Vigilância da violência no Rio Grande do Sul: panorama da qualidade e da quantidade das informações no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) de 2014 a 2018

Maurício Polidoro, Bruna Vargas Cunda, Daniel Canavese de Oliveira

Resumo


Objetivo: analisar o padrão e a qualidade da informação relacionada à violência no estado do Rio Grande do Sul segundo a raça/cor, a identidade de gênero, a orientação sexual, a população em situação de rua e a população indígena. Método: estudo  ecológico e descritivo dos casos notificados no SINAN entre 2014 e 2018 no estado do Rio Grande do Sul, que totalizou no período um registro de 104.797 casos de violência. Resultado: A completude dos dados tem sido gradativamente melhorada ao longo do quinquênio dentro das classes de excelente e bom. Os campos de orientação sexual e identidade de gênero, inseridos em 2014 na ficha de notificação de violência interpessoal e autoprovocada demandam aumento de qualificação. Conclusão: Percebe-se, mediante a análise das notificações no SINAN, que ainda há muito a se avançar para o aprimoramento da vigilância das violências, em especial na qualificação dos campos de orientação sexual, identidade de gênero e motivação da violência. Sugere-se a necessidade de expansão da notificação das violências em municípios silenciosos e na rede intersetorial e a ampliação da qualificação de profissionais de saúde na compreensão da violência como um problema de saúde e a importância de qualificar a ficha de notificação. É mister a melhoria da ficha e do instrutivo de violência interpessoal e autoprovocada no SINAN e a sua adoção como estratégia para o fortalecimento do papel central do SUS no enfrentamento intersetorial e interseccional da violência.


Palavras-chave


Vigilância em Saúde, Sistemas de Informação em Saúde, Notificação, Violência, Populações Vulneráveis

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


KRUG EG, DAHLBERG LL, Mercy JA, Zwi AB, Lozano R. World report on violence and health. Geneva: World Health Organization; 2002.

PALHARES, MFS, SCHWARTZ, GM. Não é só a torcida organizada: o que os torcedores organizados têm a dizer sobre a violência no futebol? São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica; 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Viva: Instrutivo Ficha de Notificação de Violência Interpessoal e Autoprovocada. Brasília: 2015.

BRASIL. Decreto-Lei 2.848, de 07 de dezembro de 1940. Código Penal. Brasília: 1940.

DINIZ, D. Estado laico, objeção de consciência e políticas de saúde. Cadernos de Saúde Pública. 2013; 29(9): 1704-1706.

LIMA, JS; DESLANDES, SF. Olhar da gestão sobre a implantação da ficha de notificação da violência doméstica, sexual e/outras violências em uma metrópole do Brasil. Saúde e Sociedade. 2015; 24; 661-673.

BARBOSA, JR, BARRADO JCS, ZARA ALSA, SIQUEIRA JB. Avaliação da qualidade dos dados, valor preditivo positivo, oportunidade e representatividade do sistema de vigilância epidemiológica da dengue no Brasil, 2005 a 2009. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2015; 24; 49-58.

World Health Organization. Communicable disease surveillance and response systems: guide to monitoring and evaluating. Geneva: World Health Organization; 2006.

CANAVESE, D; POLIDORO, M. Situação da violência contra as populações negra, LGBT, indígena e em situação de rua no Sistema Único de Saúde do Rio Grande do Sul, Brasil panorama situacional do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) de 2014 a 2017 [Internet]. Porto Alegre: UFRGS; 2018; 63p. Disponível em

SANTOS ABS, COELHO TCB, ARAÚJO EM. Identificação racial e a produção da informação em saúde. Interface (Botucatu). 2013, 17(45): 341-356.

KABAD, JF, BASTOS JL, SANTOS RV. Raça, cor e etnia em estudos epidemiológicos sobre populações brasileiras: revisão sistemática na base PubMed. Physis: Revista de Saúde Coletiva. 2012; 22(3): 895-918.

CARRARA, S. Discrimination, policies, and sexual rights in Brazil. Cad. Saúde Pública. 2012; , jan. 2012; 28(1); 184-189.

RIOS, RR. Direitos sexuais: orientação sexual e identidade de gênero no direito brasileiro. In: BORRILLO D. Direitos sexuais e direitos de família em perspectiva queer. Porto Alegre: Editora da UFCSPA; 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Brasília: 2013.

BRASIL, Decreto nº 7.053. Institui a Política Nacional para a População em Situação de Rua e seu Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento, e dá outras providências. Brasília: 2009.

BRASIL. Portaria n° 177. Define procedimentos para a gestão do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, revoga a Portaria nº 376, de 16 de outubro de 2008, e dá outras providências. Brasília: 2011.

ZHOU T, HUANG, S, CHENG J, XIAO Y. The Distance Teaching Practice of Combined Mode of Massive Open Online Course Micro-Video for Interns in Emergency Department During the COVID-19 Epidemic Period. Telemedicine and e-Health. 2020; 26:5584-588.

CANAVESE D, MOTTA I, MARINHO A, RODRIGUES J, BENICIO LA, SIGNORELLI MC, MORETTI-PIRES O, SANTOS MB, POLIDORO M. Health and Sexual Rights: Design, Development, and Assessment of the Massive Open Online Course on Lesbian, Gay, Bisexual, Transgender, and Intersex Health Promotion in Brazil. Telemedicine and e-Health. 2020; 1:1-7.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n2.3118g534

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS