Qualidade de vida de idosos acompanhados na Estratégia Saúde da Família

Márcia Soares de Oliveira, Rafaela Borges Gomes, Carolinne Kilcia Carvalho Sena Damasceno, Delmo de Carvalho Alencar, Wanderson Carneiro Moreira

Resumo


Objetivo: Avaliar a qualidade de vida de idosos atendidos na Estratégia Saúde da Família de uma capital do nordeste brasileiro. Métodos: Estudo descritivo, de corte transversal, realizado com 89 idosos atendidos em uma Unidade Básica de Saúde de Teresina, Piauí, Brasil. Os critérios de inclusão foram: idade entre 60 e 70 anos e concordar em participar do estudo, assinando o termo de consentimento. Os dados foram coletados através de um questionário com perguntas fechadas, com o objetivo de levantar dados confiáveis e atualizados dos idosos. Os dados foram analisados de forma descritiva, utilizando a folha de cálculo Excel (versão 2010). Resultados: A maioria dos idosos avalia sua qualidade de vida como mediana e estão satisfeitos com a vida.  Boa parte deles apresenta um nível de energia relativamente adequado para a execução de tarefas e possui acesso às informações. 30,3% relatam ter muito pouca ou nenhuma oportunidade de lazer. Quanto ao padrão de sono, é satisfatório, tendo em vista que apenas 9% estão muito pouco satisfeitos. Com relação ao desempenho de atividades rotineiras, a maioria relatou que as ações são executadas satisfatoriamente (88,7%). 31,5% dos idosos informou ter uma vida sexual completa, 28,1% muito boa e 15,7% médio. Quanto à presença de sentimentos negativos, percebe-se que a maioria dos idosos (65,1%) tem muito pouco ou nada de sentimentos negativos, conferindo um percentual significativo. Conclusão: Faz-se necessário que os profissionais de saúde atentem mais para os aspectos que influenciam negativamente na determinação da qualidade de vida dos idosos.


Palavras-chave


Envelhecimento; Saúde do Idoso; Qualidade de Vida; Estratégia Saúde da Família.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Moreira WC, Damasceno CKCS, Vieira SKSF, Campêlo TPT, Campêlo DS, Alencar DC. Análise sobre as políticas públicas de enfrentamento a violência contra o idoso. Rev enferm UFPE on line. 2016; 10(4):1324-31.

IBGE. Projeção da população do Brasil por sexo e idade para o período 1980-2050 – revisão 2004 metodologia e resultados. Acesso em: 11 Out. 2017. Disponível: http:// www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/projecao_da_populacao/metodologia.pdf

Closs VE, Schwanke CHA. A evolução do índice de envelhecimento no Brasil, nas suas regiões e unidades federativas no período de 1970 a 2010. Rev bras geriatr gerontol. 2012 set; 15(3): 443-58.

Santos LF, Oliveira LMAC, Barbosa MA, Nunes DP, Brasil VV. Qualidade de vida de idosos que participam de grupo de promoção da saúde. Enferm glob. 2015 out; 40:12-22.

Campos ACV, Cordeiro EC, Rezende GP, Vargas AMD, Ferreira EF. Qualidade de vida de idosos praticantes de atividade física no contexto da estratégia saúde da família. Texto Contexto Enferm. 2014 out-dez; 23(4):889-97.

Nogueira ALG, Munari DB, Santos LF, Oliveira LMAC, Fortuna CM. Therapeutic factors in a group of health promotion for the elderly. Rev Esc Enferm USP. 2013; 47(6):1350-6.

Gomes JRAA, Hamann EM, Gutierrez MMU. Aplicação do WHOQOL-BREF em segmento da comunidade como subsídio para ações de promoção da saúde. Rev Bras Epidemiol. 2014 abr-jun; 17(2):495-551.

Conrad I, Matschinger H, Riedel-Heller S, von Gottberg C, Kilian R. The psychometric properties of the German version of the WHOQOL-OLD in the German population aged 60 and older. Health Qual Life Outcomes. 2014; 12(1):1-15.

Castro MMLD, Hokerberg YHM, Passos SRL. Validade dimensional do instrumento de qualidade de vida WHOQOL-BREF aplicado a trabalhadores de saúde. Cad Saúde Pública. 2013; 29(7): 1357-69.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466/2012. Brasília: MS; 2012.

Vicente FR, Santos SMA. Avaliação multidimensional dos determinantes do envelhecimento ativo em idosos de um município de Santa Catarina. Texto Contexto Enferm. 2013 abr-jun; 22(2): 370-78.

Andrade A, Martins R. Funcionalidade familiar e qualidade de vida dos idosos. Millenium. 2011; 40(1):185‐99.

Pereira KCR, Alvarez AM, Traebert JL. Contribuição das condições sociodemográficas para a percepção da qualidade de vida em idosos. Rev bras geriatr gerontol. 2011; 14(1):85-95.

Angelim RCM, Figueiredo TR, Correia PP, Bezerra SMMS, Baptista RS, Abrão FMS. Avaliação da qualidade de vida por meio do WHOQOL: análise bibliométrica da produção de Enfermagem. Rev Baiana Enferm. 2015 out-dez; 29(4):400-10.

Pilger C, Menon MH, Mathias TAF. Características sociodemográficas e de saúde de idosos: contribuições para os serviços de saúde. Rev Latino-Am Enferm. 2011 set-out; 19(5):1-9.

Araújo NP, Britto Filho DCC, Santos FL, Costa RV, Zoccoli TLV, Novaes MRCG. Aspectos sociodemográficos, de saúde e nível de satisfação de idosos institucionalizados no Distrito Federal. Rev Ciênc Méd. 2008 mai-dez; 17(3-6):123-132.

Queiroz MAC, Lourenço MRE, Coelho MMF, Miranda KCL, Barbosa RGB, Bezerra STF. Representações sociais da sexualidade entre idosos. Rev bras enferm. 2015; 68(4):662-667.

Silva LCS, Cunha LP, Carvalho SM, Tocantins FR. Necessidades de saúde da mulher idosa no contexto da atenção básica: revisão integrativa. Enferm glob. 2015 out; 40:389-401.

Trize DM, Conti MHS, Gatti MAN, Quintino NM, Simeão SFAP, de Viita A. Fatores associados à capacidade funcional de idosos cadastrados na Estratégia Saúde da Família. Fisioter Pesq. 2014; 21(4):378-383.

Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação. Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação no Brasil: TIC Domicílios e TIC Empresas. CGIB. 2011.

Albuquerque MCS, Nascimento LO, Lyra ST, Trezza MCSF, Brêda MZ. Os efeitos da música em idosos com doença de Alzheimer de uma instituição de longa permanência. Rev eletrônica Enferm. 2012 abr-jun; 14(2): 404-13.

Witter C, Buriti MA, Silva GB, Nogueira RS, Gama EF. Envelhecimento e dança: análise da produção científica na Biblioteca Virtual de Saúde. Rev bras geriatr gerontol. 2013: 16(1):191-99.

Barbosa KTF, Oliveira FMRL, Oliveira SM, Gomes MO, Fernandes MGM. Qualidade do sono em pacientes idosos em atendimento ambulatorial. Rev enferm UFPE on line. 2016 fev; 10(Supl. 2):756-61.

Monteiro NT, Ceolim MF. Qualidade do sono de idosos no domicílio e na hospitalização. Texto Contexto Enferm. 2014 abr-jun; 23(2):356-64.

Lalluskka T, Arber S, Rahkonen O, Lahelma E. Complaints of insomnia among midlife employed people: The contribution of childhood and present socioeconomic circumstances. Sleep Med. 2010; 11:828-36.

Valente GSC, Sá SPC, Chrisóstimo MM, Lindolpho MC, Bom FS, Barreto PA. Therapeutic workshop of elderly people with dementia and support for caregivers: the role of nursing. Rev enferm UFPE on line. 2010 jul-set; 4(3):1450-6.

Nascimento CM, Ribeiro AQ, Cotta RMM, Acurcio FA, Peixoto SV, Priore SE, et al. Factors associated with functional ability in Brazilian elderly. Arch Gerontol Geriatr. 2012 mar-abr; 54(2):89-94.

Alves LC, Leite IC, Machado CJ. Perfis de saúde dos idosos no Brasil: análise da pesquisa Nacional por amostra de domicílios de 2003 utilizando o método grade of membership. Cad Saúde Pública. 2008 mar; 24(3):535-46.

Rodrigues LB, Cruz RVS, Moura MVA, Júnior UGM, Gonzaga PD. Avaliação da qualidade de vida sexual entre idosos participantes de um grupo de convivência e lazer. Memorialidades. 2014 jan-jun; 21:105-132.

Néri AN. Desenvolvimento e envelhecimento: perspectivas psicológicas, biológicas e sociológicas. Campinas: Papirus; 2004.

Salerno MC, Bolina AF, Dias FA, Martins NPF, Tavares DMS. Autoestima de idosos comunitários e fatores associados: estudo de base populacional. Cogitare Enferm. 2015 out-dez; 20(4): 775-782.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2018v4n2p85-97

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132018v4n2.906g284

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS