EDUCAÇÃO MÉDICA: DESAFIO DA HUMANIZAÇÃO NA FORMAÇÃO

Ligia Marques Vilas Boas, Mônica Ramos Daltro, Carolina Pedroza Garcia, Marta Silva Menezes

Resumo


A formação essencialmente biomédica já não atende às necessidades de saúde da sociedade. A educação médica tem sido desafiada a assumir um currículo comprometido com uma práxis humanizada. Este estudo analisa a percepção do docente sobre a proposta humanística no currículo do curso de medicina de uma instituição privada de ensino. Pesquisa exploratória descritiva, de natureza qualitativa, realizada com 19 docentes. Dados analisados por meio da técnica de análise de conteúdo, que identificaram três categorias: Como é (des)envolvido o humanismo no currículo de medicina, com quatro subcategorias: intuitiva, formação profissional, cuidado singular e investimento institucional; Como pode ser (des)envolvido o humanismo no currículo, com cinco subcategorias: organização curricular, conteúdo, metodologia, formação dos profissionais e pesquisa; Limitações para o (des)envolvimento do humanismo no currículo, com duas subcategorias: currículo e vem de berço. A discussão evidencia que o humanismo é abordado no currículo, porém, apresenta-se de forma desarticulada, revelando que o tratamento dado ao tema está vinculado a componentes específicos e ao cenário no qual é desenvolvido, assim como à prática individual do docente. Isso destaca a necessidade de uma elaboração coletiva de estratégias que fortaleçam a práxis pedagógica docente com base nos princípios humanísticos.

 


Palavras-chave


Educação Médica; Currículo; Humanização

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo LO de. Da prática médica à práxis médica: possibilidades pela Estratégia Saúde da Família [tese]. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba; 2007.

Silva RF da, Sá-Chaves I. Formação reflexiva: representações dos professores acerca do uso de portfólio reflexivo na formação de médicos e enfermeiros. Interface (Botucatu). 2008; 12(27):721–34. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832008000400004.

Rios IC, Schraiber LB. Humanização e humanidades em medicina. São Paulo: Unesp; 2012.

Ministério da Educação (BR), Conselho Nacional de Educação, Câmara da Educação Superior. Parecer nº 1.133, de 7 de agosto de 2001. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de graduação em Enfermagem, Medicina e Nutrição [Internet]. Brasília: CNE; 2001 [acesso em: 28 jul. 2016] : Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/ces1133.pdf

Ministério da Educação (BR), Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Superior. Resolução no 3, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências [Internet]. Brasília; 2014 [aceeso em: 27 jul. 2016].. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/Med.pdf

Nogueira MI. As mudanças na educação médica brasileira em perspectiva: reflexões sobre a emergência de um novo estilo de pensamento. Rev Bras Educ Med. 2009; 33(2):262-70. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022009000200014.

daSilva MRD, Sakamoto J, Gallian DMC. A cultura estética e a educação do gosto como caminho de formação e humanização na área da saúde. Trab Educ Saúde. 2014; 12(1):15-28. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462014000100002.

Minayo MCS. Sobre o humanismo e a humanização. In: Deslandes SF, organizadora. Humanização dos cuidados em saúde: conceitos, dilemas e práticas. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2006. p. 23-30

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Ver-SUS Brasil: caderno de textos [Internet]. Brasilia: MS; 2004 [acesso em: 4 ago. 2016]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/CadernoVER_SUS.pdf

Aleksandrowicz AMC, Minayo MCS. Humanismo, liberdade e necessidade: compreensão dos hiatos cognitivos entre ciências da natureza e ética. Cien Saúde Colet. 2005; 10(3):513–26. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000300002.

Santos-Filho SB. Perspectivas da avaliação na Política Nacional de Humanização em Saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Cien Saúde Colet. 2007; 12(4):999-1010. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000400021.

Cohen LG, Sherif YA. Twelve tips on teaching and learning humanism in medical education. Med Teach. 2014; 36(8):680-4. Doi: 10.3109/0142159X.2014.916779.

Feuerwerker LCM. Micropolítica e saúde: produção do cuidado, gestão e formação. Porto Alegre: Rede UNIDA; 2014.

Sánchez Vázquez A. Filosofia da práxis. 2a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1977.

Abrahão AL, Merhy EE. Formação em saúde e micropolítica: sobre conceitos-ferramentas na prática de ensinar. Interface (Botucatu). 2014; 18(49):313-24. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622013.0166.

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 35a ed. São Paulo: Paz e Terra; 1996.

Torres Santomé J. Educação em tempos de neoliberalismo. Porto Alegre: Artmed; 2003.

Ceccim RB, Merhy EE. Um agir micropolítico e pedagógico intenso: a humanização entre laços e perspectivas. Interface (Botucatu). 2009; 13:531-42. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832009000500006

Cardoso ACC. A organização do trabalho em equipe nos serviços de saúde: uma reflexão sobre as relações de hierarquia e poder entre profissionais. Rev Enferm Contemp. 2014; 3(1):98-103. Doi: http://dx.doi.org/10.17267/2317-3378rec.v3i2.496.

Silva TT. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3a ed. Belo Horizonte: Autêntica; 2004.

Arroyo MG. Currículo, território em disputa. 5a ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes; 2013.

Apple MW. Idelogia e currículo. 3a ed. Porto Alegre: Artmed; 2006.

Luckesi CC. Avaliação da aprendizagem: componente do ato pedagógico. São Paulo: Cortez; 2011.

Larrosa J. Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. 5a ed. São Paulo: Autêntica; 2000.

Casate JC, Corrêa AK. A humanização do cuidado na formação dos profissionais de saúde nos cursos de graduação. Rev Esc Enferm USP. 2012; 46(1):219-26. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000100029.

Ferreira ABH. Dicionário da língua portuguesa. 5a ed. Curitiba: Positivo; 2010.

Bardin L. Analise de conteúdo. São Paulo: Martins Fontes; 1977.

Gomes Deslandes SF, Romeu G, Minayo MC (Org.). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. 32a ed. Petrópolis; RJ: Vozes; 2012.

Becker, HS. Segredos e truques da pesquisa. Rio de Janeiro: Zahar; 2007

Rios IC. Subjetividade contemporânea na educação médica: a formação humanistica em medicina [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2010.

Benevides R, Passos E. Humanização na saúde: um novo modismo? Interface (Botucatu). 2005; 9(17):389-94. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832005000200014.

Ministério da Saúde (BR). Humaniza SUS: Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS [Internet]. Brasília: MS; 2004 [acesso em: 27 jul. 2016]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizasus_2004.pdf




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2017v3n2p172-182

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132017v3n2.816g152

Apontamentos



A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS