Os sujeitos do Mal-estar: análise da narrativa de uma profissional da Rede de Atenção Psicossocial

XENIA ROSEMARIE CAMPOS, Conrado Neves Sathler

Resumo


O Objetivo deste trabalho é apontar como são construídas subjetividades decorrentes de práticas discursivas e não discursivas na Rede de Atenção Psicossocial e nas Comunidades Terapêuticas de uma cidade de porte médio da região centro-oeste. Apoiados na concepção foucaultiana de produção de subjetividades por meio de dispositivos ligados às Políticas Públicas, os autores buscam apontar como a nomeação do mal-estar e como as práticas das clínicas tradicionais, das intervenções psicossociais e das Comunidades Terapêuticas produzem discursos e sujeitos que as respondem como sujeito-dobradiça. A hipótese que dirige a investigação é a de que a Biopolítica se introduz em múltiplas modalidades nos serviços de Saúde como forma de governo das populações discriminadas. As narrativas postas em dois artigos e o memorial da autora, escritos para compor sua dissertação de Mestrado em Psicologia, realizado na Universidade Federal da Grande Dourados na linha de pesquisa Processos Psicossociais, foram resgatados e constituem o corpus desta investigação. A análise do material aponta a existência de conflitos entre os trabalhadores de Saúde frente à multiplicidade de agenciamentos da biopolítica e às resistências que emergem nos projetos de intervenção do Estado brasileiro.


Palavras-chave


Saúde Pública;Acolhimento;Profissional de Saúde

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Freud S. O mal-Estar na civilização. Rio de Janeiro: Imago; 1997.

Freud S. Interpretação das Afasias. Lisboa: Edições 70; 1977

Freud S. Inibição, sintoma e angústia. São Paulo: Companhia das letras; 2014.

Bock AMB, Furtado O, Teixeria MLT. Psicologias: uma introdução ao estudo de Psicologia. 13 ed. São Paulo: Saraiva; 1999.

Dreyfus H, Rabinow P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária; 1995.

Foucault, Michel. Ditos e Escritos IV – Estratégia Poder-Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária; 2003.

Foucault M. Microfísica do poder. 16. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

Mbembe A. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política de morte. 2 Ed. São Paulo: n-1; 2018.

Foucault M. História da sexualidade1: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

Carvalho SR, Lima EMFA. Poderes da liberdade, governamentalidade e saberes psi: diálogos com Nikolas Rose (Parte 2). Interface (Botucatu). 2016; 20(58): 797-808.

American Psychiatry Association. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais: DSM-5. Porto Alegre: Artmed; 2014.

Câmara FP. A construção do diagnóstico psiquiátrico. Rev. latinoam. psicopatol. fundam., 2007; 10(4): 677-684.

Revista CREAS: Centro de Referência Especializado de Assistência Social. 2008; 2(1).

Nascimento S. Reflexões sobre a intersetorialidade entre as políticas públicas. Serv. Soc. Soc., 2010; (101): 95-120.

Nota Técnica nº 11/2019-CGMAD/DAPES/SAS/MS. Disponível em: http://pbpd.org.br/wp-content/uploads/2019/02/0656ad6e.pdf. Acesso em 26.fev.2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. SAS. PNH. Clínica Ampliada e Compartilhada. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/clinica_ampliada_compartilhada.pdf. Acesso em 27 fev. 2020

Gomes TB, Vecchia MD. Estratégias de redução de danos no uso prejudicial de álcool e outras drogas: revisão de literatura. Cien Saude Colet, 2018; 23(7), 2327-2338.

Silva FP, Frazão, Iracema, Linhares, FMP. Práticas de saúde das equipes dos Consultórios de Rua. Cad. Saúde Pública,2014; 30(4), 805-814.

Relatório da Inspeção Nacional em Comunidades Terapêuticas. Disponível em: https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2018/06/Relatorio-da-inspecao-nacional-em-comunidades-terapeuticas_web.pdf. Acesso em 27 fev.2020.

Sathler CN. Ontologia e ascética do sujeito das drogas. Guavira, 2013; 16(1): 184-200.

Guirado M. A Análise Institucional do Discurso como analítica da subjetividade. São Paulo: Annablume; FAPESP; 2010.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n3.3029g780

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS