Educação para Vida Adulta: por um mundo interno mais perceptivo

Alexander de Quadros, Claudia Flores Rodrigues

Resumo


Neste apontamento, tencionamos propor pensar sobre a possibilidade de vislumbrar um mundo interno mais perceptivo, mais leve, capaz de anular o peso corpóreo das limitações físicas que se ganha com o processo natural de envelhecimento. Com isso, acreditamos ser possível desenvolver um espaço aberto por uma espécie de racionalidade emancipatória, agregando uma tentativa de reflexão a partir de ideias fundamentais, sejam elas: concepção de vida adulta e a importância do descobrir-se pessoa através da literatura. A partir deste texto, convidamos o leitor a fazer um exercício de “desassossego” para pensar na sua itinerância em meio ao movimentado caminho do educar-se ao longo da vida.


Palavras-chave


Vida adulta; Educação; Vida em sociedade.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Mosquera e Stobãus. Humanismo e Criatividade em Educação para a Saúde. Artigo publicado em Educação PUCRS, ano XIV, n. 21, p. 17-40, 1991.

Calvino, Í. Seis propostas para o próximo milênio. Tradução: Ivo Barroso. São Paulo: Companhia da Letras, 2002.

Mosquera. JJR. Vida Adulta: personalidade e desenvolvimento. Porto Alegre, RS: Sulina, 1987.

Santos, BS. Antunes, D . Vida adulta, processos motivacionais e diversidade. Artigo publicado na Revista Educação PUCRS, ano XXX, n.01, p.149-164.2007.

Huertas, JA. (2001). Motivação e desmotivação: desafio para as professoras do Ensino Fundamental. Educar em Revista. Curitiba– PR2006. Disponível em: Acesso em 13 de ago. de 2019.

Timm, EZ, Mosquera, JJR and Stobãus, CD. O mal-estar na docência em tempos líquidos de modernidade. Rev. Mal-Estar Subj., Set 2010, vol.10, no.3, p.865-885. ISSN 1518-6148

Timm, EZ. (2006). O bem-estar na docência: Dimensionando o cuidado de si. Tese de doutorado não publicada, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n3.2538g795

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS