CULTURA DE SEGURANÇA DO PACIENTE NA PERSPECTIVA DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE SEIS HOSPITAIS BRASILEIROS

Fernanda Boaz Lima Jacques, Eluiza Macedo, Rita Catalina Aquino Caregnato

Resumo


Objetivo: Desenvolver um plano educacional para segurança do paciente com base na percepção dos profissionais acerca da cultura de segurança. Metodologia: Estudo metodológico realizado em duas etapas: estudo documental retrospectivo e desenvolvimento de um plano educacional. Participaram da pesquisa seis hospitais brasileiros. A população foi composta por 1.930 profissionais que responderam questões do instrumento Hospital Survey on Patient Safety Culture, na versão validada para o contexto brasileiro, formando o banco de dados gerado pelos hospitais. A elaboração do plano educacional envolveu uma equipe multiprofissional com 24 membros. A pesquisa apresenta o CAEE: 16555719.0.0000.5345. Resultados: Na primeira etapa identificaram-se: dois hospitais com dimensões fortalecidas para a cultura, sendo elas: “Aprendizado organizacional - melhoria contínua”, “Trabalho em equipe no âmbito das unidades”, “Retorno das informações e comunicação sobre os erros”, “Apoio da gestão hospitalar para segurança do paciente” e “Frequência de eventos relatados”; e duas dimensões “Respostas não punitivas aos erros” e “Transferências internas e passagem de plantão” pontuadas como frágeis nos seis hospitais. Na segunda, o plano educacional contemplou ações para fortalecer a cultura hospitalar, a saber: envolver lideranças em ações de segurança, utilizar ferramentas para melhorar a comunicação da equipe, formar times, planejar melhorias. Considerações finais: O perfil da cultura encontrado neste estudo evidenciou duas instituições com cultura fortalecida e seis com pelo menos duas dimensões fragilizadas em comum. A análise permitiu direcionar ações do plano educacional, focando em pontos frágeis para fomentar a cultura, utilizando ferramentas práticas para trabalho em equipe, comunicação e cultura justa.


Palavras-chave


Segurança do Paciente; Qualidade da Assistência à Saúde; Cultura

Texto completo:

Sem título

Referências


Referências

National Patient Safety Foundation. Livres de danos: acelerar a melhoria da segurança do paciente quinze anos depois de To Err is Human. Boston: National Patient Safety Foundation; 2015.

Reis CT, Paiva SG, Sousa P. The patient safety culture: a systematic review by characteristics of Hospital Survey on Patient Safety Culture dimensions. Int J Qual Health Care. 2018 Nov 1;30(9):660-77.

Kohn LT, Corrigan JM, Donaldson MS. To Err is Human: Building a Safer Health System. Washington: National Academy Press; 2000.

World Health Organization. Conceptual framework for the international classification for patient safety. Geneva: World Health Organization; 2009.

World Health Organization. World Alliance for Patient Safety: forward programme 2008-2009. Geneva: World Health Organization; 2008.

Brasil. Portaria nº 529, de 01 de abril de 2013. Institui o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP). Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013.

Brasil Resolução RDC nº 36, de 25 de julho de 2013. Institui ações para a segurança do paciente em serviços de saúde e dá outras providências. Brasília, DF: Ministério da Saúde; Agência Nacional de Vigilância Sanitária; 2013.

Brasil. Portaria nº 2.095, de 24 de setembro de 2013. Aprova os Protocolos Básicos de Segurança do Paciente. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013.

Health and Safety Comission. Third Report: Organizing for Safety. Advisory Committee on the Safety of Nuclear Installations (ACSNI), Study Group of Human Factors. London: HMSO; 1993.

Sorra J, Nieva V. Hospital Survey on Patient Safety Culture. Rockville: Agency for Healthcare Research and Quality; 2004.

Reis CT. A cultura de segurança do paciente: validação de um instrumento de mensuração para o contexto hospitalar brasileiro. 2013. Tese (Doutorado) – Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Rio de Janeiro; 2013.

World health organization. WHO. Patient safety. A world alliance for safer health care. WHO patient safety curriculum guide: multi-professional edition. Geneva: World Health Organization; 2011.

Sorra J, Gray L, Streagle S, et al. AHRQ Hospital Survey on Patient Safety Culture: User’s Guide. Rockville: Agency for Healthcare Research and Quality, 2018.

Andrade LEL, Lopes JM, Souza Filho MCM, Vieira Júnior RF, Farias LPC, Santos CCM, Gama ZAS. Cultura de segurança do paciente em três hospitais brasileiros com diferentes tipos de gestão. Ciênc Saúde Coletiva. 2018; 23(1):161-72.

Santiago THR, Turrini RNT. Cultura e clima organizacional para segurança do paciente em Unidades de Terapia Intensiva. Rev Esc Enferm USP. 2015; 49(n.esp.):123-30.

Brasil. Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES. Consultas. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2020. Disponível em: http://cnes.datasus.gov.br/pages/consultas.jsp. Acesso em: 25 fev. 2020.

Martins JT, Ribeiro RP, Bobroff MCC, Marziale MHP,Robazzi MLCC. Pesquisa epidemiológica da saúde do trabalhador: uma reflexão teórica. Semina Ciênc Biol Saúde. 2014; 35(1):163-74.

Anastasiou LGC, Alves LP. Estratégias de ensinagem: processos de ensinagem na universidade. 3. ed. Joinville: Univille, 2004. p. 67-100.

Patient Safety & Quality Council. Culture Change Toolbox. Vancouver, CA: PSQC, 2018. Disponível em: https://bcpsqc.ca/resource/culture-change-toolbox/. Acesso em: 10 fev. 2020.

Agency for Healthcare Research and Quality . About TeamSTEPPS®. Rockville, MD: AHRQ, 2015. Disponível em: https://www.ahrq.gov/teamstepps/about.html. Acesso em: 10 fev. 2020.

Brasil. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, DF: Conselho Nacional de Saúde; 2012.

Costa DB, Ramos D, Gabriel CS, Bernardes A. Cultura de segurança do paciente: avaliação pelos profissionais de enfermagem. Texto Contexto Enferm, 2018; 27(3):e2670016.

Pena MM. Ocorrência de eventos adversos e sua relação com o fator comunicação em um hospital universitário [tese] – Escola de Enfermagem. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2015.

Pena MM, Melleiro MM. Eventos adversos decorrentes de falhas de comunicação: reflexões sobre um modelo para transição do cuidado. Rev Enferm UFSM. 2018; 8(3):616-25.

Hudson P. Applying the lessons of high risk industries to health care. Qual Saf Health Care 2003;12(Suppl. 1):i7-i12.

Tomazoni A, Rocha PK, Ribeiro MB,Serapião LS, Souza S, Manzo BF. Segurança do paciente na percepção da enfermagem e medicina em unidades de terapia intensiva neonatal. Rev Gaúcha Enferm. 2017;38(1):e64996.

Varallo FR, Passos AC, Nadai TR, Mastroianni PC. Incidents reporting: barriers and strategies to promote safety culture. Rev Esc EnferM USP. 2018;52: e03346.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p%25p

DOI (Sem título): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n3.3364g791

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS