A (Re)Organização da Atenção Primária à Saúde e a Longitudinalidade do Cuidado: Experiências sobre os Revérberos da Pandemia Covid-19 ao Serviço

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n1Supp143-153

Palavras-chave:

Saúde Coletiva, SUS, Atenção Primária à Saúde, COVID-19, Pandemia

Resumo

A Atenção Primária à Saúde é a principal porta de entrada do usuário à Rede de Atenção à Saúde e responsável pela oferta de serviços e ações essenciais à Atenção Básica. Objetivo: Relatar as experiências de (re)organização vivenciadas pelos profissionais de saúde de Unidade de Saúde da Família, em um município localizado no Sul da Bahia. Método: Relato de experiência dos trabalhadores da Atenção Primária à Saúde no enfrentamento da pandemia COVID-19. Resultados: 34,37% dos servidores lotados na Unidade de Saúde foram contaminados pelo Sars-CoV-2, entre o período de março a setembro. Os programas que não houve suspensão dos atendimentos foram ofertados à população dentro das normas de biossegurança. No entanto, os principais impactos foram a suspensão das atividades coletivas programadas, atendimentos ofertados aos grupos terapêuticos para idosos, usuários de tabaco, entre outros.  Conclusão: A reestruturação no processo de oferta de serviços de saúde no estabelecimento, ainda que com as atividades restritas na rotina, tem garantido portas abertas à população e permitido segurança aos usuários e profissionais envolvidos ou não com a assistência direta ao paciente.Palavras Chave: Saúde Coletiva; SUS; Atenção Primária à Saúde; COVID-19; Pandemia

Biografia do Autor

Isabela Santos Sousa, Universidade Estadual de Santa Cruz

Graduada em Enferrmeira pela Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC), Sanitarista pela Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), mestranda em Enfermagem pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), preceptora do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família da UESC, atuante na ESF, vinculada a Atenção Básica do município de Itabuna-Ba.

Neila Pierote Gaspar Nascimento, Universidade Estadual de Santa Cruz

Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal da Bahia (2011), Especialização em Gestão em Saúde pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (2019), Mestranda em Ciências da Saúde pela Universidade Estadual de Santa Cruz. Vinculada a Atenção Básica do município de Itabuna-Ba.

Tayná Freitas Maia, Universidade Estadual de Santa Cruz

Enfermeira pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (2020). Residente do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família pela Universidade Estadual de Santa Cruz.

Jane Mary de Medeiros Guimarães, Universidade Federal do Sul da Bahia

Graduação em Ciências Econômicas pela Faculdade Católica de Ciências Econômicas da Bahia, mestrado em Ciências da Educação pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, doutorado em Saúde Pública pelo Instituto de Saúde Coletiva - UFBA, professora Adjunta da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB).

Dejeane Oliveira Silva, Universidade Estadual de Santa Cruz

Professora Adjunta da Universidade Estadual de Santa Cruz, Graduada em ENFERMAGEM pela Universidade Estadual de Santa Cruz, Mestra em Enfermagem, Doutora em Enfermagem e Saúde/Programa de Pós-graduação em Enfermagem e Saúde da Universidade Federal da Bahia - UFBA.

Referências

Organização Pan-Americana de Saúde. Folha informativa – COVID-19 – Escritório da OPAS e da OMS no Brasil. Acesso em 19 de jun 2020. Disponível em: <https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6101:covid19&Itemid=875>.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sinopse do Censo Demográfico Brasil 2010. Acesso em 01 jul 2020. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?dados=4&uf=00

MENDES, EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2012. 512 p.

BARRETO ML, BARROS AJ, CARVALHO MS, CORDEÇO CT, HALLAL PR, MEDRONHO RA et al. O que é urgente e necessário para subsidiar as políticas de enfrentamento da pandemia de COVID-19 no Brasil?. Revista. Brasileira de epidemiologia, 2020 [acesso 05 de julho de 2020]; vol.23. Visualizado em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2020000100101&lng=en&nrm=iso >

BERBEL NA. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Interface, 1998 [acesso em 10 de maio 2020]; vol.2, (2).Visualizado em:<https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32831998000100008&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436 de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica. Diário Oficial da União. 22 set 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Protocolo de Manejo Clínico do Coronavírus (COVID-19) na Atenção Primária à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2020a

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Recomendações para adequação das ações dos agentes comunitários de saúde frente à atual situação epidemiológica referente ao covid-19. Brasília: Ministério da Saúde, 2020b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Atendimento odontológico no SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2020c.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.979 de 12 de novembro de 2019. Institui o Programa Previne Brasil. Diário Oficial da União. 13 nov 2019.

Downloads

Publicado

2021-07-23

Como Citar

Sousa, I. S., Nascimento, N. P. G., Maia, T. F., Guimarães, J. M. de M., & Silva, D. O. (2021). A (Re)Organização da Atenção Primária à Saúde e a Longitudinalidade do Cuidado: Experiências sobre os Revérberos da Pandemia Covid-19 ao Serviço. aúde m edes, 7(1Sup), 143–153. https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n1Supp143-153