ATENÇÃO À SAÚDE DOS USUÁRIOS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, NO RIO GRANDE DO SUL E NAS DEMAIS UNIDADES FEDERATIVAS DO BRASIL, NA ATENÇÃO BÁSICA

Évelin Maria Brand, Graziela Barbosa Dias, Karen da Silva Calvo, Maiko Sarmento da Silva, Bibianna de Oliveira Pavim, Erica Rosalba Mallmann Duarte, Luciana Barcellos Teixeira

Resumo


Objetivo: comparar a atenção à saúde dos usuários com hipertensão arterial sistêmica ofertada no Rio Grande do Sul com aquela ofertada nas demais unidades federativas do país. Método: Trata-se de um estudo epidemiológico, observacional e analítico, de cunho ecológico, com dados oriundos do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB), ano 2012. A amostra nacional foi composta por 65.391 usuários, dos quais 36,5% possuía hipertensão arterial sistêmica. Comparações foram realizadas quanto à atenção a saúde dos 23.797 hipertensos residentes no Rio Grande do Sul (RS) e nas demais UFs. Resultados: A prevalência de HAS no RS foi de 35,9% (n = 1.156). Observou-se diferença estatística entre RS e demais UFs quanto à ocorrência de consulta nos últimos 6 meses (p<0,001), realização de exames (p<0,001), agendamento de consulta (p<0,001), e local de retirada de medicamentos (p<0,001). Conclusões: Apesar do RS ser apontado como uma das UFs com maior prevalência de HAS, as comparações apontam melhores resultados nas demais UFs quanto à atenção a saúde do hipertenso na atenção básica. Os resultados permitem discutir melhorias de acesso e qualidade da atenção básica. Sugere-se que o PMAQ-AB inclua questões relativas à adesão ao tratamento e questões sobre o tratamento não medicamentoso para a avaliação da qualidade da atenção à saúde do hipertenso.


Palavras-chave


hipertensão; Promoção da Saúde; Atenção Primária à Saúde; Saúde Pública

Texto completo:

PDF

Referências


Lozano R, Naghavi M, Foreman K, Lim S, Shibuya K, Aboyans V, et al. Global and regional mortality from 235 causes of death for 20 age groups in 1990 and 2010: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2010. Lancet. 2012; 380(9859):2095-128.

Szwarcwald CL, Souza Júnior PRB, Damacena GN, Almeida WS, MaltaI DB, StopaI SN, et al. Recomendações e práticas dos comportamentos saudáveis entre indivíduos com diagnóstico de hipertensão arterial e diabetes no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), 2013. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2015; 18 SUPPL 2: 132-145.

Toscano, CM. As campanhas nacionais para detecção das doenças crônicas não transmissíveis: diabetes e hipertensão arterial. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro. 2004; 9(4):885-895.

Brasil. Ministério da Saúde. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. (Cadernos de Atenção Básica, n. 37).

Fuchs, FD. Hipertensão arterial sistêmica. In: Ducan, BB, Schimdt, MI, Giugliani, ERJ (Org.). Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 4. ed., Porto Alegre: ARTMED, 2013. p. 618-31.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022 / Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

Sociedade Brasileira de Hipertensão. Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Janeiro, Fevereiro e Março de 2010, Ano 13, vol. 13.

World Health Organization (WHO). Global health risks: mortality and burden of disease attributable to selected major risks. Geneva: World Health Organization, 2009.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Fundação Oswaldo Cruz. Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Rio de Janeiro, 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica / Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 110 p.: ll. – (Série E. Legislação em Saúde).

Almeida Filho N, Rouqyuaryol MZ. Introdução à epidemiologia moderna. 2ed. Belo Horizonte/Salvador/Rio: Coopmed/APCE/ABRASCO, 1992. 186 p.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ): manual instrutivo. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Instrumento de Avaliação Externa do Saúde Mais Perto de Você: Acesso e Qualidade. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Jacques SMC. Bioestatística: princípios e aplicações. Porto Alegre: Artmed, v. 1, 2003.

Mendes CRS, Souza TLV, Felipe GF, Lima FET, Miranda MC. Comparação do autocuidado entre usuários com hipertensão de serviços da atenção à saúde primária e secundária. Acta paul. enferm. [Internet]. 2015 dez; 28(6):580-586.

Gomes R, Nascimento EF, Araujo FC. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro. 2007; 23(3):565-74.

Alves RF, Silva RP, Ernesto MV, Lima AG, Souza FM. Gênero e saúde: o cuidar do homem em debate. Psicol Teor Prat. 2011; 13(3):152-66

Souza NRM, Silva NAS. Exames admissionais e aposentadorias precoces em motoristas de ônibus: influência da hipertensão arterial. Rev. SOCERJ. 2005; 18(2):154-39.

Moura AAG, Carvalho EF, Silva NJC. Repercussão das doenças crônicas não-transmissíveis na concessão de benefícios pela previdência social. Ciência e Saúde Coletiva [online], Rio de Janeiro. 2007; 12(6):1661-72.

Suzano DS, Almeida MCS, Massa LDB, Wengert M. A importância da qualidade de vida em pacientes hipertensos. Saúde em Rede. 2016; 2(1):53-63.

Lima DBS, Moreira TMM, Borges JWP, Rodrigues MTP. Associação entre adesão ao tratamento e tipos de complicações cardiovasculares em pessoas com hipertensão arterial. Texto contexto - enferm. [Internet]. 2016; 25(3):e0560015.

Girotto E, Andrade SM, Cabrera MAS, Matsuo T. Adesão ao tratamento farmacológico e não farmacológico e fatores associados na atenção primária da hipertensão arterial. Ciênc Saúde Coletiva. 2013 Jun; 18(6):1763-72.

Barreto MS, Matsuda LM, Marcon SS. Fatores associados ao inadequado controle pressórico em pacientes da atenção primária. Esc. Anna Nery [Internet]. 2016 mar; 20(1):114-120.

Faquinello P, Carreira L, Marcon SS. A Unidade Básica de Saúde e sua função na rede de apoio social ao hipertenso. Texto contexto Enfermagem [online], São Paulo. 2010; 19(4): 736-44.

Lima JC, Santos AL, Marcon SS. Percepção de usuários com hipertensão acerca da assistência recebida na atenção primária. J. res.: fundam. care. 2016; 8(1):3945-3956.

Venancio SI, Rosa TEC, Bersusa AAS. Atenção integral à hipertensão arterial e diabetes mellitus: implementação da Linha de Cuidado em uma Região de Saúde do estado de São Paulo, Brasil. Physis [Internet]. 2016 mar; 26(1):113-135.

Melo ECA, Figueiredo TMRM, Cardoso MAA, Paes NA. Acessibilidade dos usuários com hipertensão arterial sistêmica na estratégia saúde da família. Esc. Anna Nery [Internet]. 2015 mar; 19(1):124-131.

Bezerra ASM, Lopes JL, Barros ALBL. Adesão de pacientes hipertensos ao tratamento medicamentoso. Rev. Bras. Enferm. [online], Brasília. 2014; 67(4):550-555.

Paniz VMV, Fassa ACG, Facchini LA, Bertoldi AD, Piccini RX, Tomasi E et al . Acesso a medicamentos de uso contínuo em adultos e idosos nas regiões Sul e Nordeste do Brasil. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2008 fev; 24(2): 267-280.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2017v3n2p136-144

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132017v3n2.772g148

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS