

Resumo


O presente trabalho objetiva apresentar as ações realizadas por uma associação de usuários, familiares e amigos da saúde mental de Parnaíba, Piauí. Trata-se de um relato de experiência, onde a observação das assembleias e atividades coordenadas da associação “Fênix” de usuários, familiares e amigos da saúde mental, durante os anos de 2016 e 2017, foram registradas em diário de campo e utilizadas como subsídio de dados para a produção deste estudo. A associação trabalha com natureza filantrópica e sem fins lucrativos na cidade de Parnaíba, realizando suas assembleias em diferentes espaços do tecido social dos serviços especializados de saúde mental. Foram realizadas ações que visaram a transformação do “ser usuário dos serviços de saúde mental” em “ser cidadão”. Estas ações pautaram-se na exposição das capacidades dos usuários da saúde mental a partir do desenvolvimento de espaços culturais, econômicos, sociais e críticos. Conclui-se que as ações evidenciaram as potencialidades dos usuários da saúde mental enquanto atores sociais e não somente como usuários de um serviço de saúde.


Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Amarante P, Nunes M de O. A reforma psiquiátrica no SUS e a luta por uma sociedade sem manicômios. Cien Saude Colet [Internet]. 2018 [citado 24 de fev 2019]; 23(6):2067–74. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v23n6/1413-8123-csc-23-06-2067.pdf

Holanda ÍTA, Coutinho MP de L, Costa EC, Costa JP, Jorge MSB. A reforma psiquiátrica e seus desdobramentos: representações sociais dos profissionais e usuários da atenção psicossocial. Psicol e Saber Soc [Internet]. 2016 [citado 24 de fev 2019]; 5(1):35–45. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/psi-sabersocial/article/view/15855/17903

Amarante P, Torre EHG. “De volta à cidade, sr. cidadão!” - reforma psiquiátrica e participação social: do isolamento institucional ao movimento antimanicomial. Rev Adm Pública [Internet]. 2018 [citado 24 de fev 2019]; 52(6):1090–107. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rap/v52n6/1982-3134-rap-52-06-1090.pdf

Luiz CCA, Leal EM, Galletti MC. Desafios enfrentados por usuários da saúde mental. Rev Ter Ocup da Univ São Paulo [Internet]. 2018 Sep 21 [citado 24 de fev 2019]; 29(1):63–9. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rto/article/view/140212

De Almeida KS, Dimenstein M, Severo AK. Empoderamento e atenção psicossocial: Notas sobre uma associação de saúde mental. Interface Commun Heal Educ [Internet]. 2010 [citado 23 de fev 2019]; 14(34):577–89. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/v14n34/aop1410.pdf

Cunha CN, Goulart MSB. A participação política de pessoas com sofrimento mental: a Associação dos Usuários de Serviços de Saúde Mental de Minas Gerais (Asussam-MG). Psicol em Rev [Internet]. 2016 [citado 25 de fev 2019]; 21(3):513. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/per/v21n3/v21n3a07.pdf

Marietto ML. Observação Participante e Não Participante: Contextualização Teórica e Sugestão de Roteiro para Aplicação dos Métodos. Rev Ibero-Americana Estratégia [Internet]. 2018 [citado 25 de ago 2019]; 17(04):05–18. Disponível em: http://revistaiberoamericana.org/ojs/index.php/ibero/article/view/2717

Vasconcelos EM. Empoderamento de usuários e familiares em saúde mental e em pesquisa avaliativa/interventiva: uma breve comparação entre a tradição anglo-saxônica e a experiência brasileira. Ciência e Saúde Coletiva [Internet]. 2013 [citado 23 de fev 2019]; 18(10):2825–35. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v18n10/v18n10a07.pdf

Sivinski T da C, Paulon SM. Sobre fazer viver a participação dos usuários da saúde mental na produção de saúde TT - About do live the participation of mental health users in health production. Rev Psicol UNESP [Internet]. 2016 [citado 24 de fev 2019]; 15(2):51–63. Disponível em: http://seer.assis.unesp.br/index.php/psicologia/article/view/673/63




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n1p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n1.2424g500

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS