PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR (PTS) E INTERPROFISSIONALIDADE: UM RELATO DE ESTUDANTES DO PET SAÚDE. Singular therapeutic project and interprofessionality (PTS) - a report by students from PET health

Gizelle Noronha Almeida, Cibelly Aliny Lima Freitas, Aristides Parente Ponte Filho, Polyanne Rodrigues Vasconcelos, Wallace Aguiar Ferreira, Ricardo Lima dos Santos, Maria Socorro Dias de Araújo

Resumo


Em um ambiente que trabalhe vários profissionais, com formações diferentes e com visões terapêuticas diferentes, naturalmente irá aparecer dificuldades em promover um projeto terapêutico comum ao paciente, que considere o indivíduo na sua integralidade. Nessa perspectiva, o PTS - que é uma agregação de propostas de atuações terapêuticas articuladas para um indivíduo, família ou grupo – é uma ferramenta que auxilia na busca de uma singularidade de ações a partir do diagnóstico firmado. A sistematização da experiência se deu em maio e junho de 2019. O objetivo foi relatar a utilização do PTS como instrumento de trabalho interprofissional. Trata-se de um ensaio descritivo do tipo relato de experiência sistematizado por integrantes do PET-Saúde Interprofissionalidade de Sobral, Ceará. O cenário do estudo foi o CAPS Damião Ximenes Lopes, Sobral-Ce. A construção do PTS no CAPS se dá por meio de uma reunião, denominada “roda de discussão”, onde os diferentes atores do processo elaboram juntos estratégias de promoção à saúde. Logo, é o momento que o prontuário de algum usuário do serviço é escolhido para ser debatido entre os profissionais segundo suas especialidades, porém, as abordagens de intervenção são pensadas em equipe. Desse modo, o PTS se configura como um aliado na resolução de questões que acompanham os sujeitos assistidos no contexto da saúde mental, uma vez que o caráter dinâmico e complexo presente nos equipamentos que atuam com a interprofissionalidade exigem profissionais capazes de assegurar uma melhor atenção à saúde, dispondo de respostas necessárias para as múltiplas demandas trazidas pelos pacientes.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPE. Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental : 15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília, novembro de 2005.

BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria nº 336, de 19 de fevereiro de 2002. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt0336_19_02_2002.html

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. (Série A. Normas e Manuais Técnicos. Caderno de Atenção Básica, 27).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Coordenação Geral de SM. Saúde no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília, 2004

BOCCARDO ACS, ZANE FC, RODRIGUES S, MÂNGIA EF. O projeto terapêutico singular como estratégia de organização do cuidado nos serviços de saúde mental.

MERHY, E. E. Apostando em Projetos Terapêuticos Cuidadores: desafios para a mudança da escola médico ou utilizando-se da produção dos projetos terapêuticos em saúde como dispositivo de transformação das práticas de ensino-aprendizagem que definem os perfis profissionais dos médicos. Campinas, 1999.

Wetzel C, Kohlrausch ER, Pavani FM, Batistella FS, Pinho LB. Analysis of interprofessional in-service education in a Psychosocial Care Center. Interface (Botucatu). 2018; 22(Supl. 2):1729-38

BRASIL. Ministério da Saúde. Equipe ampliada, equipe de referência e projeto terapêutico singular. 2a. ed. Série textos básicos de saúde. Brasília, DF, 2007ª.

Rocha EN, Lucena AF. Projeto Terapêutico Singular e Processo de Enfermagem em uma perspectiva de cuidado interdisciplinar. Rev Gaúcha Enferm. 2018; 39: e 2017- 0057.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Marco para Ação em Educação Interprofissional e Prática Colaborativa. Genebra: OMS; 2010

COSTA, Marcelo Viana da. A educação interprofissional no contexto brasileiro: algumas reflexões. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, [s.l.], v. 20, n. 56, p.197-198, mar. 2016.

Bustamante V, Onocko-Campos R, Silva AA, Treichel CAS. Indicadores para avaliação de Centros de Atenção Psicossocial Infantojuvenil (Capsi): resultados de uma pesquisa-intervenção. Interface (Botucatu). 2020; 24: e190276

BARR, Hugh; LOW, Helena. Introdução à Educação Interprofissional. Reino Unido: Caipe, 2013. 36 p. Tradução de: José Rodrigues Freire Filho.

SILVA, Danila Araújo e; ABREU, Luísa Caroline Costa; SILVA, Cauê Sousa Cruz e. Resolutividade do atendimento interprofissional no tratamento oportuno de complicações da diabetes –um relato de caso. Brazilian Journal Of Development, Curitiba, v. 6, n. 1, p.4561-4565, jan. 2020.

Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. 2ª ed. São Paulo: Hucitec; 2005.

AGRELI, Heloise Fernandes; PEDUZZI, Marina; SILVA, Mariana Charantola. Atenção centrada no paciente na prática interprofissional colaborativa. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, [s.l.], v. 20, n. 59, p.905-916, 13 maio 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Clínica ampliada e compartilhada / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. - Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 6

CARVALHO, L. G. P.; MOREIRA, M. D. S.; RÉZIO, L. A.; TEIXEIRA, N. Z. F.; A construção de um Projeto Terapêutico Singular com usuário e família: potencialidades e limitações. Rev. O mundo saúde, São Paulo; jul./jul. 2012




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n2.3035g708

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS