DESCARTE CORRETO DE MEDICAMENTOS: CONSTRUÇÃO DE UMA CARTILHA EDUCATIVA

Anelise Crippa, Camila Vasconcellos, Temis Weber Furlanetto Corte, Paula Engroff, Anamaria Gonçalves dos Santos Feijó

Resumo


Objetivo: contribuir na orientação do descarte adequado de medicamentos através da elaboração de uma cartilha educativa direcionada a idosos. Método:Estudo descritivo e exploratório desenvolvido através da construção e validação de uma cartilha educativa realizado no serviço de geriatria de um hospital universitário da cidade de Porto Alegre. A construção da cartilha foi desenvolvida levando em consideração a educação do impacto ambiental dos medicamentos e locais adequados de descarte. Para a validação foram convidados idosos atendidos no serviço de geriatria de um hospital universitário e membros da equipe multiprofissional de saúde. Resultados: Participaram 6 membros da equipe da saúde e 45 idosos no processo de validação. Os idosos elogiaram a cartilha, sem tecer comentários adicionais ou exclusão de algum item na mesma. Já os membros da equipe de saúde deram sugestões com exclusão de imagens, transformando a informação em texto, melhora na cor da letra para visualização e inclusão de conteúdo tanto em relação aos locais de descarte, quanto ao material que é descartado. Conclusão: Instrumentos educativos, como a cartilha elaborada e validada, auxiliam de forma concreta na conscientização do impacto que os medicamentos podem causar no meio ambiente trazendo, a longo prazo, um grande benefício para a sociedade em geral.


Palavras-chave


Meio ambiente. Resíduos de drogas. Idosos.

Texto completo:

PDF

Referências


Costa K, Barros M, Francisco P, César C, Goldbaum M, Carandina L. Utilização de medicamentos e fatores associados: um estudo de base populacional no Município de Campinas, São Paulo, Brasil. Cad Saude Publica. 2011; 27(4):649-658.

Alvarenga LSV, Nicoletti MA. Descarte doméstico de medicamentos e algumas considerações sobre o impacto ambiental decorrente. Rev Saúde. 2010; 4(3):34-39.

Loyola Filho A, Firmo J, Uchôa E, Lima-Costa M. Birth cohort differences in the use of medications in a Brazilian population of older elderly: the Bambuí cohort study of aging (1997 and 2008). Cad Saude Publica. 2011; 27(3):435-443.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mudanças demográficas no Brasil no Século XXI. [Internet]. 2015 [citado em 17 fev 2017]. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv93322.pdf.

Paniz V, Fassa A, Facchini L, Piccini R, Tomasi E, Thumé E, et al. Free access to hypertension and diabetes medicines among the elderly: a reality yet to be constructed. Cad Saude Publica. 2010; 26(6):1163-1174.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional de Saúde: Percepção do estado de Saúde, estilo de vida e doenças crônicas. [Internet]. 2013 [citado em 17 fev 2017]. Disponível em ftp://ftp.ibge.gov.br/PNS/2013/pns2013.pdf.

Gomes HO, Caldas CP. Uso inapropriado de medicamentos pelo idoso: polifarmácia e seus efeitos. Rev Hospital Universitário Pedro Ernesto 2008; 7(1):88-99.

Santos TRA, Lima DM, Nakatani AYK, Pereira LV, Leal GS, Amaral RG. Consumo de medicamentos por idosos em Goiânia Brasil. Rev Saude Publica. 2013; 47(1):94-103.

Neves SJF, Marques APO, Leal MCC, Diniz AS, Medeiros TS, Arruda IKG. Epidemiologia do uso de medicamentos entre idosos em área urbana do Nordeste do Brasil. Rev Saude Publica. 2013; 47(4):759-768.

Flores L, Mengue S. Uso de medicamentos por idosos em região do sul do Brasil. Rev Saude Publica. 2005 Dez; 39(6):924-929.

Flores VB, Benvegnú LA. Perfil de utilização de medicamentos em idosos da zona urbana de Santa Rosa, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saude Publica. 2008; 24(6):1439-1446.

Eickhoff P, Heineck I, Seixas LJ. Gerenciamento e destinação final de medicamentos: uma discussão sobre o problema. Rev Bras Farm. 2009; 90(1):64-68.

Maia M, Giordano F. Estudo da situação atual de conscientização da população de santos a respeito do descarte de medicamentos. Rev Ceciliana. 2012; 4(1):24-28.

Carvalho EV, Ferreira E, Mucini L, Santos C. Aspectos legais e toxicológicos do descarte de medicamentos. Rev Bras Toxicol. 2009; 22(1):1-8.

Aquino SF, Brandt EMF, Chernicharo CAL. Remoção de fármacos e desreguladores endócrinos em estações de tratamento de esgoto: revisão da literatura. Eng Sanit Ambient. 2013; 18(3):187-204.

Alencar TOS, Machado CSR, Costa SCC, Alencar BR. Descarte de medicamentos: uma análise da prática no Programa Saúde da Família. Cien Saude Colet. 2014; 19(7):2157-2166.

Tessaro PR, Zancanaro V. Recolhimento e descarte dos medicamentos das farmácias caseiras no município de Caçador. Saúde Meio Ambient. 2013; 2(1):118-128.

Medeiros MSG, Moreira LMF, Lopes CCGO. Descarte de medicamentos: programas de recolhimento e novos desafios. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2014; 35(4):651-662.

Fatta-Kassinos D, Meric S, Nikolaou A. Pharmaceutical residues in environmental waters and wastewater: current state of knowledge and future research. Anal Bioanal Chem. 2010; 399(1):251-275.

Pinto LH, Cardozo G, Soares JC, Erzinger GS. Toxicidade ambiental de efluentes advindo de diferentes laboratórios de uma farmácia magistral. Rev Ambient Água. 2016; 11(4):819-832.

Ribeiro M, Heineck I. Estoque domiciliar de medicamentos na comunidade ibiaense acompanhada pelo Programa Saúde da Família, em Ibiá-MG, Brasil. Saude Soc. 2010; 19(3):653-663.

Bueno CS, Weber D, Oliveira KR. Farmácia caseira e descarte de medicamentos no bairro Luiz Fogliatto do município de Ijuí – RS. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2009; 30(2):75-82.

Falqueto E, Kligerman DC. Análise normativa para descarte de resíduos de medicamentos - Estudo de caso da Região Sudeste do Brasil. Rev Dir Sanit. 2012; 13(2):10-23.

Ferreira C, Santos M, Rodrigues S. Análise do conhecimento da população sobre descarte de medicamentos em Belo Horizonte/MG. Interfaces Cient Saude Amb. 2015; 3(2):9-18.

Seehusen D, Edwards J. Patient Practices and Beliefs Concerning Disposal of Medications. J Am Board Fam Med. 2006; 19(6):542-547.

Kotchen M, Kallaos J, Wheeler K, Wong C, Zahller M. Pharmaceuticals in wastewater: Behavior, preferences, and willingness to pay for a disposal program. J Environ Manage. 2009; 90(3):1476-1482.

Falqueto E, Kligerman D. Diretrizes para um Programa de Recolhimento de Medicamentos Vencidos no Brasil. Cien Saude Colet. 2013; 18(3):883-892.

Pinto GMF, Silva KR, Pereira RFAB, Sampaio SI. Estudo do descarte residencial de medicamentos vencidos na região de Paulínia (SP), Brasil. Eng Sanit Ambient. 2014; 19(3):219-224.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2017v3n1p07-17

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132017v3n1.788g131

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS