Resiliência no trabalho de enfermeiros em serviços de atenção oncológica: o desafio de desenvolver capacidades profissionais

Autores

  • Alexander de Quadros FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA -FACCAT

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2018v4n2p129-142

Palavras-chave:

Resiliência Psicológica, Enfermagem Oncológia, Educação Permanente.

Resumo

RESUMOObjetivo: O artigo problematiza questões relativas à resiliência e ao contexto do trabalho e formação em situações de cuidado com pacientes oncológicos. O contato com a morte produz situações de sofrimento dos trabalhadores, principalmente na contemporaneidade, em que foi deslocada para a internalidade dos serviços de saúde como desafio tecnológico. Método: Foi desenvolvido no formato de um ensaio teórico e empírico, com dados originários de uma revisão de literatura de diversos campos do conhecimento e coletados a partir de entrevistas com enfermeiros em uma unidade de oncologia. Resultados: Os resultados revelaram que as situações de morte e morrer levam ao adoecimento dos trabalhadores associado a um imaginário social que associa a doença oncológica com a morte. Conclusão: Conclui-se que o contato com a morte e o morrer são fatores que geram sofrimento nos trabalhadores e que, comumente, os mecanismos de enfrentamento são desenvolvidos pelos próprios trabalhadores, com insuficientes iniciativas institucionais e com deficiente abordagem na formação. Propõe-se que a temática da morte e do morrer sejam mais visíveis na formação e em dispositivos de educação permanente no cotidiano dos serviços.   

Biografia do Autor

Alexander de Quadros, FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA -FACCAT

Enfermeiro, Mestre em Educação PUC/RS, Professor do Curso de Enfermagem das Faculdades Integradas de Taquara / FACCAT.

Referências

QUADROS, A; STBÄUS, C. D. Resiliência em Oncologia: um olhar sobre a práxis do enfermeiro. Dissertação (Mestrado em Educação). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 2012.

PITTA, Ana. Hospital: dor e morte como ofício. São Paulo; HUCITEC; 1990.

BELLATO, R.; ARAÚJO, AP.; FERREIRA, HF.; RODRIGUES, PF.. A abordagem do processo do morrer e da morte feita por docentes em um curso de graduação em enfermagem. Acta Paulista de Enfermagem, 2007; 20(3): 255-63.

SILVA, RS.; PEREIRA, A.; MUSSI, FC.. Conforto para uma boa morte: perspectiva de uma equipe de enfermagem intensiva. Escola Anna Nery – Revista de Enfermagem, 19(1), jan-mar 2015: p 40-46.

YUNES, M. A. M. Psicologia positiva: o foco no indivíduo e na família. Positiva e Resiliência. Rev. Psicologia em Estudo, Maringá, v.8, n. especial, 2003.

RODRIGUEZ, Daniel. El humor como indicador de resiliência. In: MELILLO, A.; OJEDA, E. N. S. Resiliencia descobriendo lãs propias fortalezas. Buenos Aires: Paidós. 2005.

MELILLO, A.; OJEDA, E. N. S.; RODRIGUEZ, D. Resiliencia y Subjetividad. Buenos Aires: Paidós, 2004.

HOUAISS, A. Dicionário eletrônico da Língua Portuguesa. Versão 1.0. Instituto Antonio Houaiss. Ed. Objetiva Ltda, 2001.

MASTEN, A.; GARMEZY, N. Risk, Vulnerability, and Protective Factorsin Development Psychopathology. Advance in Clinical Child Psychology, New York: 8, 1985, p.1-52

.PINHEIRO, D. P. N. Psicologia A resiliência em discussão. Rev.Psicologia em Estudo, Maringuá, v.9, n.1, p.67-75, 2004.

PEDROMÔNICO, M. R. M. (2003). Problemas de desenvolvimento da criança: prevenção e intervenção. Em II Encontro de Estudos do Desenvolvimento Humano em Condições Especiais. São Paulo, agosto de 2003. Temas sobre Desenvolvimento, 12(suplemento especial), 7-9.

RUTTER, M. Psychosocial resilience and protective mechanisms. Americam Journal of Orthopsychiatry, n. 57, p. 316-31. 1984.

CYRULNIK, B. La maravilha del dolor: el sentido de la resiliencia. Buenos Aires: Granica, 2001.

GALENDE, E. Subjetividad y resiliencia: del azar y La complejidad. In: A. Melillo, E.N.S. Ojeda & D. Rodriguez (Orgs), Resiliencia y subjetividad(pp23-61). Buenos Aires: Paidós, 2004.

GROTBERG, Edith Henderson. Introdução: Novas tendências em resiliência. In: MELILLO, A; OJEDA, E. N. S. e colaboradores. Resiliência: descobrindo as próprias fortalezas. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 15-22.

YUNES; M. A. M.; ZSYMANSKI, H. Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. In: TAVARES, J. (Org.). Resiliência e educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

INFANTE, F. La resiliencia como processo: uma revisión de la literatura reciente.In: MELILLO, A.; OJEDA, E. N. S. (orgs). Resiliencia: descobriendolaspropias fortalezas. Buenos Aires: Paidós, 2002.

CANELAS, R. S. A resiliência de crianças em situação de risco em programas sócio educativos de Belo Horizonte. Dissertação (Mestrado em Enfermagem). Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte. 2004.

SÓRIA, D. A. C et al. A resiliência como objeto de investigação na enfermagem e em outras áreas: uma revisão. Escola Anna Nery. Revista Enfermagem, Rio de Janeiro v. 10, n. 3, p. 547-51, 2006.

SHARKSNAS, Thomas; LYNN, Bonnie. The Relation schipbetween resilience and job satisfaction im mental helthcareworkers. Dissertation Abstracts International: section b: The scenciesandengineering, v. 64, n. 6-b, p.:2963, 2003.

CECCIM, Ricardo Burg; FERLA, Alcindo Antônio. Educação e saúde: ensino e cidadania como travessia de fronteiras. Trab. Educ. Saúde, 2008, vol.6, no.3, p.443-456.

LIMA, PC.; COMASSETTO, I.; FARO, ACM.; MAGALHÃES, APN.; MONTEIRO, VGN.; SILVA, PSG.. O ser enfermeiro de uma central de quimioterapia frente à morte do paciente oncológico. Escola Anna Nerhy – Revista de Enfermagem, 18(3), jul-set, 2014: p. 503-509.

FERLA, A.A.. Clínica em movimento: cartografias do cuidado. Caxias do Sul: Educs, 2007.

MERHY, E.E.. Saúde: a cartografia do trabalho vivo em ato. São Paulo: Hucitec, 2002.

TAVARES, José. (Org.). Resiliência e Educação. São Paulo: Cortez, 2001.

CAMARGO, T.C. O ex-sistir feminino enfrentando a quimioterapia para o câncer de mama: um estudo de enfermagem na ótica de Martin Heidegger/ Teresa Caldas Camargo. Rio de Janeiro: UFRJ, 2000. XII, 180 p. Tese (Doutorado) – UFRJ. Escola de Enfermagem Anna Nery, 2000.

Downloads

Publicado

2018-12-20

Edição

Seção

Artigos Originais