“PET-Saúde” Interprofissionalidade: reflexões sobre uma estratégia interinstitucional para reorientação da formação

Carine Vendruscolo, Larissa Hermes Thomas Tombini, Graciela Soares Fonseca, Cláudio Claudino da Silva Filho, Débora Tavares de Resende Silva, Gessiani Larentes, Francine Garghetti

Resumo


Os movimentos para fortalecimento do Sistema Único de Saúde são marcados por políticas indutoras da reorientação da formação profissional. Dentre elas, o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde - PET-Saúde Interprofissionalidade objetiva promover a educação interprofissional mediante iniciativas que integrem os núcleos de saber das diferentes profissões, de forma colaborativa. Atentas ao chamado do Ministério da Saúde, a Secretaria de Saúde do Município de Chapecó, Santa Catarina, em parceria com Instituições de Ensino Superior: Universidade Federal da Fronteira Sul, Universidade do Oeste de Santa Catarina e Universidade do Estado de Santa Catarina, aprovam uma proposta para o edital. Nosso objetivo é descrever a estratégia de articulação e construção deste dispositivo de reorientação da formação, com participação das três Universidades. Apresentamos o relato do histórico, desde a iniciativa de articulação entre as instituições, entre julho/2018 e abril/2019, passando pelas primeiras atividades, mediante encontros para a construção coletiva da proposta, cujo desafio foi organizar agendas das diferentes instituições. Para resolver, são realizados encontros itinerantes entre a equipe de coordenadores, tutores e preceptores e, aos sábados, com o grande grupo. As ações visam avançar na adequação dos cursos às diretrizes curriculares, sublinhando o desenvolvimento de iniciativas de trabalho e educação interprofissional, além da promoção da integração ensino-serviço-comunidade com foco na qualificação da atenção e da gestão em saúde. Consideramos que a proposta se destaca pelo firmamento das parcerias interinstitucionais e o fomento de discussões críticas/reflexivas sobre o processo formativo em saúde, com potencial para transformação das práticas.


Palavras-chave


Educação interprofissional; Instituições acadêmicas; Serviços de Integração docente-assistencial; Relações interprofissionais

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Portaria Interministerial Nº 2118, de 3 de novembro de 2005. Institui parceria entre o Ministério da Educação e o Ministério da Saúde para cooperação técnica na formação e desenvolvimento de recursos humanos na área da saúde. Diário Oficial da União, Brasília 4 nov. 2005: Sec. 1:112

Vendruscolo C, Prado ML, Kleba ME. Integração Ensino-Serviço no âmbito do Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde. Cien Saúde Coletiva. 2016;21(9):2949-60.

Fonsêca GS, Junqueira SR. Políticas de reorientação da formação, qualificação e provimento profissional em saúde: itinerários e interfaces das estratégias indutoras de mudanças. In: Silva Filho CC, Garcia Jr CA, Kovaleski DF. VER-SUS Santa Catarina: itinerários (trans)formadores em saúde. Tubarão: Copiart, 2017.

World Health Organization. Continuing education for physicians. Report of a WHO a Expert Committee. Geneva: WHO, 1973.

Brasil. Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES n.1133 de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Enfermagem, Medicina e Nutrição. Diário Oficial da União, Brasília 3 out. 2001:Sec. 1E, p. 131. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/escola-de-gestores-da-educacao-basica/323-secretarias-112877938/orgaos-vinculados-82187207/12991-diretrizes-curriculares-cursos-de-graduacao

Costa MV. A educação interprofissional no contexto brasileiro: algumas reflexões. Interface (Botucatu). 2016; 20(56):197-8

Silva FAM, Cassiani SHB, Freire Filho JR. A Educação Interprofissional em saúde na Região das Américas. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2018; 26:e3013.

Silva VO, Santana PMMA. Conteúdos curriculares e o Sistema Único de Saúde (SUS): categorias analíticas, lacunas e desafios. Interface (Botucatu). 2015; 19(52):121-132.

Ceccim RB. Conexões e fronteiras da interprofissionalidade: forma e formação. Interface (Botucatu) [internet]. 2018 [acesso em 05 Mai 2019];22(2):1739-49. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622018.0477.

Farias DN, Ribeiro KSQ, Anjos UU, Brito GEG. Interdisciplinaridade e interprofissionalidade na estratégia saúde da família. Trabalho, Educação e Saúde; 2018;16(1):141-61.

Organização Mundial da Saúde: marco para a ação em educação interprofissional e prática colaborativa. 2010. Disponível em: http://www.paho.org/bra/images/stories/documentos/marco_para_acao.pdf%20

Karam M, Brault I, Van Durme T, Macq J. Comparing interprofessional and interorganizational collaboration in healthcare: A systematic review of the qualitative research. 2018;Int J Nurs Stud.79:70-83.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Edital no 10, 23 de julho 2018. Seleção para o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde PET-Saúde/Interprofissionalidade - 2019/2019. Diário Oficial da União, edição 141, seção 3, página 78.

Brasil. IBGE Cidades/Brasil em síntese [internet][acesso em 05 Mai 2019]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/chapeco

Santa Catarina. Secretaria de Estado da Saúde. Plano Municipal de Saúde 2018-2021 [internet][acesso em 30 Mai 2019]. Disponível em: http://controlesocial.saude.sc.gov.br/index.php?option=com_jdownloads&Itemid=94&view=viewcategory&catid=98

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília; 2017 [internet][acesso em 03 Mai 2019]. Disponível em: http://www.foa.unesp.br/home/pos/ppgops/portaria-n-2436.pdf

Freire P. Pedagogia do oprimido. 59ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2015.

Macedo APMC. Nursing supervision: studying the “Case” of the phenomenon of interorganizational articulation nursing school and hospital. Rev Esc Enferm USP [internet]. 2014 [acesso em Fev 2018]; 48(2): 200-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v48nspe2/0080-6234-reeusp-48-nspe2-00190.pdf

Vendruscolo C, Ferraz F, Trindade L. Integração Ensino-Serviço Em Saúde: diálogos possíveis a partir da cogestão de coletivos. Esc Anna Nery[internet] 2017[acesso em 05 Mai 2019];21(4):e20170060. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v22n4/pt_1414-8145-ean-22-04-e20180237.pdf

Barr H, Low H. Introducing interprofessional education. London: CAIPE;2013.

Barr H, Ford J, Grey R; Helme M, Low H et al. Interprofessional education guidelines. London: CAIPE;2017.

D’Amour D, Goulet L, San Martín-Rodrigues L et al. A model and typology of collaboration between professionals in healthcare organizations. BMC Health Services Research. 2008; 8,188.

Canadian Interprofessional Health Collaborative (CIHC). Disponível em: http://www.cihc.ca/.

Koga D. Medidas de cidades: entre territórios de vidas e territórios vividos. São Paulo: Cortez, 2003.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n2.2430g529

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS