Mortalidade neonatal: causas e fatores associados

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n3p113-127

Palavras-chave:

Mortalidade neonatal, Fatores de risco, Sistemas de Informação, Causa Básica de Morte.

Resumo

Objetivo: analisar a mortalidade neonatal no município de Picos- PI de acordo com as informações contidas na Declaração de Óbito e Declaração de Nascido Vivo. Métodos: realizou-se pesquisa documental, retrospectiva e quantitativa. Utilizou-se a técnica de linkage, possibilitando o cruzamento entre os bancos de dados do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos e do Sistema de Informação sobre Mortalizade. A população foi composta por todos os óbitos neonatais totalizando 72 óbitos ocorridos no período de 2011 a 2015. Resultados: houve predomínio de óbitos neonatais precoces e tardios em recém-nascidos cujas mães tiveram gestação única (83,9%; 88,9%, respectivamente) e do sexo masculino (54,0%; 77,8%, respectivamente). O óbito neonatal esteve associado ao tipo de parto (redução de 60% nos partos cesarianos) e ao estabelecimento de saúde. As causas básicas mais frequentes do óbito neonatal precoce e tardio foram as afecções originadas no período perinatal e as septicemias bacterianas não especifica do recém-nascido, respectivamente. Conclusões: espera-se que esses resultados possam subsidiar mudanças nas práticas assistenciais, planejamento e organização da rede de atenção materno-infantil no município.

Biografia do Autor

Edina Araújo Rodrigues de Oliveira, Universidade Federal do Piauí

Enfermeira. Mestre em Enfermagem. Universidade Federal do Piauí.  ORCID iD: http://orcid.org/0000-0002-6352-4202. E-mail: edinarasam@yahoo.com.br

Camila Sabrina de Oliveira Lima, Secretaria Estadual de Saúde do Piauí

Enfermeira. Secretaria Estadual de Saúde do Piauí. ORCID iD: http://orcid.org/0000-0002-4114-273X. E-mail: camilasabrina.o.l@hotmail.com

Ingred Pereira Cirino, Secretaria de Educação do Estado do Piauí

Enfermeira. Meste em Ciências e Saúde. Secetaria de Educação do Estado do Piauí. iD: http://orcid.org/0000-0003-3970-2248. Email: ingredleo@yahoo.com.br

Paula Valentina de Sousa Vera, Universidade Estadual do Piauí

Enfermeira. Especialista em Enfermagem Obstétrica. Universidade Estadual do Piauí. ORCID iD: http://orcid.org/0000-0001-8919-5323. E-mail: paulinhavalentina@hotmail.com

Luisa Helena de Oliveira Lima, Universidade Federal do Piauí

Luisa Helena de Oliveira Lima. Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Universidade Federal do Piauí. ORCID iD: http://orcid.org/0000-0002-1890-859X. E-mail: luisa17lima@gmail.com

Wolney Lisboa Conde, Universidade de São Paulo

Wolney Lisboa Conde. Nutricionista. Doutor em Saúde Pública. Universidade de São Paulo. ORCID iD: http://orcid.org/0000-0003-0493-134X. E-mail: wolneyconde@gmail.com

Referências

Rouquayrol MZ, Silva MGC. Epidemiologia e Saúde. 7ª ed. Rio de Janeiro: MedBook; 2013.

Ministério da Saúde (BR). Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. Brasília: Ministério da saúde; 2011.

Barreto JO, Nery IS, Mendes YMB. Mortalidade perinatal: Uma análise com enfoque na evitabitabilidade. Cogitare Enferm. 2011; 16 (1): 88-95.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas; 2010.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [homepage na internet]. Censo Demográfico 2010 [Acesso em: 18 jan 2017]. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=220800.

Soares ES, Menezes GMS. Fatores associados à mortalidade neonatal precoce: Perfil epidemiológico. Rev. enferm. UERJ. 2010; 19 (1): 114-120.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução nº. 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e normas de pesquisas envolvendo seres humanos. [Internet]. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 2013 jun. 14 [acesso em 2018 fev. 22]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf.

Ministério da Saúde [homepage internet]. DATASUS. [Acesso em: 16 jun 2017]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=040203.

LanskY S, Friche AAL, Silva AAM, Campos D, Bittencourt DAS, Carvalho ML, et al. Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cad. Saúde Pública. 2014; 30: 192- 207.

Rocha R, Oliveira C, Silva DKF, Bonfim C. Mortalidade neonatal e evitabilidade: uma análise do perfil epidemiológico. Rev. Enferm. UER. 2011; 19(1): 114-20.

Sanders LSC, Pinto FJM, Madeiros CRB, Sampaio RMM, Viana RAA, Lima KJ. Mortalidade infantil: análise de fatores associados em uma capital do Nordeste brasileiro. Cad. Saúde Colet. 2017; 25 (1): 83-9.

Ferrari RAP, Bertolozzi MR, Dalmas JC, Girotto. Fatores determinantes da mortalidade neonatal em um município da Região Sul do Brasil. Rev Esc Enferm USP. 2013; 47 (11): 531-38.

Junior J D P, Lucas ES, Cunha LMC, Machado MGM, Pedrosa RL. Perfil da mortalidade neonatal no município de Ubá/MG, Brasil (2008-2010). Rev. Bras. Pesq. Saúde. 2016; 18(3): 24-31.

Teixeira AG, Costa FML, Mata MS, Carvalho JBL, Souza NL, Silva RAR. Fatores de risco para a mortalidade neonatal na primeira semana de vida. J. res.: fundam. care. Online. 2016; 8(1): 4036-46.

Ministério da Saúde (BR). Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Brasil. Portaria nº 306, de 28 de Março de 2016. Aprova as diretrizes de atenção a gestante: a operação cesariana [Internet]. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 2016 mar. 29 [acesso em 2018 mar 17]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2016/prt0306_28_03_2016.html.

Cardoso PL.A, Alberti LR, Petroianu A. Morbidade neonatal e maternas relacionada ao tipo de parto. Ciência & Saúde Coletiva. 2010; 15(2): 427-35.

Gaiva EF, Fujimori E, Sato APS. Mortalidade neonatal em crianças com baixo peso ao nascer. Rev Esc Enferm USP. 2014; 48(5): 778-86.

Demitto MO, Gravena AAF, Dell’Agnolo CM, Antunes MB, Pelloso SM. Gestação de alto risco e fatores associados ao óbito neonatal. Rev Esc Enferm USP. 2017; 5(1).

Lourenço EC, Brunken GS, Luppi CG. Mortalidade infantil neonatal: estudo das causas evitáveis em Cuiabá, Mato Grosso, 2007. Epidemiol. Serv. Saúde. 2013; 22(4): 697-706.

Rolim KMC, Costa RD, The RF, Abreu RH. Agravos à saúde do recém-nascido relacionados à doençahipertensiva da gravidez: conhecimento da enfermeira. Rev Enferm Atenção Saúde [Online]. 2014; 3(2): 19- 28.

Moura MDR, Castro MP, Margotto PR, Rugolo SS. Hipertensão Arterial na Gestação - importância do seguimento materno no desfecho neonatal. Com. Ciências Saúde. 2011 22(1).

Vettore VM, Dias M, Domingues RMSM, Vettore MV, Leal MC. Cuidados pré-natais e avaliação do manejo da hipertensão arterial em gestantes do SUS no Município do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2011; 27(5): 1021- 34.

Pires AS, Almeida NMS. Mortalidade por septicemia bacteriana. Revista Enfermagem Contemporânea. 2016; 59(1): 78-86.

Silveira RC, Procianoy RS. Uma revisão atual sobre sepse neonatal. Boletim Científico de Pediatria. 2012; 1(1).

Cunha AR, Schio FB, Peserico A, Correa AG, Freitas HMB, Colomé JS, et al. Principais causas da mortalidade infantil na região oeste de Santa Maria – RS. Ciências da Saúde. 2014; 15: 261-268.

Downloads

Publicado

2021-04-30

Como Citar

Oliveira, E. A. R. de, Lima, C. S. de O., Cirino, I. P., Vera, P. V. de S., Lima, L. H. de O., & Conde, W. L. (2021). Mortalidade neonatal: causas e fatores associados. aúde m edes, 6(3), 113–127. https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n3p113-127

Edição

Seção

Artigos Originais