Promoção em saúde mental na educação superior: uma sistematização de experiência do grupo “Acolhe”

Cibele Gonçalves Oliveira, Maria do Livramento Alencar de Holanda, Tayrine Huana de Sousa Nascimento, Jomábia Cristina Gonçalves dos Santos, Jander Carlos Soares Silva, Andressa Aires Alencar

Resumo


Este trabalho tem por objetivo relatar a experiência da atuação do Acolhe no desenvolvimento de ações de educação, promoção, prevenção e de acolhimento em saúde mental nas instituições públicas de ensino superior. A metodologia utilizada foi a sistematização de experiência, cujos dados foram obtidos através do diário de campo e de registros fotográficos. O período de experiência foi de setembro de 2018 a fevereiro de 2020. O público alvo das ações desenvolvidas foram os acadêmicos das instituições de ensino superior da Universidade Regional do Cariri (URCA) e Instituto Federal do Ceará (IFCE) da cidade de Iguatu-Ce. Como resultado percebeu-se que nessas instituições de ensino há uma grande demanda por espaços de promoção de cuidado, onde os estudantes possam ter acesso a ações de promoção, prevenção e educação em saúde mental. Portanto é recomendado a inclusão do bem-estar mental no rol de direitos assistidos nas políticas estudantis. É válido pensar em estratégias que utilizem parcerias entre políticas intersetoriais, trazendo assim a temática da saúde mental para o cotidiano desses espaços, o que não só colabora com a quebra de paradigmas, mas também abre possibilidade de trabalho na promoção e na prevenção em saúde mental.


Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


BRASIL. Lei 8080, de 27 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. [acesso em 28 out. 2018]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm

Organização Mundial da saúde (OMS). A Carta de Ottawa para a promoção da saúde. 1986. [acesso em 24 out. 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/carta_ottawa.pdf.

Lopes MSV, Saraiva KRO, Fernandes AFC, Ximenes LB. Análise do conceito de promoção da saúde. Texto contexto - enferm. 2020; 19(3):461-468.

Accorsi MP. Atenção Psicossocial no ambiente universitário: um estudo sobre a realidade dos estudantes de graduação da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. Dissertação [Programa de Mestrado Profissional em Saúde Mental e Atenção Psicossocial] - Universidade Federal de Santa Catarina; 2015.

Azevedo PC. Atenção em saúde mental de estudantes de uma Universidade Brasileira: algumas reflexões. Porto Alegre. Monografia [Especialização em Saúde Mental: Gestão, Atenção, Controle Social e Processos Educacionais, do Grupo Hospitalar Conceição] - Instituto Federal de Educação, Ciência e tecnologia do RS; 2013.

Bleicher T, Ooliveira RCN. Políticas de assistência estudantil em saúde nos institutos e universidades federais. Psicologia Escolar e Educacional 2016; 20(3):543-549.

Ceará. Escola de Saúde Pública. Manual do profissional de Saúde Residente. Informações Político-Pedagógicas sobre a residência multiprofissional em saúde e em área profissional da saúde – 2017. [acesso em 30 set. 2020]. Disponível em: - https://www.esp.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/78/2019/05/49-2016-ceres-residncia-multiprofissional-esp-manual-do-residente.pdf

Alvarenga JPO, Meira AB, Fontes WD, Xavier MMFB, Trajano FMP, Chaves Neto G, et al. Multiprofissionalidade e interdisciplinaridade na formação em saúde: vivências de graduandos no estágio regional interprofissional. Revista de Enfermagem online UFPE 2013; 20(7):5944-5951.

Ceccim RB. Equipe de saúde: a perspectiva entre-disciplinar na produção dos atos terapêuticos. In: Pinheiro R, Mattos RA Orgs. Cuidado: as fronteiras da integralidade. Rio de Janeiro: Hucitec/ABRASCO; 2004.

Janini JP, Bessler D, Vargas AB. Educação em saúde e promoção da saúde: impacto na qualidade de vida do idoso. Saúde Debate 2015; 39(105):480-490.

Marx K. O Capital. São Paulo: Boitempo, 2ª ed, 2011.

Holliday, OJ. Para sistematizar experiências. 2ª ed. Brasília: MMA, 2007.

Almeida JSP. A saúde mental global, a depressão, a ansiedade e os comportamentos de risco nos estudantes do ensino superior: estudo de prevalência e correlação. Lisboa. Tese [Doutorado em Ciências da Vida] - Faculdade de Ciências Médicas; 2014.

Padovani RC. Vulnerabilidade e bem-estar psicológicos do estudante universitário. Rev. bras. ter. Cogn. 2014; 10(1):02-10.

Maia ER, Lima Júnior JF, Pereira JS, Eloi AC, Gomes CC, Nobre MMF. Validação de metodologias ativas de ensino-aprendizagem na promoção de saúde alimental infantil. Revista de Nutrição 2012; 25(1):79-88.

Méllo PR, Silva AA, Lima ML, Paolo AFD. Construcionismo, práticas discursivas e possibilidades de pesquisa em psicologia social. Psicologia & Sociedade 2007; 19(3):26- 32.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC-SUS. - Brasília: Ministério da Saúde, 2006. [acesso em 20 jul. 2020]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnpic.pdf.

Carvalho JLS, Nobrega MPSS. Práticas integrativas e complementares como recurso de saúde mental na Atenção Básica. Rev. Gaúcha Enferm. 2017; 38(4):2017-0014.

Kabat-zinn J. Mindfulness‐based interventions in context: Past, present, and future. Clinical Psychology: Science and Practice 2003; 10(2):144-156.

Marques I, Balreira ML, Temótio JT. Psiquiatria positiva, psicologia positiva e mindfulness: uma visão comum. Psicologia, Saúde & Doenças 2018; 19(2):354-368.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n2.3461g721

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS