Promovendo Educação em Saúde com adolescentes: estratégia didática e experiência discente

André Ribeiro de Castro Júnior, Maria Alice Oliveira, Maria Rocineide Ferreira da Silva

Resumo


Objetivo: apresentar e debater uma estratégia didática, no bojo das metodologias ativas,  problematizadoras e a correspondente experiência de aprendizagem, na perspectiva dos facilitadores. Método: Trata-se de um relato de experiência descrito por atores de um projeto de extensão vinculado a Universidade Estadual do Ceará. Possui um olhar qualitativo, que abordou a problemática desenhada a partir de métodos observacionais e descritivos. A vivência se deu no Centro Urbano de Cultura, Arte, Ciência e Esporte, no bairro Mondubim, na cidade de Fortaleza-Ceará. No período de março a novembro de 2018. Resultados: A experiência junto aos adolescentes demonstra a extensão universitária como alternativas para se buscar maneiras de interação, facilitando o alcance do estabelecimento de relação com os sujeitos. O reconhecer da saúde para além das intervenções biológicas potencializa a lógica das ações educativas como resolutivas a questões dos sujeitos ao mesmo que emancipatória na dupla facilitador-sujeito, nesse sentindo, as dinâmicas empregadas nas oficinas permitiram a compreensão dos facilitadores sobre a construção de um processo educativo-participativo, estimulando os adolescentes a atuarem como sujeitos reflexivos e ativos na vivência ensino-aprendizagem. Conclusão: O presente estudo contribui para a ampliação dos conhecimentos sobre as potencialidades da educação para- com o adolescente, demonstrando-as como ferramentas importante para possibilitar um cuidado do sujeito, onde este toma para si conhecimento, articulando saberes diversos para melhoria de suas práticas. Vale ressaltar a percepção sobre a necessidade de implementação de estratégias educativas que se valham de metodologias participativas, para incentivar a participação e a construção coletiva de saberes.


Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Costa RF. et al. Redes de apoio ao adolescente no contexto do cuidado à saúde: interface entre saúde, família e educação. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2015;49(5):741-747.

Rozemberg L, et al. "Resiliência, gênero e família na adolescência." CienSaude Colet. 2014;19(3):673-684.

Gomes AM. et al. Refletindo sobre as práticas de educação em saúde com crianças e adolescentes no espaço escolar: um relato de extensão. Revista Conexão UEPG. 2015;1(3)332-341.

Guerin CS. et al. Promovendo educação em saúde no espaço não formal de aprendizagem. Revista Brasileira em Promoção da Saúde. 2017;30(1):5-12.

Oliveira FLB, Almeida JJJ. Motivações de acadêmicos de enfermagem atuantes em projetos de extensão universitária: a experiência da Faculdade Ciências da Saúde do Trairí/UFRN. Revista Espaço Para a Saúde. 2015;16(1):36-44.

Rocha SF, et al. Sexualidade na adolescência: dialogando e construindo saberes através do pet saúde/redes de atenção no município de Sobral – Ceará. SANARE-Revista de Políticas Públicas. 2014;13(1):121-32.

Carneiro RF, et. al. Educação sexual na adolescência: uma abordagem no contexto escolar, Sobral. 2015;14(01):104-108.

Cavalcante BLL, Lima UTS. Relato de experiência de uma estudante de Enfermagem em um consultório especializado em tratamento de feridas. J. Nurse Health, Pelotas (RS) 2012;1(2):94-103.

Sobral V, Tavares CM, Silveira MF. Acolhimento como instrumento terapêutico. In: Santos I, editor. Enfermagem assistencial no ambiente hospitalar: realidade, questões e soluções. São Paulo: Atheneu; 2014. p. 65-70.

Magalhães JM, Monteiro CFS, Figueiredo MLF. Concepção de adolescentes sobre a prevenção do uso de crack. Revista de Pesquisa: Cuidado é fundamental. Rio de Janeiro. 2013;5(6):28-35.

Pinto AC., Scopacasa LF., Bezerra LLDAL., Pedrosa JV., & da Costa Pinheiro PN. Uso de tecnologias da informação e comunicação na educação em saúde de adolescentes: revisão integrativa. Revista de enfermagem UFPE. Recife. 2017;11(2):634-644.

Baldoino LS., Silva SMN, Ribeiro AMN,. N et al., Educação em saúde para adolescentes no contexto escolar: um relato de experiência. Rev. enferm UFPE, Recife. 2017;12(4):1161-7.

Brandão MGSA., al. Ultrapassando os muros da universidade: a monitoria acadêmica como ferramenta de educação em saúde. Raízes e Rumos. 2018;5(2):151-159.

Leite CT, et al. Prática de educação em saúde percebida por escolares. Cogitare Enfermagem. Curitiba. 2014;19(1):13-19.

Piccin C., et al. Projeto adolescer: promovendo educação em saúde com adolescentes de uma escola municipal de Santa Maria. Revista de Enfermagem e Atenção à Saúde. 2017;6(2)161-168.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2019v5n2p175-184

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132019v5n2.2278g380

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS