A preceptoria e o ensino do autocuidado do diabético: das dificuldades aos caminhos possíveis Preceptorship and the teaching of diabetic self-care: from difficulties to possible paths

Patricia Ribeiro da Silva Maia Teixeira, Ana Clementina Vieira de Almeida, Lucia Cardoso Mourão, Gilson Saippa de Oliveira, Antônia Conceição Cylindro Machado, Fabíola Braz Penna

Resumo


Resumo

Objetivo: discutir as dificuldades e os caminhos possíveis para o ensino do autocuidado do diabético aos alunos em formação na Atenção Básica, evidenciados junto aos profissionais de saúde que atuam como preceptores nos serviços de saúde. Métodos: a pesquisa, tipo estudo de caso com abordagem qualitativa, utilizou como referencial teórico metodológico a análise institucional, em sua abordagem socioclínica institucional. Para a produção de dados foram realizados cinco encontros com trabalhadores da saúde em uma unidade do Programa Médico de Família. Resultados: os resultados revelaram que o sofrimento permeia o contexto do autocuidado, sentido, de um lado, pelos diabéticos, e de outro, pelos profissionais de saúde/preceptores no desempenho do seu duplo papel: educativo e assistencial. Como possíveis caminhos, a pesquisa possibilitou aos profissionais de saúde/preceptores repensarem suas práticas, sugerindo mudanças no processo de trabalho relativo ao ensino do autocuidado ao diabético. Conclusões: destaca-se a necessidade de ampliar as reflexões sobre o papel assistencial e educativo dos profissionais de saúde/preceptores nos serviços do Sistema Único de Saúde.

Palavras-chave: Preceptoria; Educação; Assistência à saúde; Diabetes Mellitus.

 

Abstract

Objective: to discuss the difficulties and possible ways to teach diabetic self-care to students undergoing training in Primary Care, as evidenced by health professionals who act as preceptors in health services. Methods: the research, a case study with a qualitative approach, used institutional analysis as its theoretical and methodological framework, in its institutional socio-clinical approach. For the production of data, five meetings were held with health workers in a unit of the Family Medical Program. Results: the results revealed that suffering permeates the context of self-care, felt, on the one hand, by diabetics, and on the other, by health professionals/preceptors in the performance of their dual role: educational and assistance. As possible paths, the research enabled health professionals/preceptors to rethink their practices, suggesting changes in the work process related to teaching self-care to diabetics. Conclusions: the need to expand reflections on the care and educational role of health professionals/preceptors in Unified Health System services is highlighted.

Keywords: Preceptorship; Education; Health Care; Diabetes Mellitus.


Palavras-chave


Preceptoria; Educação; Diabetes Mellitus

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Autonomo FR, Hortale VA, Santos GB, Botti SH. Primary health care preceptorship in medical and multidisciplinary training: a review of brazilian publications. Rev. bras. educ. méd. [Internet]. 2015 Apr-Jun [acesso em 2021 dez 1];39(2):316-27. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v39n2e02602014

Presidência da República. Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União. 19 set 1990 [acesso em 2021 mar 30]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm

Ministério da Educação. Ministério da Saúde. Portaria Interministerial n. 1.127, de 4 de agosto de 2015. Institui as diretrizes para a celebração dos Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde (COAPES), para o fortalecimento da integração entre ensino, serviços e comunidade no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. 4 ago 2015 [acesso em 2021 mar 30]. Disponível em: https://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2015/outubro/23/COAPES-PORTARIA-INTERMINISTERIAL-N1.127%20-DE-04%20DE-AGOSTO-DE-2015.pdf

Ministério da Saúde. Pró-Saúde, Pet-Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013 [acesso em 2021 dez 3]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/folder/pro_saude_pet_saude.pdf

Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 569, de 19 de janeiro de 2018. Reafirma a prerrogativa constitucional do SUS em ordenar a formação dos (as) trabalhadores (as) da área da saúde. Conselho Nacional de Saúde. 19 jan 2018 [acesso em 2021 mar 30]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2017/Reso569.pdf

Botti SH, Rego S. Preceptor, supervisor, tutor and mentor: what are their roles? Rev. bras. educ. méd. [Internet]. 2008 Set [acesso em 2021 dez 1];32(3):363-73. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-55022008000300011

Teixeira PR, Almeida AC, Mourão LC, Leite IC. Between being and doing: the implications of health professionals / preceptors in the effectiveness of diabetic self-care. Res., Soc. Dev. [Internet]. 2020 Mar [acesso em 2021 dez 1];9(4):e74942380. Disponível em: https://doi.org/10.33448/rsd-v9i4.2380

Missaka H, Ribeiro VM. Studies on preceptorship in medical training presented at the Brazilian congress of medical education from 2007 to 2009. Rev. bras. educ. méd. [Internet]. 2011 Set [acesso em 2021 dez 1];35(3):303-10. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-55022011000300002

Correa GT, Carbone TR, Rosa MF, Marinho GD, Ribeiro VM, Motta JI. A critical analysis of preceptors' discourse in a process of teacher training. Pro-Posições. [Internet]. 2015 Set-Dez [acesso em 2021 1 dez];26(3):167-84. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0103-7307201507808

Danaei G, Finucane MM, Lu Y, Singh GM, Cowan MJ, Paciorek CJ, et al. National, regional, and global trends in fasting plasma glucose and diabetes prevalence since 1980: systematic analysis of health examination surveys and epidemiological studies with 370 country-years and 2.7 million participants. Lancet. [Internet]. 2011 Jul [acesso em 2021 dez 1];378(9785):31-40. Disponível em: https://doi.org/10.1016/s0140-6736(11)60679-x

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de atenção básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2014 [acesso em 2021 dez 3]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/estrategias_cuidado_pessoa_doenca_cronica_cab35.pdf

Oliveira JE, Montenegro Junior RM, Vencio S. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2017-2018. São Paulo, SP: Editora Clannad; 2017.

Lorig KR, Holman H. Self-management education: history, definition, outcomes, and mechanisms. Ann behav med. [Internet]. 2003 Ago [acesso em 2021 dez 1];26(1):1-7. Disponível em: https://doi.org/10.1207/s15324796abm2601_01

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de atenção básica. Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013.

Minayo MC, Deslandes SF, Gomes R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes; 1993.

Gil AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª ed. São Paulo, SP: Atlas; 2008.

Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2ª ed. Porto Alegre, RS: Bookman; 2001.

Galvão EF, Galvão JB. Pesquisa Intervenção e Análise Institucional: alguns apontamentos no âmbito da pesquisa qualitativa Revista Ciências da Sociedade (RCS). [Internet]. 2017 Set [acesso em 2021 dez 1];1(1):54-67. Disponível em: https://doi.org/10.30810/rcs.v1i1.373

Mendes R, Pezzato LM, Sacardo DP. Research and intervention in the promotion of health: methodological challenges of researching “with”. [Internet]. Ciênc. Saúde Colet. 2016 Jun [acesso em 2021 dez 1];21(6);1737-45. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232015216.07392016

L’Abbate S. Institutional Analysis and Intervention: a brief reference to the social and theoretical genesis of an articulation and its application in Collective Health. Mnemosine. [Internet]. 2012 [acesso em 2021 dez 1];8(1):194-219. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/mnemosine/article/view/41580

Berger B, Berger P. O que é uma instituição social? In: Foracchi MM, Martins JS (Org.). Sociologia e sociedade: leituras de introdução à sociologia. São Paulo, SP: LTC; 1977. p. 193-199.

Monceau G. A Socioclínica Institucional para pesquisas em Educação em Saúde. In: L’Abbate S, Mourão LC, Pezzato LM (Org.). Análise Institucional & Saúde Coletiva no Brasil. São Paulo, SP: Hucitec; 2013. p. 91-103.

Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Portaria Interministerial n. 1.802, de 26 de agosto de 2008. Institui o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde - PET-Saúde. Diário Oficial da União. 27 ago 2008 [acesso em 2021 dez 1]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/pri1802_26_08_2008.html

Souza MG. Formação e trabalho do preceptor na residência multiprofissional em saúde de um hospital Universitário: interdisciplinaridade ou “cada um no seu quadrado”? [dissertação]. Niterói (RJ): Universidade Federal Fluminense; 2019.

Silva V, Almeida AC, Mourão L. Produtos do Mestrado Profissional: instrumentos de mudanças na formação e nas práticas profissionais na promoção e prevenção do tabagismo. Ensino, Saúde e Ambiente. [Internet]. 2020 Ago [acesso em 2021 dez 1];13(2):155-76. Disponível em: https://periodicos.uff.br/ensinosaudeambiente/article/view/29094

Santos RS, Mourão LC, Almeida AC, Santos KM. Armed conflict at primary care: challenges for practice and training. Rev. bras. enferm. [Internet]. 2020 [acesso em 2021 dez 1];73(2):e20180179. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0179

Leite IC, Mourão LC, Almeida AC. Teaching implications in the pedagogical training of a technical school. Rev. bras. enferm. [Internet]. 2020;73(3):e20180679. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0679

Penteado RZ, Souza Neto S. Mal-estar, sofrimento e adoecimento do professor: de narrativas do trabalho e da cultura docente à docência como profissão. Saúde Soc. [Internet]. 2019 Jan-Mar [acesso em 2021 dez 1];28(1):135-53. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-12902019180304

Lourau R. Objeto e Método da Análise Institucional: um novo espírito científico. In: Altoé S (Org.). Analista institucional em tempo integral. São Paulo, SP: Hucitec; 2004. p. 199-211.

Baremblit G. Compêndio de Análise Institucional e outras correntes: teoria e prática. 5ª ed. Belo Horizonte, MG: Instituto Félix Guattari; 2002.

Rossi A, Passos E. Análise Institucional: revisão conceitual e nuances da pesquisa-intervenção no Brasil. Rev. Epos. [Internet]. 2014 Jun [acesso em 2021 dez 1];5(1):156-81. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2178-700X2014000100009

Mourão LC, Martins RC, Vieira CM, Rossin E, L’Abbate S. Análise Institucional e educação: reforma curricular nas universidades pública e privada. Educ. Soc. [Internet]. 2007 Abr [acesso em 2021 dez 1];28(98):181-210. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-73302007000100010

Sanches MM, Mourão LC. Hospital preceptorship: health professional practice as analyzer of a health training institution. J Nurs UFPE on line. [Internet]. 2015 Ago [acesso em 2021 dez 1];9(8):8928-8931. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/download/10680/11729

de Jesus JC, Ribeiro VM. Evaluation of the pedagogical training process of preceptors of medical internship. Rev. bras. educ. méd. [Internet]. 2012 Jun [acesso em 2021 dez 1];36(2):153-61. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-55022012000400002




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p37-51

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n3.3414g764

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS