A música como estratégia de promoção de saúde mental entre estudantes universitários

Lycélia da Silva Oliveira Silva Silva, Eliany Nazaré Oliveira Nazaré Nazaré, Marcos Pires Campos Pires Pires, Natasha Vasconcelos Sobrinho Vasconcelos Vasconcelos, Heliandra Linhares Aragão, Sabrina Silva França

Resumo


Objetivo: O trabalho objetiva relatar uma atividade coletiva, com ênfase na saúde mental, realizada com estudantes universitários. Métodos: A pesquisa trata-se de um estudo descritivo do tipo relato de experiência, de caráter qualitativo, realizado na Universidade Estadual Vale do Acaraú. A atividade foi realizada durante julho a agosto de 2018 e aplicada nos diferentes campis de ensino da instituição. Resultados: A atividade consistiu inicialmente na escuta de diferentes estilos musicais, possibilitando estarem atentas as mensagens transmitidas nas letras, e estimulando que fizessem associação com a realidade vivenciada na universidade. Na atividade também foram trabalhadas a memória musical afetiva dos estudantes, a reflexão corporal e o relaxamento provocado pela sonoridade musical.  Posteriormente foi realizada uma roda de conversa com os estudantes, que ao final da atividade relatavam terem vivenciado algo inovador na universidade e que as músicas estimularam o relaxamento, saindo do encontro mais leves e menos estressados. As letras proporcionaram reflexões significativas sobre a vivência acadêmica e sobre as diferentes realidades apresentadas pelos estudantes, pois transmitiam uma mensagem positiva sobre as pessoas, as oportunidades, e sobre a importância de viver cada dia de forma intensa, valorizando os momentos. Considerações Finais: Dessa forma, destaca-se a importância de valorizar a utilização dos elementos musicais como recursos para a realização de estratégias de cuidado.


Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


CAIRES, J. S. et al. A utilização das terapias complementares nos cuidados paliativos: benefícios e finalidades. Cogitare Enferm, v. 19, n.3, p. 514-20, 2014. Disponível em: Acesso em: 27 Abr. 2019.

ARNDT, A. D; CUNHA, R; VOLPI, S. Aspectos da prática musicoterapêutica: contexto social e comunitário em perspectiva. Psicologia & Sociedade, v. 28, n. 2, p.387-395, 2016. Disponível em: . Acesso em: 30 Ago. 2018.

SANTANA, D. S.T; ZANINI; C. R.O; SOUZA, A. L. L. Efeitos da música e da musicoterapia na pressão arterial: uma revisão de literatura. Rev Núcleo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares em Musicoterapia. v. 5, p. 37-57, 2014. Disponível em:. Acesso em: 27 Ago. 2018.

MARQUES, R. M. G. Desenvolvimento de uma aplicação musical para musicoterapia em casos de paralisia cerebral [dissertação]. Porto Rosário Rebelo: U Porto; 2014.

SOARES, A. B et al. O impacto das expectativas na adaptação acadêmica dos estudantes no Ensino Superior. Psico-USF, v. 19, n. 1, p. 49-60, 2014. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141382712014000100006>. Acesso em: 24 Abr. 2019.

BOLSONI-SILVA, A. T; LOUREIRO, S. R. O Impacto das Habilidades Sociais para a Depressão em Estudantes Universitários. Psicol. teor. Pesqui, v. 32, n. 4, p. 1-8, 2016. Disponível em: Acesso em: 24 Abr. 2019.

ARTIGAS, J. S; MOREIRA, N. B; CAMPOS, W. Percepção da qualidade de vida em universitários: comparação entre períodos de graduação. Arq. Cienc. Saúde UNIPAR. v. 21, n.2, p. 85-91, 2016. Disponível em:< http://www.revistas.unipar.br/index.php/saude/article/view/5525>. Acesso em: 27 Abr. 2019.

LAMEU, J. N; SALAZAR, T. L; SOUZA, W. F. Prevalência de sintomas de stress entre graduandos de uma universidade pública. Psicol. educ, v. 42, p. 13-22, 2016. Disponível em: Acesso em: 20 Mar.2019.

SANCHES, R. R. As políticas de assistência estudantil no Brasil. Revista História, Movimento e Reflexão, v.2, n.1, p. 1-20, 2014. Disponível em:. Acesso em: 23 Mar. 2019.

XIMENES NETO, F. R.G et al. Análise da qualidade de vida de estudantes de enfermagem em uma universidade do nordeste brasileiro. Revista Internacional de Pesquisa para o Desenvolvimento. v. 8, n.3, p. 19563-19565, 2018. Disponível em:. Acesso em: 27 Abr. 2019

BEITER, R et al. A prevalência e os correlatos de depressão, ansiedade e estresse em uma amostra de estudantes universitários. Jornal de Transtornos Afetivos, v.173, n.1, p. 90–96, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.jad.2014.10.054. Acesso em: 24 Abr. 2019.

CASTRO, J. B. P; VALE, R.G.S; AGUIAR, R.S et al. Perfil do estilo de vida de universitários de Educação Física da cidade do Rio de Janeiro. R. bras. Ci. e Mov, v. 25, n.2, p.73-83, 2017 Disponível em:. Acesso em: 27 Abr. 2019.

TASSINI, C. C et al. Avaliação do Estilo de Vida em Discentes Universitários da Área da Saúde através do Questionário Fantástico. Int J Cardiovasc Sci, v.30, n.2, p.117-122, 2017. Disponível em: . Acesso em: 27 Abr. 2019.

FONSECA, A. L. P et al. Estudo comparativo sobre qualidade do sono entre universitários de uma instituição de ensino do sul catarinense Arq. Catarin Med, v.44, n.4, p. 21-33, 2015 Disponível em:. Acesso em: 2 Abr. 2019.

ZANETTINI, A. Quem canta seus males espanta: um relato de experiência sobre o uso da música como ferramenta de atuação na promoção da saúde da criança. Rev Min Enferm, v. 19, n. 4, p. 1060-1064, 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 fev. 2019.

ROHR, R. V; ALVIM, N. A. T. Intervenções de enfermagem com música: revisão integrativa da literatura. J. res.: fundam. Care, v.8, n.1, 2016. Disponível em:. Acesso em: 27 Mar 2019.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2019v5n3p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132019v5n3.2443g438

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS