O fazer profissional no cotidiano: vivências de práticas educativas na prevenção de intercorrências mamárias que incentivam a promoção do aleitamento materno

Valéria de Oliveira Rodrigues, Bruna Christi Alves da Silva, Alcione da Camara de Jesus, Adison Santana Cruz, Sáskya Phlísia Pereira Lima, Daiene Rosa Gomes, Mussio Pirajá Mattos

Resumo


Objetivo: o presente estudo tem por objetivo relatar as vivências dos acadêmicos do curso de Enfermagem, acerca de atividades de educação em saúde na prevenção das intercorrências mamárias e na promoção do aleitamento materno, vinculada a Liga Interdisciplinar de Saúde da Criança da Universidade Federal do Oeste da Bahia. Métodos: trata-se de um estudo descritivo do tipo relato de experiência com o desenvolvimento de atividades educativas, através de orientações sobre a conscientização relacionada à prevenção das intercorrências mamárias, por meio da exposição de cartaz, banners, moldes em formas de mamas e entrega de folders. Resultados: durante a realização da atividade notou-se que o processo de educação em saúde abrangeu quatro aspectos fundamentais como a comunicação, informação, educação e escuta qualificada. Também foi possível observar o grande interesse e interação da população acerca da intervenção, os quais expressavam suas experiências e conhecimentos empíricos. Assim, foram orientadas sobre as prevenções a serem tomadas diante das intercorrências mamárias e o incentivo a promoção do aleitamento materno. Conclusões: dessa forma, foi possível perceber que a atividade de educação em saúde contribuiu para a prevenção, proteção e promoção da saúde, havendo uma junção dos conhecimentos prévios da população com os conhecimentos técnico-científicos, permitindo um ambiente transformador de informações, que contribuíram para oferta de qualidade de vida para o binômio mãe-filho e para formação profissional dos acadêmicos.


Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


¹Marques ES, Cotta RMM, Priore SE. Mitos e crenças sobre o aleitamento materno. Ciência & Saúde Coletiva [Internet]. 2011 [citado em 27 de Dezembro de 2018]; 16(5):[2461-2468]. Disponível em: .

² Fonseca LKR, Marques ICL, Santos CT. M, Mattos MP, Gomes DR. Maternagem: vivenciando ações de educação em saúde que auxiliam na promoção do aleitamento materno. Saúde em Redes [Internet]. 2018 [citado em 27 de Dezembro de 2018]; 4(1):[183-192]. Disponível em: .

³ Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2009.

Boccolini CS, Boccolini PMM, Monteiro FR, Venâncio SI, Giugliani ERJ. Tendência de indicadores do aleitamento materno no Brasil em três décadas. Revista de Saúde Pública [Internet]. 2017 [Citado em 27 de Dezembro de 2018]; 51: [1-9]. Disponível em: .

Venancio SI, Escuder MML, Kitoko P, Rea MF, Monteiro CA. Frequência e determinantes do aleitamento materno em municípios do Estado de São Paulo. Revista de SaúdePública[Internet]. 2002[citado em 27 de Dezembro de 2018]; 36(3): [313-18]. Disponível em: .

Quirino LS, Oliveira JD, Figueiredo MFER, Quirino GS. Significado das experiências de não amamentar relacionado às intercorrências mamárias. CogitareEnfermagem[Internet]. 2011[citado em 27 de Dezembro de 2018]; 16 (4): [628-33]. Disponível em:.

Castro FK, Garcia TR, Souto CMRM, Bustorff LACV, Rigão TVC, Braga VAB. Intercorrências mamárias relacionadas à lactação: estudo envolvendo puérperas de uma maternidade pública de João Pessoa, PB. O mundo da Saúde[Internet]. 2009[citado em 27 de Dezembro de 2018]; 33 (4): [433-39]. Disponível em: .

Cunha ACB, Santos C, Gonçalves RM. Concepções sobre maternidade, parto e amamentação em grupo de gestantes.ArquivosBrasileiros de Psicologia [Internet]. 2012[citado em 27 de Dezembro de 2018]; 64 (1): [139-55] Disponível em: .

Diehl JP, Anton MC. Fatores emocionais associados ao aleitamento materno exclusivo e sua interrupção precoce: um estudo qualitativo. Aletheia [Internet]. 2011 [citado em 27 de Dezembro de 2018]; (34): [47-60]. Disponível em: .

Santos MP, Santana MS, Oliveira DS, Nepomuceno Filho RA, Lisboa CS, Almeida LMR, et al. Prevalência e fatores associados à interrupção precoce do aleitamento materno exclusivo: metanálise de estudos epidemiológicos brasileiros. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil [Internet]. 2017 [citado em 27 de dezembro de 2018]; 17 (1): [59-67]. Disponível em:

Rocha IS, Lolli LF, Fujimaki M, Gasparetto A, Rocha NB. Influência da autoconfiança materna sobre o aleitamento materno exclusivo aos seis meses de idade: uma revisão sistemática. Ciência & Saúde Coletiva [Internet]. 2018 [citado em 27 de dezembro de 2018];23 (11): [3609-3619]. Disponível em: .

Oliveira CS, IoccaFA,Carrijo MLR, Garcia RATM. Amamentação e as intercorrências que contribuem para o desmame precoce. Revista Gaúcha de Enfermagem[Internet]. 2015 [citado em 28 de dezembro de 2018]; 36 (n.spe): [16-23]. Disponível em:.

Zorzi NT, Bonilha ALL. Práticas utilizadas pelas puérperas nos problemas mamários. Revista Brasileira de Enfermagem[Internet]. 2006[citado em 27 de dezembro de 2018];59 (4): [521-6]. Disponível em: .

Cirino IP, Soares CC, Sousa FVO, Sousa RRC, Lima LHO, Oliveira EAR. Educação em saúde: promovendo o aleitamento materno, um relato de experiência. Revista Interdisciplinar. [Internet]. 2016 [citado em 27 de dezembro de 2018]; 9 (4): [181-186]. Disponível em: .

Salci MA, Maceno P, Rozza SG, Silva DMGV, Boehs AE, Heidemann ITSB. Educação em saúde e suas perspectivas teóricas: algumas reflexões. Texto Contexto Enferm[Internet]. 2013[citado em 27 de dezembro de 2018]; 22 (1): [224-30]. Disponível em: .

Souza Filho MD, Gonsalves Neto PNT, Martins MCC. Avaliação dos problemas relacionados ao aleitamento materno a partir do olhar da enfermagem. Cogitare Enfermagem [Internet]. 2011[citado em 27 de dezembro de 2018]; 16 (1): [70-5]. Disponível em: .

Marinho MS, Andrade EN, Abrão ACFV. Atuação do enfermeiro (a) na promoção, incentivo e apoio ao aleitamento materno. Revista Enfermagem Contemporânea. [Internet]. 2015 [citado em 27 de dezembro de 2018]; 4 (2): [189-198]. Disponível em: .

Souza IVB, Marques DKA, Freitas FFQ, Silva PE, Lacerda ORM. Educação em saúde e enfermagem: revisão integrativa da literatura. Rev. Ciênc. Saúde Nova Esperança [Internet]. 2013[citado em 27 de dezembro de 2018]; 11 (1): [112-21] Disponível em:.

Dornelas R, Sousa MF, Mendonça AVM. Informação, educação e comunicação em saúde:análise das concepções dos coordenadores das campanhas de voz no Distrito Federal. Rev. CEFAC. [Internet].2014 [citado em 28 de dezembro de 2018]; 16 (1): [274-282]. Disponível em: .

Bomfim AMA, Souza MECA, Rocha MCG, Porto VFA, Lima EB, Mesquita TM. Recurso lúdico no processo de educação em saúde em crianças de escolas públicas de Alagoas: relato de experiência. Interfaces - Revista de Extensão [Internet].2015[citado em 28 de dezembro de 2018]; 3 (1): [117-121]. Disponível em:.

Almeida ER, Moutinho CB, Leite MTS. Prática pedagógica de enfermeiros de saúde da família no desenvolvimento da educação em saúde. Rev Interface - Comunicação, Saúde e Educação [Internet]. 2016[citado em 28 de dezembro de 2018]; 57(20): [389-401]. Disponível em: .

Jesus SJA. O papel da educação em saúde frente às implicações da atenção básica: do profissional à comunidade. Revista Interfaces: Saúde, Humanas e Tecnologia. [Internet]. 2015 [citado em 28 de dezembro de 2018]. 3 (1): [1-9]. Disponível em:.

Duarte LPA, Moreira DJ, DuarteEB, Feitosa ANC, Oliveira AM. Contribuição da Escuta Qualificada para a Integralidade na Atenção Primária. Revista Eletrônica Gestão & Saúde [Internet]. 2017. [citado em 28 de Dezembro de 2018]; 08 (03): [414-429]. Disponível em: .

Mesquita AL, Souza VAB, Moraes-Filho IM, Santos TN, Santos OP. Atribuições de enfermeiros na orientação de lactantes acerca do aleitamento materno. Rev. Cient. Sena Aires [Internet]. 2016 [citado em 03 de Janeiro de 2019]; 5 (2): [158-70]. Disponível em: .

Neves BR, Silva TS, Gomes DR, Mattos MP, Mendes ACCS; Gomes DR. Intercorrências mamárias relacionadas com à amamentação: uma revisão sistemática. Revista das Ciências da Saúde do Oeste Baiano –Higia [Internet]. 2016[citado em 03 de janeiro de 2019]; 1 (2):[58-73]. Disponível em: .

Batista MR, Veleda AA, Coelho DF, Cordova FP. Orientações de profissionais da saúde sobre aleitamento materno: o olhar das puérperas. JuornalOf N ursingAndhealt [Internet]. 2017 [citado em 03 de janeiro de 2019]; 7 (1): [25-37] Disponível em: < https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/enfermagem/article/viewFile/7718/7088>.

Merhy EE, Baduy RS, Seixas CT, Almeida DES, Slomp Júnior Helvo. Avaliação compartilhada do cuidado em saúde Surpreendendo o instituído nas redes. 1. ed. Rio de Janeiro, Brasil: Hexis; 2016.

Vaucher ALI, Durman S. Amamentação: crenças e mitos. Revista Eletrônica de Enfermagem [Internet]. 2005[citado em 28 de Dezembro de 2018]; 7(2): [207-214]. Disponível em: .

Duarte SJH, Borges AP, Arruda GL. Ações de enfermagem na educação em saúde no pré-natal: relato de experiência de um projeto de extensão da Universidade Federal do Mato Grosso. R. Enferm. Cent. O. Min. [Internet]. 2011 [Citado em 03 de Dezembro de 2018]; 1(2); [277-282]. Disponível em: http://seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/view/13/122

Coutinho J, Leal IP. Atitudes de mulheres em relação à amamentação – Estudo exploratório. Análise Psicológica [Internet]. 2005[citado em 28 de Dezembro de 2018]; 3(23): [277-82. Disponível em: .

Raimundo JS, Cadete MMM. Escuta qualificada e gestão social entre os profissionais de saúde. Acta Paul Enfermagem. [Internet]. 2012 [Citado em 06 de janeiro de 2019]; 25 (2) [61-67]. Disponível em:

Ribeiro MILC, Furegato ARF. Reflexões sobre a importância do relacionamento interpessoal na formação de profissionais de enfermagem. Nursing[Internet]. 2003[citado em 28 de Dezembro de 2018];6(66): [19-24]. Disponível em:

Almeida DV, Chaves EC. O ensino da humanização nos currículos de graduação em enfermagem. Einstein. [Internet]. 2009[citado em 28 de Dezembro de 2018];7(3): [271-78] Disponível em:

Dias VP, Silveira DT, Witt RR. Educação em saúde: o trabalho de grupos em atenção primária. Rev. APS [Internet]. 2009 [citado em 03 de Janeiro de 2019] 12 (2): [221-227]. Disponível em:

Moreira MA. Aprendizaje significativo: teoria y práctica. Madrid: Visor; 2000.

Mattos MP. Metodologias ativas auxiliando no aprendizado das ciências morfofuncionais numaperspectiva clínica: um relato de experiência. Rev. Ciênc. Médicas Biológicas [Internet]. 2017 [citado em 28 de Dezembro de 2018];16(2): [146-50]. Disponível em:

Mattos, MP. Viagem educacional e oficinas temáticas como ferramentas de formação construtivista em psicofarmacologia clínica. Reciis – Revista Eletrônica de Comunicação Informação e Inovação em Saúde. [Internet]. 2018 [citado em03 de Janeiro de 2019];12(4): [478-488]. Disponível em:




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2018v4n4p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132018v4n4.1693g331

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS