AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE SOBRE SEXUALIDADE COM IDOSOS

Núbia Fernanda Vieira dos Santos, Laura Maria Feitosa Formiga, Ana Klisse Araújo Silva, Miriane da Silva Mota, Gabriela Sabatine Ribeiro Bezerra, Lorena Mayara Hipólito Feitosa

Resumo


Objetivo: Avaliar ações de educação em saúde sobre sexualidade em idosos. Métodos: Trata-se de um estudo de intervenção, prospectivo, do tipo antes e depois com abordagem quantitativa. Aconteceu no período de maio de 2016 a janeiro de 2017 em uma Estratégia de Saúde da Família. A amostra do estudo foi censitária. Usou-se um instrumento estruturado para conhecer a realidade do participante e inquérito de Conhecimento, Atitude e Prática, o qual foi aplicado no início e fim do estudo. Os dados coletados foram distribuídos e analisados no programa estatístico Statitical Package for the Social Sciences, versão 20.0. Aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Piauí através do parecer Nº 1.891.050. Resultados: A grande parte 78,6% eram do gênero feminino, com faixa etária entre 60 a 65 anos, 69,0% analfabetos, 78,6% com renda de 1 salário mínimo. Referente ao Conhecimento, Atitude e Prática, antes de aplicar o instrumento 25% sabia a diferença entre sexo e sexualidade, enquanto após intervenções 75,0% respondeu saber distingui-la. 50% afirmaram que a sexualidade não é importante e após intervenções 57,1% responderam que é importante. Conclusão: Mediante os resultados encontrados o conhecimento geral sobre sexualidade dos idosos, apresentaram resultados satisfatórios, sendo possível notar a contribuição que a educação em saúde trouxe para o reconhecimento da importância da sexualidade neste grupo. Os profissionais devem atuar na perspectiva de promoção da saúde com uma visão positiva do processo de envelhecimento e da sua sexualidade.


Palavras-chave


Idoso; Sexualidade; Educação em Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de Indicadores 2010. [Citado em 12 de maio de 2016]. Disponível em:http://www.censo2010.ibge.gov.br/primeiros_dados_divulgados/index.php?uf=22.

OLIVEIRA GBVP, NUNES IFOC, CARVALHO LR, FIGUERÊDO RG, OLIVEIRA MCB, CARVA CMRG. Perfil antropométrico e níveis séricos de vitamina D de idosos participantes do programa saúde da família de Teresina. Rev. Interd. Ciên. Saúde. 2010; 1 (1): 48-55.

MOTHÉ PR,LEITE TL, CUNHA TCO,PUGLIA VMS . Levantamento dos dados demográficos do município de Campos dos Goytacazes/RJ como subsídios para a pedagogia do envelhecimento. Rev. Perspectiva Online: hum & sociais aplicada [Campos dos Goytacazes]. 2016; 17(6): 14-21.

LUZ ACG, MACHADO ALG, FELIPE GF,TEIXEIRA EM,SILVA MJ,MARQUES MB. Comportamento sexual de idosos assistidos na estratégia saúde

da família. J. Res. Fundam. Care. Online.2015; 7( 2): 2229-2240.

ISOLDI DMR, CABRAL AMF, SIMPSON C A Ação educativa com idosos em situação de vulnerabilidade. Rev. Rene.2014;15(6):1024-1029.

FALKENBERG MB, MENDES TPL,MORAES EP, SOUZA EM. Educação em saúde e educação na saúde: conceitos e implicações para a saúde coletiva. Ciênc. Saúde Coletiva.2014; 19( 3): 847-852.

Ministério da Educação(BR). Instituto Nacional do Desenvolvimento da Educação. Manual do aplicador do estudo CAP. Brasília: MS; 2002.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Resolução 466/12. Brasília: MS; 2012.

PEREIRA GS, BORGES CI. Conhecimento sobre o HIV/AIDS de participantes de um grupo de idosos, em Anápolis-Goiás. Esc Anna Nery. 2010; 14 ( 4): 720-725.

CARDOSO FL, MAZO GZ, SILVEIRA RA, VIRTUOSO JF, MENEZES EC. Dá juventude à velhice: Sexualidade de idosos praticantes de atividade física. Arq. Catarin. Med. 2013;41(1):43-40.

COSTA AP, COSTA CPJ, ALBUQUERQUE SC. O conhecimento de HIV/AIDS entre os idosos da Unidade de Saúde da Família João Pacheco Freire Filho, Arcoverde – Pernambuco. Saúde Coletiva em Debate.2012; 2(1): 09-19.

LISBOA CR, CHIANCA JCM. Perfil epidemiológico, clínico e de independência funcional de uma população idosa institucionalizada. Rev Bras Enferm.2012; 65(3):482-487.

MORAES KM,VASCONSELOS DP, SILVA ASR, SILVA RCC, SANTIAGO LMM, FREITAS CASL. Companheirismo e sexualidade de casais na melhor idade: cuidando do casal idoso. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol.[Rio De Janeiro].2011;14(4):787-798.

FERREIRA OGL, MACIEL SC, SILVA AO,SANTOS WS,MOREIRA MASP. O envelhecimento ativo sob o olhar de idosos funcionalmente independentes. Rev Esc Enferm USP.2010; 44(4):1065-1069.

OLIVEIRA MA, FRANCISCO PMSB,COSTA KS,BARROS MBA. Automedicação em idosos residentes em Campinas, São Paulo, Brasil: prevalência e fatores associados. Cad. Saúde Pública.2012;28(2):335-345.

ARAÚJO CLO, MONTEIRO ACS. Qual a perspectiva da pessoa idosa em relação ao HIV/AIDS? Revista Temática Kairós Gerontologia.2011; 14(5):237-250.

GAUTÉRIO, D. P,VIDAL DAS,BARLEM JGT,SANTOS SS. Ações educativas do enfermeiro para a pessoa idosa: estratégia saúde da família. Rev. Enferm. UERJ.2013; 21(2):824-828.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2017v3n2p162-171

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132017v3n2.828g151

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS