O sofrimento mental e o cuidado em saúde na Atenção Básica

Graciela Fonseca, Maricler Lourdes Bento Dellalibera, Jane Kelly Oliveira Friestino

Resumo


O trabalho objetiva analisar o cuidado destinado às pessoas que sofrem e procuram a Atenção Básica em um município do Oeste Catarinense. Trata-se de estudo exploratório descritivo, qualitativo, cujos dados foram coletados por meio de grupos focais realizados com a participação de 38 profissionais vinculados à Atenção Básica. Os dados foram analisados segundo a análise de conteúdo temática de Bardin. O Projeto foi apreciado e aprovado por um Comitê de Ética em Pesquisa. A partir dos discursos dos participantes do estudo, emergiram as seguintes categorias de análise: acolhimento e medicalização da pessoa que sofre. Os profissionais compreendem o sofrimento mental como resultado de rupturas nas diversas esferas da vida e frisam a importância de um olhar atento e sensível para identificar e abordar as pessoas que sofrem. Entretanto, práticas medicalizantes e desvinculadas do contexto social das pessoas que sofrem ainda são comuns, reproduzindo o modelo biomédico e hospitalizante, com outra roupagem. Torna-se necessário ampliar o debate e o desenvolvimento de estudos sobre essa temática no sentido de qualificar o trabalho em saúde e aumentar a resolubilidade no contexto do sofrimento psíquico. 


Palavras-chave


Acolhimento, Medicalização, Atenção Primária à Saúde, Estresse Psicológico, Saúde Mental.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Santin G, Klafke TE. A família e o cuidado em saúde mental. Barbaroi, 2017, (34): 146-160.

Lima FG, Siciliani CC, Drehmer LBR. O Perfil Atual da Saúde Mental na Atenção Primária Brasileira. Com. Ciências Saúde. Porto Alegre, 2012, 24(2): 143-48.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial [da] União. Brasília, DF, 2011.

Brasil. Ministério da Saúde, Cadernos de Atenção Básica: Saúde Mental, Brasília - DF, 2013.

Jorge MSB, Pinto DM, Quinderé PHD, Pinto AGAl, Sousa FSP, Cavalcante CM. Promoção da Saúde Mental - Tecnologias do Cuidado: vínculo, acolhimento, co-responsabilização e autonomia. Ciênc. saúde coletiva. 2011 Julho; 16(7): 3051-3060.

Faria MC, Vargas CRM. Acolhimento: concepções e práticas dos profissionais que compõem as equipes interdisciplinares do Hospital Universitário de Brasília. Tempus, actas de saúde colet, Brasília, 11(3): 1363-78, 2017.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades@ Chapecó. 2010. Disponível: http://cidades.ibge.gov.br/painel/painel.php?codmun=420420%3E. Acesso em: 16 maio 2016.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Edições 70; 2011. 276 p.

Tesser CD, Poli Neto P, Campos GWS. Acolhimento e (des)medicalização social: um desafio para as equipes de saúde da família. Ciênc. saúde coletiva. 2010; 15(Suppl 3): 3615-3624.

Nunes M, Jucá VJ, Valentim CP. Ações de saúde mental no Programa Saúde da Família: confluências e dissonâncias das práticas com os princípios das reformas psiquiátrica e sanitária. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2007, 23(10): 2375-2384.

Jucá VJS, Nunes MO, Barreto O. Programa de Saúde da Família e saúde mental: impasses e desafios na construção da rede. Revista Ciência & saúde coletiva, Rio de Janeiro, 2009, 14(1): 173-182.

Cardoso L, et al; Curso de Especialização em Linhas de Cuidado em Enfermagem: atenção psicossocial, Florianópolis-SC: Universidade Federal de Santa Catarina/Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, 2013.

Mororó MEML. Cartografias, desafios e potencialidades na construção de projeto terapêutico em Centro de Atenção Psicossocial. 2010. 110p. Dissertação (Mestrado) – Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

Gryschek G, Pinto AAM. Saúde Mental: como as equipes de Saúde da Família podem integrar esse cuidado na Atenção Básica?. Ciência & Saúde Coletiva, 2015, 20(10), 3255-3262.

Tonin CF, Barbosa TM. A interface entre saúde mental e vulnerabilidade social. Tempus, actas de saúde colet, Brasília, 2017, 11(3): 50-68.

Passos E, Carvalho SV, Maggi PMA. Experiência de autonomia compartilhada na Saúde Mental: O “Manejo Cogestivo” na Gestão Autônoma da Medicação. Pesquisas e Práticas Psicossociais, São João del-Rei, 2012, 7(2):269-278.

Brasil. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). 2007.

Onocko-Campos RT, Furtado JP. Entre a saúde coletiva e a saúde mental: um instrumental metodológico para avaliação da rede de Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) do Sistema Único de Saúde. Cadernos de Saúde Pública, 2006, 22(5), 1053-1062.

Campos GWS, Domitti AC. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cadernos de Saúde Pública 2007; 23(2):399-407.

Azevedo DM, Guimarães FJ, Dantas JF, Rocha TM. Atenção Básica e Saúde Mental: um diálogo e articulação necessários, Rev. APS. 2014, 17(4): 537-43.

Cintra MS, Bernardo MH. Atuação do Psicólogo na Atenção Básica do SUS e a Psicologia Social. Psicologia: Ciência e Profissão Out/Dez. 2017, 37(4): 883-896.

Dimenstein M, Severo AK, Brito M, Pimenta AL, Medeiros V, Bezerra E. O apoio matricial em Unidades de Saúde da Família: experimentando inovações em saúde mental. Saúde e Sociedade, 2009, 18(1), 63-74.

Amarante, P. Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007.

Ferrazza DA, Luzio CA, Rocha LC, Sanches RR. A banalização da prescrição de psicofármacos em um ambulatório de saúde mental. set-dez. 2010, 20 (47): 381-390.

Quinderé PHD, Jorge MSB, Franco TB. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 2014, 24 (1): 253-271.

Lima EMFA, Yasui S. Territórios e sentidos: espaço, cultura, subjetividade e cuidado na atenção psicossocial. Saúde em Debate, 2014, 38(102), 593-606.

Ferreira TPS, Sampaio, JS, Adelle CN, Oliveira DL, Gomes LB. Produção do cuidado em Saúde Mental: desafios para além dos muros institucionais. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 2017, 21(61), 373-384.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n3.3208g781

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS