CONTRIBUIÇÃO DAS REDES SOCIAIS PARA A VIDA DE IDOSOS HIPERTENSOS

Autores

  • Clayanne Reis Braga
  • Laura Maria Feitosa Formiga
  • Ana Larissa Gomes Machado
  • Ana Zaira da Silva
  • Ana Klisse Silva Araújo Universidade Federal do Piauí-UFPI/CSHNB. Picos (PI), Brasil.
  • Antônia Luzângela da Costa Pereira

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2017v3n4p358-366

Palavras-chave:

Hipertensão, Idoso, Rede Social

Resumo

Objetivo: Identificar a contribuição das redes sociais para a vida dos idosos hipertensos. Métodos: Estudo exploratório-descritivo, desenvolvido no período de outubro de 2015 a junho de 2016 com 26 idosos de duas Estratégias de Saúde da Família de um município Piauiense, por meio de uma entrevista, gravada, composta de questões abertas relacionadas à rede social dos idosos, sendo submetidas à análise de conteúdo proposta por Bardin. Resultados: A rede social dos idosos é formada por familiares, profissionais de saúde, amigos e vizinhos, e que estes são relevantes desde o momento do diagnóstico até o decorrer do tratamento. Conclusão: É indispensável que os profissionais de saúde, principalmente os enfermeiros conheçam as redes sociais em que estão inseridos os idosos hipertensos, para que possam estabelecer uma parceria de cuidado, o que é essencial para o enfretamento desta condição crônica.

Biografia do Autor

Clayanne Reis Braga

Enfermeira. Universidade Federal do Piauí-UFPI/CSHNB. Picos (PI), Brasil.

Laura Maria Feitosa Formiga

Enfermeira. Doutoranda pela Universidade de São Paulo – USP. Mestre em Farmacologia.     Professora do Departamento de Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Piauí – UFPI/CSHNB. Picos (PI), Brasil.

Ana Larissa Gomes Machado

Enfermeira. Doutora em Enfermagem pela UFC. Assistente da Universidade Federal do Piauí-UFPI/CSHNB. Picos (PI), Brasil.

Ana Zaira da Silva

Enfermeira. Mestre em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde pela Universidade   Estadual do Ceará (UECE). Universidade Federal do Piauí-UFPI/CSHNB. Picos (PI), Brasil.

Ana Klisse Silva Araújo, Universidade Federal do Piauí-UFPI/CSHNB. Picos (PI), Brasil.

Enfermeira. Especialista em Nefrologia. Universidade Federal do Piauí – UFPI/CSHNB. Picos (PI), Brasil.

Antônia Luzângela da Costa Pereira

Enfermeira. Universidade Federal do Piauí – UFPI/ CSHNB. Picos (PI), Brasil. 

Referências

Sociedade Brasileira de Cardiologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. Revista Brasileira de Hipertensão. 2010; 17(1): 7-10. [Acesso em 13 out 2015]. Disponível em: http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2010/Diretriz_hipertensao_associados.pdf

Ministério da Saúde (BR). Cadernos de Atenção Básica: estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica - Hipertensão Arterial Sistêmica. 1. ed. Brasília (DF); 2013. [Acesso em 13 Out 2015]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_37.pdf

Faquinello P, Marcon SS. Amigos e vizinhos: uma rede social ativa para adultos e idosos hipertensos. Rev Esc Enferm USP. 2011; 45(6): 1345-1352.

Faquinello P, Marcon SS, Waidmann MAP. A rede social como estratégia de apoio à saúde do hipertenso. Rev Bras Enferm. 2011; 64(5): 849-856.

Minayo MCS, Assis SG, Souza ER. Avaliação por triangulação de métodos: abordagem de programas sociais. Cad. Saúde Pública. 2006; 22(5): 1115-1118.

Bardin, L. Análise de conteúdo. 20. ed. Lisboa: Ed 70; 2011.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa, CONEP. Resolução nº 466/12 sobre pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília (DF); 2012.

Tavares RS. Vivenciando a rede de apoio social de pessoas com hipertensão arterial de uma comunidade na Amazônia. [Tese]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2010.

Schmitz NVS, Fajardo, AP. Como idosos hipertensos e diabéticos que moram sozinhos cuidam desses agravos?. RBCEH. 2016; 13(2): 157-170.

Silva MED. As representações sociais De mulheres portadoras de Hipertensão arterial. Rev bras enferm. 2008; 61(4): 500-507.

Silva DC, Budó MLD, Schimith MD, Torres GV, Durgante VL, Rizzatti SJS, et al. Influência das redes sociais no itinerário terapêutico de pessoas acometidas por úlcera venosa. Rev Gaúcha Enferm. 2014; 35(3): 90-96.

Tavares DMS, Guimarães MO, Ferreira PCS, Dias FA, Martins, NPF, Rodrigues LR. Qualidade de vida e adesão ao tratamento farmacológico entre idosos hipertensos. Rev Bras Enferm. 2016; 69(1): 134-141.

Maciel KF. A hipertensão arterial na percepção dos seus portadores. Cienc Cuid Saude. 2011; 10(3): 437-443.

Coutinho FHP, Souza ISM. Percepção dos indivíduos com hipertensão arterial sobre sua doença e adesão ao tratamento medicamentoso na estratégia de saúde da família. Revista Baiana de Saúde Pública. 2011; 35(2): 397-41.

Tavares DMS, Paiva MM, Dias FA, Diniz MA, Martins NPF. Socio-demographic characteristics and quality of life of elderly patients with systemic arterial hypertension who live in rural areas: the importance of nurses’ role. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2013; 21(2): 515-522.

Sluzki CE. A rede social na prática sistêmica: alternativas terapêuticas. São Paulo: Casa do Psicólogo; 1997.

Downloads

Publicado

2018-03-18

Edição

Seção

Artigos Originais