A PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM USUÁRIOS ACAMADOS ASSISTIDOS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

Juliana de Oliveira Souza, Bruno Castro de Oliveira, Vladimir Lopes de Souza, Sheila Rodrigues Dias Filgueiras, Adilson Dias Bastos

Resumo


Este estudo teve como objetivo verificar a prevalência de Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNTs) em usuários acamados assistidos em uma Unidade Básica de Saúde da Família (UBSF). Foram analisados os prontuários de 46 usuários de ambos os sexos e com idade entre 16 e 93 anos. Observou-se que 82,6% desses usuários apresentavam doenças crônicas não transmissíveis, sendo a Hipertensão Arterial Sistêmica a mais prevalente entre eles. Concluiu-se que houve uma prevalência significativa de doenças crônicas não transmissíveis entre os usuários acamados e assim, sugere-se a necessidade de ações voltadas para a identificação precoce dessas doenças nessa população específica.


Palavras-chave


Doença crônica. Fatores de risco. Hipertensão. Diabetes Mellitus. Acidente vascular.

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization. Action plan for the global strategy for the prevention and controlo noncommunicable diseases: prevent and control cardiovascular diseases, cancers, chronic respiratory diseases and diabetes. Washington; 2008.

Ministério da Saúde (BR). Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011 - 2022. Brasília; 2011.

Ministério da Saúde (BR). As doenças transmissíveis no Brasil: tendências e novos desafios para o Sistema Único de Saúde. Brasília; 2009.

Paim, J, et al. The Brazilian health system: history, advances, and challenges. The Lancet. 2011;377(3).

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores sociodemograficos e de saúde no Brasil 2009. Estudos e Pesquisas Informação Demográfica e Socioeconômica, (25) 2009.

Monteiro CA. Velhos e novos males da saúde no Brasil: a evolução do país e suas doenças. São Paulo: Hucitec; 2000.

Hosey GM, et al. Socioeconomic and demographic predictors of selected cardiovascular risk factors among living in Pohnpei, Federated States of Micronesia. BMC Public Health. 2014;14(1).

Malta DC, Silva JB. Policies to promote physical activity in Brazil. The Lancet. 2012;380(9838).

Schmidt MI, et al. Chronic non communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. The Lancet. 2011;377(9781).

World Health Organization. Global status report on non communicable diseases [Internet]. Geneva: WHO; 2011. [Citado em: 25 mar 2015] Disponível em: http://www.who.int /nmh/publications/ncd_report2010/en.

Leite F. Taxas de mortalidade entre beneficiários de planos de saúde e a população brasileira em 2004 e 2005 - O que mudou? [Internet]. [citado em: 2 abr 2015] Disponível em: .

Bezerra SMG. Prevalência de úlcera por pressão em pacientes acamados e cuidados dispensados em domicílio [dissertação]. Teresina: Universidade Federal do Piauí; 2010.

Santos BRL, Thiesen FV. O programa de educação pelo trabalho para a saúde fortalecendo a interdisciplinaridade na formação dos profissionais da área da saúde. Rev Cienc Saúde. 2010; 3(1).

Ministério da Saúde (BR). PET-Saúde. [Internet]. [citado em: 5 abr 2015] Disponível em: .

Malta DC, Morais NOL, Silva JB. Apresentação do plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil, 2011 a 2022. Epidemiol serv saúde. 2011;20(4).

Silva A, et al. CIPE – versão 2: classificação internacional para a prática de enfermagem. 2011.

Presto B, Damázio L. Fisioterapia na UTI. 2.ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2009.

Sibinelli M, et al. Efeito imediato do ortostatismo em pacientes internados na unidade de terapia intensiva de adultos. Rev Bras Ter Intensiva. 2012;24(1).

Cazeiro APM, Peres PT. A Terapia Ocupacional na prevenção e no tratamento de complicações decorrentes da imobilização no leito. Cad Ter Ocup. 2010;18(2).

Franchi KMB, et al. Capacidade funcional e atividade física de idosos com diabetes tipo 2. Rev bras ativ fís saúde. 2008;13(3).

Costa GM, Henriques ME, Fernandes MDGM. Programa de atenção à saúde do idoso na visão da clientela. Rev Terceira Idade. 2003;27(2).

Martins JJ, et al. Necessidades de educação em saúde dos cuidadores de pessoas idosas no domicílio. Texto & contexto enferm. 2007;16(2).

Serra MM, et al. Condições clínicas e antropométricas de hipertensos atendidos em um centro de saúde de São Luís. Rev Pesquisa Saúde. 2015;16(2).

Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. 6. Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Hipertensão e Sociedade Brasileira de Nefrologia. Arq bras cardiol. 2010;95(1).

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diabetes Mellitus. Brasília; 2006. Caderno de Atenção Básica, n. 16, Série A.

Raposo NA, Lopez RFA. Efeitos da imobilização prolongada e atividade física. Rev Digital. 2002;8(50).

Lima CMF, et al. Tendências em dez anos das condições de saúde de idosos brasileiros: evidências da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (1998, 2003, 2008). Rev Cienc Saúde. 2011;16(9).

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Atenção à Saúde do Homem. Brasília: MS; 2006.

Ministério da Saúde (BR). Vigilância de doenças e agravos não transmissíveis. [Internet]. Brasília: MS. [citado em: 2 maio 2015] Disponível em: .

Nilsson PM, Cederholm J. Diabetes, Hypertension, and outcome studies: overview 2010. Diabetes Care. 2001;34(Suppl 2)

Hu G, et al. The impact of history of hypertension and type 2 diabetes at baseline on the incidence of stroke and stroke mortality. Stroke. 2005;36(12).




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2016v2n3p292-300

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132016v2n3.735g111

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS