Currículo de medicina na Universidade Federal da Paraíba: reflexões sobre uma experiência modular integrada com ênfase na Atenção Básica

Luciano Bezerra Gomes, Juliana Sampaio, Tiago Salessi Lins

Resumo


Diante da necessidade de revisão da formação dos médicos, a Universidade Federal da Paraíba realizou sua reforma curricular, implantada a partir de 2007. Destacam-se duas grandes influências neste processo: a experiência de diversas escolas médicas e a forte tradição dos projetos de extensão universitária desenvolvidos em nossa instituição. O desenho final do Projeto Pedagógico do Curso ficou constituído por uma estrutura curricular modular integrada, seguida de dois anos de internato. Os maiores avanços se devem: à inserção dos estudantes na rede básica desde o início do curso; à diversificação dos campos de aprendizagem com o grande aumento das atividades na Atenção Básica; à manutenção dos estudantes nas mesmas unidades por mais períodos por mais tempo; e à contratação de novos professores com experiências práticas nos serviços e forte implicação com processos de transformação do ensino em saúde e com o SUS. Como desafios, destacam-se: o envolvimento de poucos docentes nas atividades da Atenção Básica; manutenção do formato tradicional de ensino nos módulos centrados em conhecimentos das subespecialidades médicas; e necessidade de maior integração ensino-serviço através da gestão local e no cotidiano das equipes de Saúde da Família.

Palavras-chave


Educação Médica; Atenção Básica à Saúde; Currículo

Texto completo:

PDF

Referências


Feuerwerker LCM. Além do discurso de mudança na educação médica: processos e resultados. São Paulo: Hucitec; 2002.

UFPB. Coordenação do Curso de Graduação em Medicina. Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Medicina. João Pessoa: UFPB/CCS/COPPEM; 2007.

Vasconcelos EM, Cruz PJSC, organizadores. Educação popular na formação universitária: reflexões com base em uma experiência. São Paulo: Hucitec; João Pessoa: Editora Universitária da UFPB; 2011.

Merhy EE. O conhecer militante do sujeito implicado: o desafio de reconhecê-lo como saber válido. In: Franco BT, Peres MAA, Foschiera MMP, Panizzi M, organizadores. Acolher Chapecó: uma experiência de mudança do modelo assistencial, com base no processo de trabalho. São Paulo: Hucitec; Chapecó, Prefeitura Municipal; 2004. p. 21-45.

Simon E. Saúde e educação: o projeto político pedagógico do Curso de Medicina da Universidade Federal da Paraíba. [Dissertação] João Pessoa: Centro de Educação da Universidade Federal da Paraíba; 2012.

Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec; 2002.

Sassi AP. Formação identitária dos estudantes de medicina: novo currículo, novas identidades? [Dissertação] João Pessoa: Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal da Paraíba; 2012.

Capozzolo AA, Casetto SJ, Henz AO, organizadores. Clínica Comum: itinerários de uma formação em saúde. São Paulo: Hucitec; 2013.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2015v1n1p39-46

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132015v1n1.305g20

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS