Estratégias de coping diante da terminalidade: perspectivas de técnicos de enfermagem em UTI

Sílvia Fátima Ferraboli, Alexander de Quadros

Resumo


O objetivo do estudo foi identificar as estratégias de coping utilizadas pela equipe de técnicos em enfermagem de uma Unidade de Terapia Intensiva de um grande hospital de Porto Alegre/Brasil acerca do processo de morte e morrer. Trata-se de um estudo descritivo, qualitativo realizado com 8 técnicos de enfermagem. Os dados foram tratados por meio da técnica de análise de conteúdo de Minayo. Através da análise qualitativa, foi possível estabelecer quatro categorias temáticas: espiritualidade; proteção e conforto; cuidado na terminalidade; autocuidado e sentimentos do profissional. Conclui-se que existem potencialidades e fragilidades que precisam ser desenvolvidas junto aos técnicos em enfermagem no âmbito do trabalho. Se faz necessário ampliar o estudo nos demais membros da equipe para aprofundar a investigação e assim melhor a qualidade da saúde mental e assistencial prestada.

 


Palavras-chave


Resiliência Psicológica. Atitude Frente à Morte. Cuidados Críticos. Unidade de Terapia Intensiva. Técnicos de Enfermagem.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Paula J, Wanderley Z, Daniela S. Estratégias de coping de pacientes oncológicos em tratamento radioterápico. Psic.: Teor. e Pesq. [online]. 2011, vol.27, n.4 [cited 2019-07-08], pp. 491-497. Available from: . ISSN 0102-3772. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722011000400013.

Borges, M.S; Mendes, N. Representações de profissionais de saúde sobre a morte e o processo de morrer. Rev. bras. enferm., Brasília, v. 65, n. 2, p. 324-331, Apr. 2012 . Availablefrom. acesso 08 Oct. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672012000200019.

Miguel, S.P. & Bueno, M.H. (2007). Habilidades sociais e estratégias de enfrentamento: um estudo correlacional. Disponível em: http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0578.pdf. Acesso em: 30/02/2019.

Minayo, M.C.S. (2014). Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciência & Saúde Coletiva, 17(3), 621-626.

Yunes, M.A.M., & Szymanski, H. (2001). Resiliência: Noção, conceitos afins e considerações críticas. In J. Tavares (Ed.), Resiliência e educação (pp. 13-42). São Paulo, SP: Cortez.

Yunes, M.A.M. Psicologia Positiva e resiliência: Foco no indivíduo e na família. In D. D. Dell'Aglio, S. H. Koller, & M. A. M. Yunes (Eds.), Resiliência e Psicologia Positiva: Interfaces do risco a proteção (pp. 45-68). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo. (2006).

Libório R.M.C, Castro B.M, Ferro E.G, Souza M.T.S. Resiliência e Processos Protetivos de Adolescentes com Deficiência Física e Surdez Incluídos em Escolas Regulares. Revista Brasileira de Educação Especial 2015; 21(2): 185-198.

Pesce R.P, Simone G.A, Joviana Q. A, Nilton C, Juaci V.M, Carvalhaes R. Adaptação transcultural, confiabilidade e validade da escala de resiliência. Cad Saúde Pública 2005; 21(2): 436-448.

Inque, K. C et al . Estresse ocupacional em enfermeiros intensivistas que prestam cuidados diretos ao paciente crítico. Rev. bras. enferm., Brasília, v. 66, n. 5, p. 722-729, Oct. 2013. Availablefrom. acesson 08 março 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672013000500013.

Kovács, M. J. Sofrimento da equipe de saúde no contexto hospitalar: cuidando do cuidador profissional. Mundo saúde. [Internet] 2010; 34(4) [acesso em: 02 de maio de 2019], Disponível em: .

Ribeiro, A.C.A et al. Resiliência no trabalho contemporâneo: promoção e/ou desgaste da saúde mental. Psicol Estud [Internet] 2011; 16(4) [acesso em 12 junho 2019]. Disponível em: .

Yokoyama A, Fontão Z.M.M. Ressignificacão da vida do cuidador paciente idoso com câncer. Revista Brasileira de Enfermagem [Internet].2014;67(5):752-758Recuperado de: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=267032830012

Santos, M; Hormanez, M. Atitude frente à morte em profissionais e estudantes de enfermagem: revisão da produção científica da última década Ciênc. Saúde colet. [Internet] 2013; 18(9) [Acesso em: 12 ago 2019]. Disponível em: .

Damião, E. B. C., Rossato, L. M. Fabri, L.R & Dias, V.C. Inventário de estratégias de enfrentamento: um referencial teórico. Revista da Escola de Enfermagem – USP 2018, 43(2), 1199-1203

Martins, C. B.S., Filho, N. S., & Pires, M.L.N. Estratégias de coping e o impacto sofrido pela família quando um dos seus está em tratamento contra câncer. Mudanças –Psicologia da Saúde 2016, 19 (1-2), 11-18 https:/doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v19n1-2p11-18

Oliveira P. P, Amaral J. G, Viegas S.M. F, Rodrigues AB. Percepção dos Profissionais Que atuam Numa Instituição de Longa Permanência Para Idosos Sobre a morte e o morrer. Ciênc. Saúde Coletiva [Internet]. 2013 setembro [cited 2016 10 de março]; 18 (9): 2635-2644. Disponível a partir de: .

Mota, M.S et al. Reações e sentimentos de profissionais da enfermagem frente à morte dos pacientes sob seus cuidados. Rev. Gaúcha Enferm. (Online), Porto Alegre, v. 32, n. 1, p. 129-135, Mar. 2011. Available from . Acesso 17 outubro de 2018




DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n2.2533g519

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS