PRÁTICAS EDUCATIVAS EM SAÚDE SOBRE GENERO, SEXUALIDADE, DIREITOS HUMANOS, ALCOOL E OUTRAS DROGAS.

Tirza Almeida Silva, Eduardo Jorge SantAna Honorato, Sillene Nogueira de Oliveira Arantes, Ednaldo Gomes Barbosa Junior

Resumo


O artigo presente trata de um relato de experiência em educação em saúde, facilitado por três profissionais psicólogos com alunos do curso de Psicologia de uma universidade privada da cidade de Manaus - AM. A experiência adveio de um estágio para conclusão do curso de especialização em Psicologia da Saúde. Intitulada “Ciclo de oficinas de educação em Saúde”, a atividade teve como objetivo abordar em 10 encontros temas como gênero, sexualidade, uso de álcool e outras drogas com esses alunos. Respeitado o princípio básico da educação em saúde, levou-se a esses alunos novas perspectivas sobre os temas e uma nova maneira de se comunicar. Por fim os resultados obtidos foram diversos, houve posições esperadas e outras completamente novas reforçadas pelas dinâmicas grupais presente em cada oficina. Pode-se perceber a necessidade de se conversar sobre esses temas pois era indubitável a falta de manejo e conhecimento expressos pelos alunos, deixando claro que a educação em saúde pode ser realizada em qualquer contexto, para lidar com todo tipo de questão.

Palavras-chave


: Psicologia; Educação em Saúde; Relato de Experiência; Oficinas; Álcool e outras Drogas; LGBT.

Texto completo:

PDF

Referências


SECRETARIA-GERAL da Presidência da República. Marco de Referência da Educação Popular para as Políticas Públicas. Brasília: Secretaria-Geral, 2014. Disponível em: http://www.secretariadegoverno.gov.br/.

CARNEIRO, N.P. Educação e Saúde. Web Artigos, 26 mar. 2008. Disponível em: http://webartigos.com/artigos/educacao-e-saude/5020. Acesso em: 30 jan.2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Caderno de educação popular e saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Apoio à Gestão Participativa. - Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

PULGA, V. L. Educação Popular em Saúde como referencial para as nossas práticas na saúde. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. II Caderno de educação popular e saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Apoio à Gestão Participativa. - Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

VASCONCELOS, E. M. Educação popular na formação universitária: reflexões com base em uma experiência / Eymard Mourão Vasconcelos, Pedro José Santos Carneiro Cruz, organizadores.- São Paulo: Hucitec; João Pessoa: Editora Universitária da UFPB; 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política nacional de saúde integral de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Combate à Discriminação. Brasil sem homofobia: programa de combate à violência e à discriminação contra LGBT e promoção da cidadania homossexual. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2017v3n1p82-88

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132017v3n1.812g138

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS