A Fitoterapia no Centro de Saúde da Família: Um olhar sobre Práticas Integrativas no VER-SUS

Joelson dos Santos Almeida, Silmaria Bandeira do Nascimento, Jonas Alves Cardoso, Amanda Maria Braga Vasconcelos, Daniel Galeno Machado, Giovanna de Oliveira Libório Dourado

Resumo


Realizar uma reflexão a partir da vivência dos integrantes no projeto Farmácia Viva sobre as práticas integrativas e complementares com ênfase na fitoterapia. Trata-se de um relato de experiência sobre uma das atividades no projeto “Vivências e Estágios na Realidade do Sistema Único de Saúde”, ocorrido em Sobral-CE realizado em Março e Abril de 2016 nos dispositivos sociais de atenção a saúde. A Farmácia Viva é constituída por equipe multiprofissional que integra o serviço de saúde que cultiva, prepara e orienta o uso de plantas medicinais para à população a fim de favorecer a redução da medicalização e o uso inadequado das ervas medicinais. O Projeto Farmácia Viva busca fortalecer uso da fitoterapia que contribui, através da medicina tradicional, as práticas de saúde visando promover a oferta de cuidados alternativos com fácil acesso e baixo custo. A existência de iniciativas do projeto Farmácia Viva tem sido de grande suporte na atenção básica, a população torna-se próxima, acolhida, ciente da finalidade da erva medicinal, compreendendo sua indicação terapêutica, riscos do uso inadequado e das vantagens de possuir menos efeitos colaterais. Além de perpetuar nas gerações seguintes os benefícios das plantas, não deixando de multiplicar o poder das mesmas nas instituições de saúde.


Palavras-Chave: Plantas Medicinais; Saúde Comunitária; Sistema Único de Saúde.


Palavras-chave


Plantas Medicinais; Saúde Comunitária; Sistema Único de Saúde.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Silva MVS da, Miranda GBN, Andrade MA de. Sentidos atribuídos à integralidade: entre o que é preconizado e vivido na equipe multidisciplinar. Interface (Botucatu) [online]. 2017 [cited 2018 Feb 16]; 21(62). Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832017000300589&lng=en. Epub Feb 13, 2017. http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622016.0420.

Lira Neto JCG, Freitas RWJF de, Brito ECC, Santos LR dos, Alves LEP, Alves LRA. VER-SUS: um relato de experiência sobre uma vivência-estágio na realidade do sistema único de saúde. Rev enferm UFPE [online]. 2013 [cited 2018 Feb 16]; 7(esp). Available from: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/11574/13572.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Política nacional de plantas medicinais e fitoterápicos. Brasília: MS; 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica. Brasília: MS; 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual de estrutura física das unidades básicas de saúde: saúde da família. Brasília: MS; 2006.

Silva SL da, Silva SFR da, Santana GS de M, Nuto S de AS, Machado M de FAZ, Diniz R de CM et al. Estratégia Educacional Baseada em Problemas para Grandes Grupos: Relato de Experiência. Rev. bras. educ. med. [online]. 2015 [cited 2018 Feb 20]; 39(4). Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022015000400607&lng=en&nrm=iso>. ISSN 0100-5502.

Santos BS, Meneses MP. Epistemologia do Sul. São Paulo: Cortez; 2010.

Bastos RAA, Lopes AMC. A Fitoterapia na Rede Básica de Saúde: o Olhar da Enfermagem. R Bras Ci Saúde [online]. 2010 [cited 2018 Feb 20]; 14(2). Available from: http://periodicos.ufpb.br/index.php/rbcs/article/view/3877/5299.

Soares CA. As plantas medicinais como alternativa terapêutica: Guia para tratamentos tópicos. Rio de Janeiro: Vozes; 2007.

Nascimento WMC, Melo OF, Silva IF, Souza FL de. Plantas medicinais e sua utilização pelas comunidades do município de Sobral, Ceará. Rev S A N A R E [online]. 2013 [cited 2018 Feb 20]; 12(1). Available from: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/328/262.

Teixeira AH, Bezerra MM, Chaves HV, Do Val DR, Pereira Filho SM, Rodrigues e Silva AA. Conhecimento popular sobre o uso de plantas medicinais no município de Sobral-Ceará, brasil. Rev S A N A R E [online]. 2014 [cited 2018 Feb 20]; 13(1). Available from: https://sanare.emnuvens.com.br /sanare/article/view/429/284.

Pereira JBA, Rodrigues MM, Morais IR, Vieira CRS, Sampaio JPM, Moura MG et al. O papel terapêutico do Programa Farmácia Viva e das plantas medicinais. Rev. Bras. plantas med. [Internet]. 2015 [cited 2018 Feb 16]; 17(4). Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-05722015000400550&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/1983-084X/14_008

Esmeraldo PC, Santiago LIC, Brito MÁ, Araújo DG de, Pimentel FG, Melo CHD et al. Plantas medicinais no candomblé como elemento de resistência cultural e cuidado à saúde. Rev Cubana Plant Med [Internet]. 2015 [cited 2018 Feb 16]; 20(1). Avaliable from: http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1028-47962015000100003&lng=es.

World Organization Health. Estrategia de la OMS sobre medicina tradicional 2014-2023. Genebra [online]. 2013 [cited 2018 feb 20]. Available from: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/95008/1/9789243506098_spa.pdf?ua=1.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2018v4n1p193-204

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132018v4n1.957g248

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS