Percurso formativo da humanização da saúde no discurso dos fisioterapeutas de uma unidade neonatal

Camila de Melo Moura, Sérgio Seiji Aragaki

Resumo


O artigo analisa a relação entre o percurso formativo da humanização da saúde e a atuação dos fisioterapeutas da unidade neonatal de um hospital público de ensino a partir de seus discursos. Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa, de caráter exploratório, sustentada pelos pilares teóricos-metodológicos de análise das Práticas Discursivas e Produção de Sentidos e do Construcionismo Social. Foram feitas entrevistas com oito fisioterapeutas. Para análise, foram feitas a transcrição sequencial e integral das falas. O procedimento analítico centrou-se na leitura exaustiva das entrevistas e identificação de quatro categorias analíticas: sentidos de humanização, atores sociais da humanização, percurso formativo da humanização e práticas alinhadas à humanização. Quanto aos resultados, os sentidos da humanização apontam para uma aproximação com conceitos da Política Nacional de Humanização; os participantes citaram os profissionais, os usuários e a gestão como atores sociais da humanização; na formação em humanização foi identificada uma fragilidade no ensino relacionado ao tema, porém, apesar disso, percebeu-se um alinhamento das práticas realizadas no local de trabalho com algumas propostas feitas pela Política Nacional de Humanização. O curso do Método Canguru destacou-se como o mais relevante no processo formativo. Por fim, a Educação Permanente em Saúde mostrou-se essencial na trajetória formativa desses fisioterapeutas.

Palavras-chave


Humanização da Assistência; Ensino Superior; Educação Continuada. Unidade de Terapia Intensiva Neonatal; Fisioterapia.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Documento base para gestores e trabalhadores do SUS. 4. ed. 4. reimp. Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 abr.2019.

Fortes PADC. Ética, direitos dos usuários e políticas de humanização da atenção à saúde. Saúde e Sociedade. 2004; 13(3): 30-5. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v13n3/04.pdf>. Acesso em: 25 abr.2019.

Miranda AO, Arce VAR. Humanização na formação em saúde : a experiência de uma estudante de fonoaudiologia. Distúrbios Comun. 2014; 27(3): 600-7. Disponível em: . Acesso em: 25 abr.2019.

Barbosa GC, Meneguim S, Lima SAM, Moreno V. Política Nacional de Humanização e formação dos profissionais de saúde: revisão integrativa. Rev. Bras. Enferm. 2013; 66 (1): 123-7. Disponível em: . Acesso em: 20 abr.2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Política nacional de educação permanente em saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 64 p. (Série Pactos pela Saúde 2006; v. 9). Disponível em: < http://portal.anvisa.gov.br/documents/33856/396770/Pol%C3%ADtica+Nacional+de+Educa%C3%A7%C3%A3o+Permanente+em+Sa%C3%BAde/c92db117-e170-45e7-9984-8a7cdb111faa>. Acesso em: 24 abr.2019.

Pereira AS, Carvalho MG, Ykeda DS. Desafios da humanização em neonatologia e na pediatria. In: Martins JA, Nicolau CM, Andrade LB (Org.). PROFISIO - Programa de atualização em fisioterapia pediátrica e neonatal: cardiorrespiratória e terapia intensiva: ciclo 4. Porto Alegre: Artmed: Panamericana; 2015. p. 143-160.

Spink MJP. Linguagem e produção de sentidos no cotidiano. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais; 2010.

Spink MJP et al. Práticas discursivas e produção de sentido no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais; 2013.

Spink MJP et al. Produção de informação na pesquisa social: compartilhando ferramentas. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais; 2014. Disponível em: . Acesso em: 25 abr.2019.

Aragaki SS. O psicológico na medicina: um estudo sobre os usos dos repertórios interpretativos de psicológico nos discursos na medicina ocidental oficial [Dissertação]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; 2001.

Chizzotti A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 8.ed. São Paulo:Cortez; 2006.

Spink, MJP. A ética na pesquisa social: da perspectiva prescritiva a interanimação dialógica. Psico. 2000; 31(1): 7-22. Disponível em: . Acesso em: 25 abr.2019.

Carvalho VL, Oliveira ALC, Rocha JSPC, Júnior JCS, Marsiglia TTC, Costa, ACS. Humanização: percepção dos discentes do curso de fisioterapia. Rev. Enferm. UFPE on line.2015; 9(6): 8187-8193. Disponível em: . Acesso em: 25 abr.2019.

Evangelista VC, Domingos TS, Siqueira FPC, Braga EM. Equipe multiprofissional de terapia intensiva: humanização e fragmentação do processo de trabalho. Rev Bras Enferm. 2016; 69(6): 1099-107. Disponível em: . Acesso em: 25 abr.2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de saúde. 2. ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2010. (Série B. Textos Básicos de Saúde). Disponível em: . Acesso em: 24 abr.2019.

Ramada NCO, Almeida FA, Cunha MLR. Toque terapêutico: influência nos parâmetros vitais de recém-nascidos. Einstein. 2013; 11(4): 421-5. Disponível em: . Acesso em: 24 abr.2019.

Rigonatto CCMB, Moraes MAA. Humanização: percepções de estudantes de fisioterapia. Revista da Universidade Vale do Rio Verde. 2014; 12(2): 177-86. Disponível em: . Acesso em: 24 abr.2019.

Oliveira NES, Oliveira LMAC, Lucchese R, Alvarenga GC, Brrasil VV. Humanização na teoria e na prática: a construção do agir de uma equipe de enfermeiros. Rev. Eletr. Enf. 2013;15(2): 334-43. Disponível em: . Acesso em: 24 abr.2019.

Dias LD. Humanização na assistência aos pais dos recém-nascidos prematuros internados na UTI neonatal do Hospital da Criança Conceição: Projeto de pesquisa. Porto Alegre, 32 f.; 2009. Disponível em: . Acesso em: 28 jan.2018.

Carli BS, Ubessi LD, Pettenon MK, Righi LB, Jardim VMR, Stumm EMF. O tema da humanização na terapia intensiva em pesquisas em saúde. J. Res.: Fundam. Care. 2018;10(2): 326-33. Disponível em: . Acesso em: 28 jan.2018.

Ferreira JA, Araújo GC. Humanização na Saúde: uma análise dos sentidos na óptica do trabalho cotidiano. Textos & Contextos. 2014; 13(1): 199-213. Disponível em: . Acesso em: 28 jan.2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2003. Disponível em: . Acesso em: 15 jan.2018.

Calderon DBL, Verdi MIM. Cogestão e processo de intervenção de apoiadores da Política Nacional de Humanização (PNH). Interface. 2014; 18(supl 1): 859-70. Disponível em: . Acesso em: 24 abr.2019.

Silva ID, Silveira MFA. A humanização e a formação do profissional de fisioterapia. Ciência & Saúde Coletiva. 2011; 16(1): 1535-46. Disponível em: . Acesso em: 24 abr.2019.

Rios IC, Sirino CB. A humanização no ensino de graduações em medicina: o olhar dos estudantes. Revista Brasileira de Educação Médica. 2015; 39(3): 401-9. Disponível em: . Acesso em: 24abr.2019.

Freitas FDS, Ferreira MA. Saberes de estudantes de enfermagem sobre a humanização. Rev. Bras. Enferm. 2016; 69(2): 282-9. Disponível em: . Acesso em: 24 abr.2019.

De Benedetto MAC, Gallian DMC. Narrativas de estudantes de medicina e enfermagem: currículo oculto e desumanização em saúde. Interface, Saúde e Educação. 2018; 22(67):1197-207. Disponível em: . Acesso em: 24 abr.2019.

Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNS/CES 4, 9 de fevereiro de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacional dos Cursos de Graduação em Fisioterapia. Brasília; 2002. Disponível em: . Acesso em: 24 abr.2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS: clínica ampliada e compartilhada. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 64 p. (Série B. Textos Básicos de Saúde). Disponível em: . Acesso em: 24 abr.2019.

Bôas LMV, Daltro MR, Garcia CP, Menezes MS. Educação Médica: desafio da educação na formação. Saúde em Redes. 2017; 3(2): 172-82. Disponível em: . Acesso em: 24 abr.2019.

Benevides R, Passos E. Humanização na saúde: um novo modismo?Interface. 2005; 9(17): 389-406. Disponível em: . Acesso em: 24 abr.2019.

Varela F. O reencantamento do concreto. In: Pelbart PP, Costa R. (Org.). Cadernos de subjetividade: o reencantamento do concreto. São Paulo: Hucitec; 2003. p.33-52.

Gontijo TL, Xavier CC, Freitas MIF. Avaliação da implementação do Método Canguru por gestores, profissionais e mães de recém-nascidos. Cad. Saúde Pública. 2012; 28(5): 935-44. Disponível em: . Acesso em: 24 abr.2019.

Spehar MC, Seidl EMF. Percepções maternas no método canguru: Contato pele a pele, amamentação e autoeficácia. Psicologia em Estudo. 2013; 18(4): 647-56. Disponível em: . Acesso em: 24 abr.2019.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n3.3305g767

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS