A Interprofissionalidade nos Cursos de Enfermagem de Instituições de Ensino Superior Públicas da Região Sul do Brasil

Bernarda Cesira Cassaro, Franklin de Almeida Cipolato, Larissa Jaine Pinheiro, Larissa Hermes Thomas Tombini, Graciela Fonsêca

Resumo


Objetivo: Identificar componentes curriculares ou disciplinas interprofissionais nos Projetos Pedagógicos Curriculares dos cursos de graduação em enfermagem das Instituições de Ensino Superior públicas localizadas na região Sul do Brasil. Método: Trata-se de um estudo qualitativo, de caráter exploratório, norteado por análise documental, cujo corpus foram os PPC dos cursos de graduação em Enfermagem. Resultados: Foram identificados 18 cursos de graduação em enfermagem e somente um deles apresentava um componente curricular eletivo que inclui diretamente interprofissionalidade em sua ementa, outros dois cursos abordam a temática em alguns componentes curriculares. Na análise da disciplina ímpar que dá ênfase a interprofissionalidade, frisa-se a eletividade e o fato de não exigir pré-requisitos. Conclusão: A Educação Interprofissional pode ser considerada uma ferramenta essencial para formar e preparar profissionais de saúde aptos a enfrentar as dificuldades e fragilidades dos serviços, de modo a intervir com maior grau de resolubilidade nos problemas de saúde da população.


Palavras-chave


Saúde; Educação Interprofissional; Enfermagem

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Costa MV, Filho JRF, Brandão C, Silva JAM. A Educação e o trabalho interprofissional alinhados ao compromisso histórico de fortalecimento e consolidação do Sistema Único de Saúde (SUS). Interface, comunicação, saúde e educação, v 22, Botucatu - 2018. DOI: 10.1590/1807-57622018.0636.

Public law: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Pub. No 9.394 (dez 20, 1996).

Public Law: Resolução CNE/CES 3/2001. Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Superior. Diário Oficial da União, Brasília, Seção 1, p. 37 (nov 9, 2001).

Nishio EA, Baptista MACS. Educação Permanente em Enfermagem. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

Paro CA, Pinheiro R. Interprofessionality in undergraduate Collective Health courses: a study on different learning scenarios. Interface (Botucatu). 2018; 22 (Supl. 2):1577-88.

Batista NA, et al. Educação interprofissional na formação em Saúde: a experiência da Universidade Federal de São Paulo, campus Baixada Santista, Santos, Brasil. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2018; 22:1705-1715.

Toassi RFC, organizadora. Interprofissionalidade e formação na saúde: onde estamos? [recurso eletrônico] – 1.ed. – Porto Alegre: Rede UNIDA, 2017.p. – Série Vivência em Educação na Saúde.

Lima VV, Ribeiro ECO, Padilha RQ, Mourthé Júnior CA. Challenges in the education of health professionals: an interdisciplinary and interprofessional approach. Interface (Botucatu). 2018; 22(Supl. 2):1549-62.

Organização Mundial Da Saúde. Marco para Ação em Educação Interprofissional e Prática Colaborativa. Genebra: 2010.

Ceccim RB. Conexões e fronteiras da interprofissionalidade: forma e formação (Botucatu). 2018; 22(Supl. 2):1739-49.

Silva LAA, Soder RM, Petry L, Oliveira IC. Educação permanente em saúde na atenção básica: percepção dos gestores municipais de saúde. Rev Gaúcha Enferm. març 2017.

Batista NA. Educação interprofissional em saúde: concepções e práticas. Cad Fnepas. 2012; 2:25-8.

Costa MV, Vilar MJ, Azevedo GD, Reeves S. Interprofessional education as an approach for reforming health professions education in Brazil: emerging findings. J Interprof Care. 2014; 28(4):379-80.

Reeves S. Why we need interprofessional education to improve the delivery of safe and effective care. Interface (Botucatu). 2016; 20(56):185-96.

Silva LAA, Soder RM, Petry L, Oliveira IC. Educação permanente em saúde na atenção básica: percepção dos gestores municipais de saúde. Rev Gaúcha Enferm. març 2017.

Public Law: Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 64 p. – (Série B. Textos Básicos de Saúde) (Série Pactos pela Saúde 2006; v. 9)

Capozzolo A et al. Formação interprofissional e produção do cuidado: análise de uma experiência. Interface, Botucatu. 2018; 22(2): 1675-1684. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/v22s2/1807-5762-icse-22-s2-1675.pdf

Freire P. Educação e mudança. 34a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2011.

Previato GF, Baldissera VDA. Retratos da prática interprofissional colaborativa nas equipes da atenção primária à saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem. 2018;39:e2017-0132.

Russo JA, Carrara SL. Sobre as ciências sociais na Saúde Coletiva - com especial referência à saúde coletiva. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 25 (2): 467-484, 2015

Gomes MPC, Ribeiro VMB, Monteiro DM, Leher EMT, Louzada RCR. O uso de metodologias ativas no ensino de graduação nas ciências sociais e da saúde: avaliação dos estudantes. Ciência & amp; Educação. 2010:16(1):181-98.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n2.3133g648

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS