ATENÇÃO DOMICILIAR: PERCEPÇÃO DO USUÁRIO QUE APRESENTA CONDIÇÃO CRÔNICA SOBRE O CUIDADO OFERTADO PELA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

Jucieli da Silva Rabelo, Rafael Zaneripe de Souza Nunes, Stephane Catharine Zavadil, Cristiane Damiani Tomasi, Luciane Bisognin Ceretta, Lisiane Tuon

Resumo


Nas últimas décadas os princípios que orientam a atenção à saúde vêm produzindo mudanças no cenário de prática em saúde, focalizado na atenção primaria à saúde. A assistência domiciliar no sistema público de saúde aponta para a necessidade de novas tecnologias de cuidados continuo e de forma multiprofissional. Dessa forma, o presente estudo tem por objetivo verificar a percepção do usuário acamado e/ou domiciliado relacionada ao cuidado ofertado a domicilio na atenção básica. O estudo é caracterizado por uma abordagem quantitativa de natureza descritiva e observacional, em que foram aplicados questionários estrutura dos com 33 usuários de uma Unidade Básica de Saúde do Extremo Sul Catarinense. A pesquisa destacou que o crescimento da atenção domiciliar e do número de doenças crônicas está associado ao envelhecimento populacional. A escassez de atendimentos multiprofissionais se torna falho no contexto da promoção em saúde, onde muitos dos indivíduos vem o cuidado domiciliar como indiferente. É importante destacar o reconhecimento da atenção domiciliar como possibilidade de superar as dificuldades de acesso na rede, indicando que ela atende a um conjunto de necessidades referentes às ofertas de cuidado.


Palavras-chave


Visita Domiciliar; Sistema Único de Saúde; Atenção Primaria; Doença Crônica.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2002.

Moraes, PAD, Bertolozzi, MR, & Hino, P. Percepciones sobre necesidades de saludenlaatención básica, segúnusuarios de unservicio de salud. Rev. Esc. Enferm. USP., 2011; 45(1), 19-25.

Silva, KL, Sena, RRD, Seixas, CT, Feuerwerker, LCM, & Merhy, EE.Atenção domiciliar como mudança do modelo tecnoassistencial. Rev. Saúde Públ., 2010; 44, 166-176.

Feuerwerker, L, Merhy, EE. A contribuição da atenção domiciliar para a configuração de redes substitutivas de saúde: desinstitucionalização e transformação de práticas.

Rev. panam. salud pública., 2008; 24, 180-188.

Costa, GD, et al. Saúde da família: desafios no processo de reorientação do modelo assistencial. Rev Bras Enferm, Brasília, 2009; v. 62, n. 1, p. 113-118.

Czeresnia, D. Para compreender a epidemiologia. Hist. cienc. saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, 1998; v. 5, n. 1, p. 228-231.

Araújo, MBDS, Rocha, PDM. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Ciênc. Saúde Colet., 2007; 12, 455-464.

Mathers, C. The global burden of disease: 2004 update. World Health Organization, 2008.

Malta, DC, Merhy, EE. The path of the line of care from the perspective of non-transmissible chronic diseases. Interface (Botucatu), 2010; 14(34), 593-606.

WHO. World Health Organization. Preventing chronic diseases: a vital investment, 2005.

Schmidt, MI, Duncan, BB, Silva, GA, Menezes, AM, Monteiro, CA, & Barreto, SM. Doenças crônicas não-transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais. The Lancet, 2011; 6736(11), 61-74.

Lima-Costa, MF, Matos, DL, Camargos, VP, & Macinko, J. Tendências em dez anos das condições de saúde de idosos brasileiros: evidências da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (1998, 2003, 2008). Ciênc. Saúde Colet.,2011; 16, 3689-3696.

Brasil. Portaria 2529 de 19 de setembro de 2006. Institui a Internação domiciliar no âmbito do SUS, 2006.

Vasconcelos, CMD, & Pasche, DF. O sistema único de saúde. Tratado de saúde coletiva. São Paulo: Hucitec, 2006.

Wachs, LS, Nunes, BP, Soares, MU, Facchini, LA, & Thumé, E. Prevalência da assistência domiciliar prestada à população idosa brasileira e fatores associados. Cad. de Saúde Pública, 2016; 32(3), 1-9.

Biscione, FM, Szuster, DAC, Drumond, EDF, Ferreira, GUA, Turci, MA, Lima Júnior, JF, & Bersan, SAL. Avaliação de efetividade da atenção domiciliar de uma cooperativa médica de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad. de Saúde Pública, 2013; 29(1), 73-80.

Brasil. Ministério da Saúde. Caderno de atenção domiciliar. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2012; 2v.

MacMahon, S, Neal, B & Rodgers, A. Hypertension: time to move on. Lancet (British edition), 2005; 365(9464), 1108-1109.

Prince, MJ, Wu, F, Guo, Y, Robledo, LMG, O'Donnell, M, Sullivan, R & Yusuf, S. The burden of disease in older people and implications for health policy and practice. The Lancet, 2015; 385(9967), 549-562.

Who, G. WHO methods for life expectancy and healthy life expectancy, 2014.

Linnenkamp U, Guariguata L, Beagley J, Whiting DR, & Cho NH. The IDF Diabetes Atlas methodology for estimating global prevalence of hyperglycaemia in pregnancy. Diabetes Res. Clin. Pract., 2014; 103(2), 186-196.

de Oliveira Souza, J, de Oliveira, BC, de Souza, VL, Filgueiras, SRD, & Bastos, AD. A prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em usuários acamados assistidos em uma unidade básica de saúde da família. Saúde Redes, 2016; 2(3), 292-300.

Viacava, F, Oliveira, RADD, Carvalho, CDC, Laguardia, J, & Bellido, JG. SUS: oferta, acesso e utilização de serviços de saúde nos últimos 30 anos. Ciênc. Saúde Colet., 2018; 23, 1751-1762.

Malta, DC, Bernal, RTI, Vieira Neto, E, Curci, KA, Pasinato, MTDM, Lisbôa, RM, & Freitas, MIFD. Doenças Crônicas Não Transmissíveis e fatores de risco e proteção em adultos com ou sem plano de saúde. Ciênc. Saúde Colet., 2020; 25, 2973-2983.

Medeiros, CRG., Freitag, AL, Martines, LSE, Saldanha, OMDFL, Grave, MQ, Jager, LK,& Dhein, G. O Apoio Matricial na qualificação da Atenção Primária à Saúde às pessoas com doenças crônicas. Saúde Debate, 2020; 44, 478-490.

da Silveira, A, Favero, NB, da Silva, JH, Rodrigues, DP, & Caurio, APC. PACIENTES EM CONDIÇÕES CRÔNICAS DE SAÚDE: COTIDIANO DE CUIDADO DOMICILIAR. Rev. Contexto Saúde (Online), 2019; 19(36), 39-45.

Castro, TAD, Davoglio, RS, Nascimento, AAJD, Santos, KJDS, Coelho, GMP, & Lima, KSB. Agentes Comunitários de Saúde: perfil sociodemográfico, emprego e satisfação com o trabalho em um município do semiárido baiano. Cad. de Saúde Pública, 2017; 25(3), 294-301.

Furlanetto, DDLC, Lima, ADAD, Pedrosa, CM, Paranaguá, TTDB, Xavier, MF, Silva, AKPD, & Santos, LMP. Satisfação do usuário da Atenção Primária no Distrito Federal: a importância do acesso oportuno e da visita domiciliar. Ciênc. Saúde Colet., 2020; 25, 1851-1863.

Gonçalves, HM, Zamberlan, C. Visita domiciliar como prioridade de pesquisa em saúde: uma revisão. Discip. Sci., 2016; 17(1), 1-10.

Malta, DC, Oliveira, TP, Santos, MAS., Andrade, SSCDA, & Silva, MMAD. Avanços do plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil, 2011-2015. Epidemiol. Serv. de Saúde, 2016; 25, 373-390.

Romanholi, RMZ & Cyrino, EG. A Visita domiciliar na formação de médicos: da concepção ao desafio do fazer. Interface (Botucatu), 2012; 16(42), 693-705.

Rocha, KB, Conz, J, Barcinski, M, Paiva, D & Pizzinato, A. A visita domiciliar no contexto da saúde: uma revisão de literatura. Psicol. saúde doenças., 2017; 18(1), 170-185.

Becker, RM, Heidemann, ITSB, Meirelles, BHS, Costa, MFBNAD, Antonini, FO & Durand, MK. Práticas de cuidado dos enfermeiros a pessoas com Doenças Crônicas Não Transmissíveis. Ver. Bras. Enferm., 2018; 71, 2643-2649.

Silocchi, C & Junges, JR. Equipes de atenção primária: dificuldades no cuidado de pessoas com doenças crônicas não transmissíveis. Trab. educ. saúde (Online), 2017; 15(2), 599-615.

Franco T, Merhy E. PSF: contradições e novos desafios [Internet]. In: Anais da 11ª Conferência Nacional de Saúde on-line; 2000 Dez 15-19; Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2000.

Neves, CAB. Saúde: a cartografia do trabalho vivo, 2008.

Silva, KL, Cardoso Silva, Y, Guimarães Lage, É, Alves Paiva, P & Veloso Dias, O. Por Que é Melhor em Casa? A Percepção de Usuários e Cuidadores da Atenção Domiciliar. Cogitare Enferm., 2017; 22(4), 1-9.

Rodrigues, RAP, Bueno, ADA, Casemiro, FG, Cunha, AND, Carvalho, LPND, Almeida, VC & Seredynskyj, FL. Pressupostos das boas práticas do cuidado domiciliar ao idoso: revisão sistemática. Ver. Bras. de Enferm., 2019; 72(2), 302-310.

Leite BC, Oliveira-Figueiredo DSTD, Rocha FL, & Nogueira MF. Multimorbidade por doenças crônicas não transmissíveis em idosos: estudo de base populacional. Ver. Bras. de Geriatr. Gerontol., 2019; 22 (6), 1-11.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n3.3312g774

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS